setembro 26, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Papa diz que quer ir a Moscou para se encontrar com Putin sobre Ucrânia

Papa diz que quer ir a Moscou para se encontrar com Putin sobre Ucrânia

Papa Francisco fala durante a oração de Regina Cayley, na Praça de São Pedro, no Vaticano, em 1º de maio de 2022. Vatican Media / Handout via REUTERS / File Photo

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

CIDADE DO VATICANO (Reuters) – O papa Francisco disse em entrevista publicada nesta terça-feira que solicitou uma reunião em Moscou com o presidente russo, Vladimir Putin, para tentar impedir a guerra na Ucrânia, mas não recebeu resposta.

O papa também disse ao jornal italiano Corriere della Sera que o patriarca Kirill, da Igreja Ortodoxa Russa, que havia dado seu total apoio à guerra, “não poderia se tornar um menino no altar de Putin”.

Francisco, que fez uma visita sem precedentes à embaixada russa quando a guerra começou, disse ao jornal que, após cerca de três semanas de conflito, pediu ao principal diplomata do Vaticano que enviasse uma carta a Putin.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A mensagem era “que eu estava pronto para ir a Moscou. Certamente, era necessário que o líder do Kremlin permitisse a abertura. Ainda não recebemos uma resposta e continuamos vitoriosos”.

“Temo que Putin não possa e não queira realizar esta reunião neste momento. Mas como você pode não parar com tanta brutalidade? Vinte e cinco anos atrás, em Ruanda, vivíamos a mesma coisa”, disse ele. Ela parece igualar os assassinatos na Ucrânia com o genocídio na nação africana em 1994.

Antes da entrevista, Francisco, 85, não havia mencionado especificamente a Rússia ou Putin publicamente desde que o conflito começou em 24 de fevereiro. Mas não deixou dúvidas sobre o lado que criticava, usando termos como agressão não provocada, conquista e atrocidades terríveis. contra civis.

READ  Um elefante mata uma mulher idosa e depois volta para pisotear seu corpo em um funeral na Índia

Quando perguntado sobre uma viagem à capital ucraniana, Kiev, que o papa disse no mês passado ser uma possibilidade, o papa disse que não iria por enquanto.

“Primeiro, tenho que ir a Moscou, primeiro tenho que conhecer Putin… Faço o que posso. Se Putin apenas abrir a porta”, disse ele.

A guerra na Ucrânia prejudicou as relações entre o Vaticano e a Igreja Ortodoxa Russa e causou uma divisão entre os cristãos ortodoxos em todo o mundo.

A Reuters informou em 11 de abril que o Vaticano está considerando estender a viagem do Papa ao Líbano de 12 a 13 de junho por um dia para que ele possa se encontrar com Kirill em 14 de junho em Jerusalém. Leia mais, mas Francisco depois decidiu contra isso.

Na entrevista, Francisco disse que, quando realizou uma videoconferência de 40 minutos com Kirill em 16 de março, o patriarca passou metade dela lendo um jornal “com todas as justificativas para a guerra”.

Moscou descreve seu trabalho na Ucrânia como uma “operação especial” para desarmar e “desacreditar” seu vizinho. Kirill, 75 anos, vê a guerra como um baluarte contra o Ocidente, que ele vê como decadente, particularmente sobre a aceitação da homossexualidade.

“Nós (o Papa e Cirilo) somos sacerdotes do mesmo povo de Deus”, disse Francisco. “É por isso que temos que buscar formas de paz para um cessar-fogo. O patriarca não pode se tornar o menino do governo de Putin. altar.”

O Papa também disse que quando se encontrou com Viktor Orban em 21 de abril, o primeiro-ministro húngaro lhe disse que “os russos têm um plano, que tudo terminará em 9 de maio”, referindo-se ao aniversário da libertação da Rússia no final da Guerra Mundial. Guerra II. .

READ  A média de novos casos de coronavírus nos EUA está abaixo do pico da Delta

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que o aniversário não terá impacto nas operações militares de Moscou na Ucrânia. Consulte Mais informação

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Francesca Pescionieri e Philip Pullella) Edição de Jacqueline Wong, Nick McPhee e Ed Osmond

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.