abril 20, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Milhares se reúnem em Berlim e Paris para exigir paz na Ucrânia | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Milhares se reúnem em Berlim e Paris para exigir paz na Ucrânia |  Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Pessoas em Berlim participam de um protesto contra a entrega de armas à Ucrânia.

Manifestantes se reuniram nas capitais de Paris e Berlim para exigir a paz na Ucrânia, um dia após o aniversário da invasão russa.

Milhares de pessoas protestaram na capital alemã no sábado para denunciar o fornecimento de armas do governo à Ucrânia e pedir negociações de paz para acabar com a guerra.

Os organizadores foram criticados antes do protesto por subestimar o direito da Ucrânia de defender seu território da agressão russa e por não se distanciarem da extrema direita e da extrema esquerda, onde as opiniões pró-Rússia são comuns.

Um dos organizadores, o legislador da oposição Sahra Wagenknecht, do antigo Partido Comunista de Esquerda, disse que não havia espaço para neonazistas no comício, mas qualquer um que desejasse a paz com um “coração sincero” seria bem-vindo.

Embora a maioria dos cartazes do protesto refletisse posições tradicionais de esquerda, alguns participantes carregavam cartazes com o slogan “Americans Go Home” e o slogan de uma revista de extrema direita. Alguns agitavam bandeiras russas.

Wagenknecht acusou o governo alemão de tentar “destruir a Rússia” e disse que uma “oferta” deveria ser feita a Moscou para retomar as negociações de paz.

Outra organizadora, a proeminente escritora feminista Alice Schwarzer, disse que era hora de olhar além da esquerda e da direita.

As duas mulheres também lançaram uma petição alegando ter coletado mais de 645.000 assinaturas.

Uma mulher participa de um protesto contra a entrega de armas à Ucrânia e em apoio às negociações de paz entre a Rússia e a Ucrânia em Berlim, Alemanha [Christian Mang/Reuters]

Os manifestantes zombaram sempre que ela e Wagenknecht mencionavam o nome da ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalina Berbock, que apoiava fortemente as entregas de armas à Ucrânia.

A polícia disse que cerca de 13.000 pessoas participaram da marcha no famoso Portão de Brandemburgo, em Berlim, enquanto os organizadores afirmaram que 50.000 pessoas participaram.

READ  O líder israelense Naftali Bennett se encontra com seu colega do Bahrein e sinaliza uma mudança regional

Um dos participantes foi Constantin Schneider, um acadêmico de Berlim, que disse entender que os países da Europa Oriental temiam a Rússia.

“naturalmente [Russian President Vladimir] Putin é um tolo por atacar a Ucrânia. Mas ainda precisamos encontrar novas soluções [to the war] Em vez de dizer abertamente que não há nada para negociar.”

Houve várias pequenas contramanifestações. Na sexta-feira, milhares de manifestantes em toda a Europa marcharam contra a invasão de Moscou na Ucrânia.

Em Paris, várias centenas de pessoas cantaram o hino nacional ucraniano no sábado na Place de la Republique antes que crianças ucranianas em trajes tradicionais liderassem uma procissão.

O chanceler alemão, Olaf Scholz, disse em uma recente entrevista na televisão que não vê perspectiva de negociações de paz no momento.

Devemos entender que o presidente russo atualmente aceita apenas uma forma de negociação, ou seja, [Ukraine] Ele se rende incondicionalmente e atinge todos os seus objetivos”, disse Schultz à emissora pública ZDF.

Pessoas participam de um protesto contra a entrega de armas à Ucrânia em Berlim, Alemanha [Fabrizio Bensch/Reuters]