maio 25, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Rússia diz que Israel apoia ‘neo-nazistas’ na Ucrânia à medida que a disputa aumenta | notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

Rússia diz que Israel apoia 'neo-nazistas' na Ucrânia à medida que a disputa aumenta |  notícias da guerra entre a rússia e a ucrânia

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que Israel apoia o “regime neonazista em Kiev”, o que intensificou a disputa diplomática.

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia acusou Israel de apoiar os neonazistas na Ucrânia, aumentando uma briga que começou quando o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, afirmou que Adolf Hitler tinha ascendência judaica.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Yair Lapid, disse na segunda-feira que o falso comentário de Lavrov foi “imperdoável” que tentou minimizar os horrores do Holocausto – o assassinato de seis milhões de judeus e outras minorias pela Alemanha nazista.

Líderes de vários países ocidentais denunciaram Lavrov, que foi questionado sobre como a Rússia poderia perseguir seu objetivo declarado de “eliminar a ira” da Ucrânia quando o próprio presidente ucraniano Volodymyr Zelensky é judeu. Zelensky, cujo país é uma democracia parlamentar, acusou a Rússia de esquecer as lições da Segunda Guerra Mundial.

Em um comunicado na terça-feira, o Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que os comentários de Lapid são “anti-históricos” e “explicam em grande medida por que o atual governo israelense apoia o regime neonazista em Kiev”.

Moscou reiterou a opinião de Lavrov de que as origens judaicas de Zelensky não impediram a Ucrânia de comandar os neonazistas.

“O antissemitismo na vida cotidiana e na política não para, mas é alimentado pelo contrário.” [in Ukraine]Ela disse em um comunicado.

Israel expressou seu apoio à Ucrânia após a invasão russa em fevereiro. Mas temendo danos às relações com a Rússia, que é a mediadora de poder na vizinha Síria, a princípio ela evitou críticas diretas a Moscou e não impôs sanções formais à oligarquia russa.

Diante disso, Israel enviou ajuda humanitária à Ucrânia e manifestou apoio ao seu povo, mas o governo não aderiu às sanções internacionais contra a Rússia.

READ  Iate de luxo de US$ 700 milhões ligado a Vladimir Putin foi apreendido pela Itália

Isso abriu o caminho para que o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett pudesse tentar mediar entre os dois lados, um esforço que parece ter parado enquanto Israel lida com sua própria turbulência interna.

Mas as relações ficaram tensas, com Lapid no mês passado acusando a Rússia de cometer crimes de guerra na Ucrânia.

Depois que o Kremlin afirmou que Israel apoiava o nazismo, só tenho uma pergunta. Existe um estado não nazista em todo o mundo do ponto de vista da Rússia? Exceto Síria, Bielorrússia e Eritreia, é claro”, tuitou o assessor presidencial ucraniano Mikhailo Podolak na terça-feira, referindo-se a países que apoiaram o que Moscou chama de sua “operação especial” na Ucrânia.

Em um discurso no final de março perante o parlamento israelense, Zelensky pediu que Israel “faça uma escolha” apoiando a Ucrânia contra a Rússia, e exigiu que o Estado judeu lhe forneça armas.

O nazismo figurou com destaque nos objetivos e narrativas de guerra da Rússia enquanto lutava na Ucrânia.

Em sua tentativa de legitimar a guerra para os cidadãos russos, o presidente Vladimir Putin retratou a batalha como uma luta contra os nazistas na Ucrânia, embora o país tenha um governo democraticamente eleito e um presidente judeu cujos parentes foram assassinados no Holocausto.

Putin citou a presença de unidades como o Batalhão Azov dentro do exército ucraniano como uma das razões para o lançamento da chamada “operação militar especial”.

Azov é uma unidade de infantaria voluntária de extrema direita criada em 2014 para combater separatistas pró-Rússia na região de Donbass, no leste da Ucrânia. Seus primeiros membros eram ultranacionalistas e foram acusados ​​de abrigar a ideologia neonazista e a supremacia branca. Desde então, a unidade foi incorporada à Guarda Nacional da Ucrânia.

READ  Guerra russo-ucraniana: notícias e atualizações ao vivo