junho 15, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A guerra na Ucrânia aprofunda a divisão entre as principais economias na reunião do G20

A guerra na Ucrânia aprofunda a divisão entre as principais economias na reunião do G20

Um ano após a invasão russa da Ucrânia, a guerra aprofundou a divisão entre as principais economias do mundo, ameaçando a frágil recuperação ao interromper as cadeias de abastecimento de alimentos e energia e desviar a atenção dos planos antipobreza e reestruturação da dívida em países pobres.

Essas divisões ficaram evidentes na semana passada, quando os principais formuladores de políticas econômicas do Grupo dos 20 se reuniram por dois dias em um resort em Bengaluru, uma cidade no sul da Índia, onde as tensões sobre a Rússia ofuscaram os esforços para demonstrar união. Durante a cúpula, os países ocidentais aplicaram uma enxurrada de novas sanções a Moscou e revelaram mais apoio econômico à Ucrânia, enquanto países em desenvolvimento como a Índia, que estava colhendo os benefícios do petróleo russo barato, resistiram em expressar críticas.

Opiniões divergentes deixaram as autoridades lutando para elaborar a tradicional declaração conjunta, ou declaração conjunta, no sábado, forçando os principais representantes das nações do Grupo dos Sete, as economias mais avançadas do mundo, a tentar convencer seus colegas relutantes de que defender a Ucrânia valeu o custo. .

a Resumo da reunião Foi divulgado à tarde e observou que “a maioria dos membros condenou veementemente a guerra na Ucrânia”, mas “havia outras opiniões e avaliações diferentes da situação e das sanções”. A declaração observou que a Rússia e a China se recusaram a assinar partes do resumo que se referiam à guerra na Ucrânia.

Em uma aparente referência às tensões em torno do debate, o comunicado disse que o G20 “não é o fórum para resolver questões de segurança”, mas que os membros “reconhecem que questões de segurança podem ter consequências significativas para a economia global”.

A secretária do Tesouro, Janet L. Yellen, disse no sábado em uma entrevista que tentou defender uma resposta comum aos estados mais relutantes. “A Ucrânia está lutando não apenas por seu país, mas pela preservação da democracia e das condições pacíficas na Europa”, disse ela, acrescentando: “É um ataque à democracia e à integridade territorial que deve preocupar a todos nós.”

READ  ONU diz que bilhões enfrentam níveis de insegurança alimentar: 'O mundo está em declínio'

A cúpula ocorreu em um momento crucial para a economia global. O Fundo Monetário Internacional elevou no mês passado sua previsão para a produção global, mas alertou que a guerra da Rússia na Ucrânia ainda gera incertezas. O fundo também observou que o aumento da “fragmentação” no mundo pode ser um empecilho para o crescimento futuro.

A Sra. Yellen estava entre os críticos mais duros da Rússia durante a reunião de dois dias. A certa altura, ela confrontou diretamente altos funcionários russos em particular e os chamou de “cúmplices” das atrocidades do Kremlin.

O conflito sobre como caracterizar as ações da Rússia levou o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire, a expressar publicamente sua frustração com alguns países que não atacariam a Rússia por escrito. Ele observou que quando os líderes do G20 se reuniram em novembro em Bali, na Indonésia, sua declaração confirmou que a maioria dos membros condenava veementemente a guerra, e ele disse na sexta-feira que se opõe a moderar esse sentimento.

“Quero deixar claro que nos oporemos a qualquer retrocesso na declaração dos líderes em Pale sobre a questão da guerra na Ucrânia”, disse Le Maire, que se recusou a nomear os redutos, em entrevista coletiva. . Condenamos veementemente este ataque ilegal e brutal à Ucrânia.

Os estreitos laços econômicos da Índia com a Rússia tornaram seu papel como anfitrião do G20 este ano particularmente desafiador. Moscou é um importante fornecedor de energia e equipamentos militares para a Índia, enquanto os Estados Unidos são o maior parceiro comercial da Índia.

Para permanecer neutra, a Índia tentou evitar chamar o conflito de “guerra” e, em vez disso, concentrou-se em outras questões. No discurso de abertura da cúpula, o primeiro-ministro Narendra Modi destacou as ameaças à economia global, mas não fez menção à Rússia, apontando, em vez disso, para “As tensões geopolíticas estão aumentando em muitas partes do mundo.”

READ  Russell Brand diz que está prestes a enfrentar “alegações graves” e nega (vídeo)

Parte da resistência em condenar a Rússia decorre da preocupação de que os Estados Unidos usem seu poderio econômico para isolar um membro do G-20.

“O fato de os EUA terem tanto poder para agir contra um concorrente geopolítico é uma grande preocupação”, disse Eswar Prasad, professor de política comercial da Cornell University, que fala com autoridades americanas e indianas. “Está claro que houve uma deserção do G20.”

O Sr. Prasad acrescentou que o uso agressivo de sanções pelos Estados Unidos levantou preocupação entre outros países – mesmo que discordem das ações da Rússia – de que um dia possam incorrer na ira de Washington.

Esse uso de guerra econômica veio à tona na sexta-feira, quando os Estados Unidos aplicaram sanções a mais de 200 indivíduos e entidades na Rússia e em outros países que ajudaram financeiramente com a invasão de Moscou à Ucrânia. Sanções também foram impostas ao setor metalúrgico e de mineração da Rússia e às empresas de energia.

A guerra na Ucrânia não foi a única questão que consumiu os ministros das finanças da Índia na semana passada.

Os Estados Unidos e a Europa continuaram a resolver as diferenças sobre o apoio americano aos carros elétricos que os países europeus acreditam que prejudicarão suas economias. O acordo tributário global firmado em 2021 continua vacilando, aumentando a probabilidade de desmoronar. As negociações sobre a reestruturação dos encargos da dívida enfrentados pelos países pobres para evitar uma série de calotes falharam, em grande parte devido à resistência da China.

“Não houve muita mudança que eu vejo”, disse Yellen, que expressou frustração com o papel da China como um obstáculo na semana passada.

READ  Lee cria ondas perigosas na Costa Leste; Marut se move para o norte

Mas é a guerra na Ucrânia que deixou os líderes econômicos do mundo a maior divisão. Em muitos casos, a resistência em apoiar a Ucrânia e o confronto com a Rússia é resultado da complexa política interna de muitos países, e os Estados Unidos não são exceção.

Um número crescente de republicanos, incluindo o ex-presidente Donald J. Trump, argumentou nas últimas semanas que os Estados Unidos não podem se dar ao luxo de apoiar Kiev indefinidamente. Eles afirmam que, em um momento em que os Estados Unidos estão sobrecarregados com níveis recordes de dívida e uma economia fraca, esse dinheiro é melhor gasto em problemas domésticos.

No ano passado, os Estados Unidos trouxeram mais de $ 100 bilhões Ajuda humanitária, financeira e militar à Ucrânia. O Congressional Budget Office projetou na semana passada que os Estados Unidos estão a caminho de adicionar quase US$ 19 trilhões à sua dívida nacional na próxima década, US$ 3 trilhões a mais do que o projetado anteriormente.

Para o governo Biden, reduzir a ajuda à Ucrânia não parece ser uma opção.

Na entrevista, Yellen disse que os Estados Unidos podem pagar e que apoiar a Ucrânia é uma prioridade por razões econômicas e de segurança nacional.

A Sra. Yellen disse: “A guerra está tendo um impacto negativo em toda a economia global, e fornecer o apoio necessário para a Ucrânia vencer e acabar com isso é certamente algo que realmente não podemos fazer.”