maio 29, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Rishi Sunak alerta sobre os próximos anos ‘muito perigosos’ para a Inglaterra

Rishi Sunak alerta sobre os próximos anos ‘muito perigosos’ para a Inglaterra
  • Por Sam Francis e Nick Erdley
  • Política da BBC

Rishi Sunak fará um discurso pré-eleitoral aos eleitores na segunda-feira, dizendo que “está em uma encruzilhada” antes de “alguns anos muito perigosos”.

Num discurso, o primeiro-ministro defenderá que as suas “ideias ousadas” podem criar um “futuro muito mais seguro” para os britânicos.

Os trabalhistas disseram que os conservadores não poderiam resolver os problemas da Grã-Bretanha porque “eles são o problema”.

O discurso de Sunak em Londres centrar-se-á na segurança e nos desafios mais vastos que o Reino Unido enfrenta, ao argumentar que os eleitores enfrentam uma escolha difícil sobre quem liderará o país.

Ele diria: “Sinto um profundo sentimento de urgência porque haverá mais mudanças nos próximos cinco anos do que nos últimos 30 anos.

“Acredito firmemente que os próximos anos serão os mais perigosos e mais transformadores que o nosso país já conheceu.”

Espera-se também que o primeiro-ministro fale sobre política externa, descrevendo a China, a Rússia, a Coreia do Norte e o Irão como um eixo de Estados autoritários que ameaçam o Reino Unido; Migração global e inteligência artificial.

A Pesquisa Nacional colocou os Trabalhistas 20 pontos à frente dos Conservadores nas intenções de voto nas eleições gerais.

O primeiro-ministro tenta apresentar-se como a melhor pessoa para lidar com os desafios – após as eleições gerais – previstas para o final deste ano.

Ele dirá que tem “ideias ousadas” que criarão um “futuro muito mais seguro” para os britânicos e restaurarão “a confiança e o orgulho em nosso país”.

Sunak prometerá defender o Reino Unido contra ameaças de guerra, imigração global e “aqueles que procuram minar os nossos valores e identidade partilhados”.

Ele também promete aproveitar as oportunidades oferecidas por tecnologias como a inteligência artificial.

Ele diria: “Nos próximos anos, todos os aspectos das nossas vidas mudarão – desde a nossa democracia, a nossa economia, a nossa sociedade – até às difíceis questões da guerra e da paz.

“A forma como respondermos a estas mudanças – não apenas para manter as pessoas seguras e protegidas, mas também para aproveitar as oportunidades – determinará se a Grã-Bretanha terá ou não sucesso nos próximos anos.

“Esta é a escolha que o país enfrenta.”

Downing Street argumentou que Sunak tinha um historial de entrega de soluções ousadas, desde licenças ao programa do Ruanda, durante a pandemia lançada pela primeira vez pela administração de Boris Johnson.

O Primeiro-Ministro tentou convencer os eleitores de que as perspectivas económicas da Grã-Bretanha estavam a melhorar, numa tentativa de reverter a sorte eleitoral dos Conservadores.

Entretanto, Sir Keir Starmer reunir-se-á mais tarde com os presidentes da Câmara Trabalhistas – e retratará a escolha entre “um Partido Trabalhista transformado… ou mais caos e colapso sob os Conservadores”.

Ele realizará uma mesa redonda com prefeitos sobre como promover o desenvolvimento regional caso o Partido Trabalhista tome o poder.

Sir Keir dir-lhes-á: “Não há dúvida de que esta é a escolha chave nas próximas eleições: um Partido Trabalhista transformado que irá elevar os padrões de vida para todos, em todo o lado ou mais caos e colapso sob os Conservadores, adequa-se à ambição deste país.

No domingo, o secretário dos Negócios Estrangeiros, Lord David Cameron, argumentou que era “absolutamente correcto” realizar eleições gerais no segundo semestre do ano para dar aos eleitores tempo para verem “o plano económico em acção”.

Os números oficiais da semana passada mostraram que a economia cresceu 0,6% no primeiro trimestre, encerrando a desaceleração técnica registada no último semestre do ano passado.

Mas Sunak enfrentou repetidos reveses – inclusive nas recentes eleições locais. Os seus problemas agravaram-se quando Natalie Elphick – a segunda deputada a deixar os Conservadores pelo Partido Trabalhista em poucas semanas – renunciou em protesto contra o seu historial em matéria de habitação e de impedir a travessia de pequenos canais por barcos.