setembro 27, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Gelo marinho antártico causa alerta ‘surpreendente’ para especialistas

Gelo marinho antártico causa alerta ‘surpreendente’ para especialistas
  • Escrito por Georgina Ranard, Becky Dale e Erwan Revolt
  • Equipe de clima, ciência e jornalismo de dados da BBC News

Fonte da imagem, Dr.

Comente a foto,

Um mundo no gelo na Antártica

Dados de satélite mostram que o gelo marinho que rodeia a Antártida está muito abaixo de qualquer nível de inverno anteriormente registado, um novo indicador preocupante para uma região que outrora parecia resistente ao aquecimento global.

“Está muito além de tudo que já vimos, é quase surpreendente”, diz Walter Mayer, que monitora o gelo marinho no Centro Nacional de Dados sobre Neve e Gelo.

Especialistas polares alertam que a instabilidade da Antártida poderá ter consequências de longo alcance.

A enorme extensão de gelo da Antártida regula a temperatura do planeta, à medida que a superfície branca reflecte a energia do Sol de volta para a atmosfera e também arrefece a água abaixo e perto dela.

Sem gelo para resfriar o planeta, a Antártida poderia deixar de ser a geladeira da Terra e se tornar um refrigerador, dizem os especialistas.

A área de gelo que agora flutua na superfície do Oceano Antártico é inferior a 17 milhões de quilómetros quadrados – ou seja, 1,5 milhões de quilómetros quadrados de gelo marinho a menos do que a média de setembro, e bem abaixo dos mínimos recordes do inverno.

Esta é uma área de gelo perdido com cerca de cinco vezes o tamanho das Ilhas Britânicas.

Dr. Mayer não está otimista de que o gelo marinho irá se recuperar significativamente.

“Podemos ver o quão vulnerável é”, diz o Dr. Robbie Mallett, da Universidade de Manitoba, com sede na Península Antártica.

Desafiado pelo isolamento, pelo frio extremo e pelos ventos fortes, o fino gelo marinho deste ano dificultou o trabalho da sua equipa. “Existe o risco de que ele se rompa e seja levado ao mar e estamos nisso”, diz o Dr. Mallett.

Fonte da imagem, Dr.

Comente a foto,

Gelo marinho muito fino em primeiro plano – Este é um tipo de gelo marinho chamado ‘nilas’ que se forma em condições de vento muito fraco

O gelo marinho forma-se no inverno do continente (março a outubro), antes de derreter em grande parte no verão, e faz parte de um sistema interligado que também consiste em icebergs, gelo terrestre e enormes plataformas de gelo – extensões flutuantes de gelo terrestre que se projetam da costa.

O gelo marinho atua como uma manta protetora de gelo que cobre a terra e evita o aquecimento do oceano.

A Dra. Caroline Holmes, do British Antarctic Survey, explica que os efeitos da redução do gelo marinho podem tornar-se aparentes à medida que a estação avança para o verão – quando existe o potencial para um ciclo de feedback imparável de derretimento do gelo.

À medida que mais gelo marinho desaparece, expõem-se áreas escuras do oceano, que absorvem a luz solar em vez de a reflectir, adicionando energia térmica à água, o que, por sua vez, derrete mais gelo. Os cientistas chamam isso de efeito albedo do gelo.

Isto poderia adicionar mais calor ao planeta, perturbando o papel habitual da Antártica como reguladora da temperatura global.

A professora Anna Hogg, cientista da Terra na Universidade de Leeds, diz que há sinais de que o que está realmente a acontecer às camadas de gelo da Antártida está no pior cenário possível do que o esperado.

Mesmo aumentos modestos no nível do mar podem levar a tempestades perigosamente elevadas que podem destruir as comunidades costeiras. Se grandes quantidades de gelo terrestre começassem a derreter, os efeitos seriam catastróficos para milhões de pessoas em todo o mundo.

“Nunca pensamos que eventos climáticos extremos pudessem acontecer lá.”

Sendo um continente independente rodeado de água, a Antártida tem o seu próprio sistema meteorológico e climático. Até 2016, a extensão do gelo marinho no inverno da Antártica estava realmente aumentando.

Mas em Março de 2022, uma intensa onda de calor atingiu a Antárctida Oriental, empurrando as temperaturas para -10°C, quando deveriam estar mais próximas dos -50°C.

“Quando comecei a estudar a Antártida, há 30 anos, nunca pensámos que ali pudessem ocorrer eventos climáticos extremos”, diz o professor Siegert.

O afastamento da Antártica e a falta de informações históricas significam que muito permanece desconhecido.

A região ainda representa o “Velho Oeste” em termos científicos, segundo o Dr. Robbie Mallett.

Os cientistas sabem a extensão do gelo marinho, mas não sabem, por exemplo, qual a sua espessura. A resolução deste puzzle poderia mudar radicalmente os modelos climáticos na região.

Fonte da imagem, Dr.

Comente a foto,

Dr. Mallett e sua equipe saem todos os dias para medir gelo e neve na Antártica

Na Rothera Science Base, o Dr. Mallett está usando instrumentos de radar para estudar a espessura do gelo marinho para um projeto de pesquisa internacional chamado Defiant.

“Existe a possibilidade de que esta seja uma estranha expressão de flutuações naturais”, diz ele, o que significa que muitos factores naturais podem ter-se acumulado e estar a afectar a área ao mesmo tempo.

Os cientistas salientam que os oceanos, que registaram temperaturas elevadas este ano, são provavelmente um factor contribuinte, uma vez que a água quente não congelará.

Também pode ter havido mudanças nas correntes oceânicas e nos ventos que impulsionam as temperaturas na Antártida.

É também possível que o fenómeno climático El Niño que se desenvolve actualmente na região do Pacífico esteja a contribuir para a redução do gelo marinho, embora ainda seja fraco.

Dr Mallett diz que há “boas razões para preocupação”.

“É potencialmente um sinal realmente preocupante de mudança climática na Antártida que não existia há 40 anos. Só está emergindo agora.”