fevereiro 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Espera-se que a desaceleração da inflação nos EUA aumente o otimismo sobre os cortes nas taxas de juros por parte do Federal Reserve

Espera-se que a desaceleração da inflação nos EUA aumente o otimismo sobre os cortes nas taxas de juros por parte do Federal Reserve

(Bloomberg) — O pulso da inflação nos EUA provavelmente continuará a desacelerar no início do ano, ajudando a alimentar as expectativas de que o Federal Reserve considerará os cortes nas taxas de juros mais palatáveis ​​nos próximos meses.

Mais lidos da Bloomberg

O núcleo do IPC, uma medida que exclui alimentos e combustíveis para obter uma imagem melhor do núcleo da inflação, deverá subir 3,7% em Janeiro em relação ao ano anterior.

Isso representaria o menor avanço anual desde abril de 2021 e destaca o sucesso do presidente do Fed, Jerome Powell, e dos seus colegas na luta contra a inflação. O IPC geral provavelmente aumentará menos de 3% pela primeira vez em quase dois anos, segundo economistas esperavam que o relatório de terça-feira mostrasse.

Apesar de reconhecerem este progresso, os decisores políticos não aceitaram a possibilidade de reduzir as taxas de juro já no próximo mês.

Leia mais: Autoridades do Fed aumentam as esperanças de cortes nas taxas de juros em breve

A sua paciência tem raízes numa economia que dá luz verde, a maior das quais é o mercado de trabalho. O crescimento permanente do emprego manteve os gastos dos consumidores à tona. Espera-se que um relatório separado na quinta-feira revele outro aumento nas vendas no varejo, excluindo automóveis e gasolina.

A desaceleração da inflação, juntamente com as expectativas de que os custos dos empréstimos irão cair este ano, explicam a recente melhoria na confiança dos consumidores. Espera-se que uma pesquisa da Universidade de Michigan com divulgação prevista para sexta-feira mostre que o índice de sentimento permanece perto do nível mais alto desde julho de 2021.

Os investidores também estarão atentos aos comentários dos responsáveis ​​da Fed nos dias seguintes aos dados do IPC, para avaliar o momento de quaisquer futuros cortes nas taxas. Entre os participantes da agenda estão os presidentes de bancos regionais, Raphael Bostic, de Atlanta, e Mary Daly, de São Francisco, ambos votando políticas este ano.

O que a Bloomberg Economics diz:

“Para decidir quando começar a cortar as taxas de juro, a Fed terá de conciliar os dados que tem disponíveis – que mostram a inflação num caminho rápido em direção à meta de 2% – com os riscos de que a inflação possa aumentar novamente ou que o mercado de trabalho possa enfraquecerá mais acentuadamente. Dados Na próxima semana ela considerará essa decisão, mas não dará uma resposta definitiva.

READ  Compre agora e pague depois é um tipo irritante de dívida fantasma, dizem especialistas

—Anna Wong, Stuart Ball, Elisa Wenger e Estelle Au, economistas. Para a análise completa, clique aqui

Rumo ao norte, as vendas de casas no Canadá revelarão se o mercado continua a melhorar antes dos esperados cortes nas taxas de juros em meados do ano. Dados sobre habitação e início de produção também serão divulgados.

Os destaques dos acontecimentos globais desta semana incluem o PIB do Japão, a inflação e os salários do Reino Unido, e o testemunho do chefe do banco central da zona euro.

Clique aqui para ver o que aconteceu na semana passada. Abaixo está um resumo do que acontecerá na economia global.

Ásia

Espera-se que a economia japonesa recupere do seu fraco desempenho durante o Verão, fornecendo outro sinal para o Banco do Japão enquanto se prepara para pôr fim à sua política de taxas de juro negativas.

Os números de quinta-feira também deverão confirmar que o Japão caiu para a quarta maior economia do mundo, atrás dos Estados Unidos, China e Alemanha.

Os mercados da China estarão fechados devido às celebrações do Ano Novo Lunar e não há grandes lançamentos programados.

O governador do RBI, Shaktikanta Das, que manteve uma postura agressiva na reunião de taxas de juros de quinta-feira, pode ver algum progresso em sua batalha contra a inflação no início da semana, com a expectativa de que os preços ao consumidor cresçam em um ritmo mais lento em janeiro. No entanto, isso provavelmente não será lento o suficiente para estimular conversas sobre um pivô.

Espera-se que o banco central filipino mantenha as taxas de juros estáveis ​​na quinta-feira, depois que os preços também continuaram a enfraquecer lá.

Os números do emprego australiano hoje cedo mostram um retorno ao crescimento após perdas em dezembro.

Singapura irá rever os seus números do PIB antes dos dados comerciais no dia seguinte.

O governador do Banco Central da Nova Zelândia, Adrian Orr, expôs sua última posição sobre política e inflação de 2% em um discurso na manhã de sexta-feira, com o fechamento dos números do PIB da Malásia esta semana.

Europa, Médio Oriente, África

Os dados do Reino Unido serão o centro das atenções. Na terça-feira, os números salariais poderão mostrar a pressão mais fraca sobre os salários desde 2022, animando os responsáveis ​​do Banco de Inglaterra que – tal como os seus pares globais – estão a avançar no sentido de taxas de juro mais baixas.

READ  Elon Musk vende 7,92 milhões de ações da Tesla no valor de US$ 6,88 bilhões

Os decisores políticos também examinarão o aumento esperado da inflação global, a principal medida que exclui itens voláteis como a energia, nos dados que serão divulgados na quarta-feira.

No dia seguinte, o PIB indicará como o aperto do BoE afectará o crescimento. Os economistas acreditam que o Reino Unido está a passar por uma recessão no quarto trimestre e está a evitá-la por pouco neste momento.

Os dados de inflação de janeiro também serão divulgados em toda a região esta semana:

  • O crescimento dos preços ao consumidor na Suíça poderá desacelerar para 1,6%, enquanto a Dinamarca divulgará números semelhantes.

  • Na Europa Oriental, a inflação deverá diminuir significativamente na Polónia e na República Checa, enquanto aumentará na Roménia.

  • No Gana, a taxa provavelmente caiu de 23,2% no mês anterior, enquanto na Nigéria a leitura pode ter acelerado de 28,9% devido à fraqueza da moeda.

  • Em Israel, a inflação deverá desacelerar para 2,7%.

Uma série de números do PIB do quarto trimestre também deverá ser divulgada, sendo provável que o crescimento nas economias da Europa Oriental e da Noruega permaneça fraco.

A produção industrial da zona euro foi um destaque na quinta-feira na zona monetária, com um quarto declínio mensal em dezembro citado por economistas em meio à queda da produção industrial em economias como a Alemanha.

A emergência de decisores políticos atrairá a atenção. A presidente do Banco Central Europeu, Christine Lagarde, testemunhará perante os legisladores na quinta-feira, enquanto vários eventos com a participação dos seus colegas também estão programados.

Falando este fim de semana, Fabio Panetta, membro do Conselho do BCE, disse que “o momento de reverter a orientação da política monetária aproxima-se rapidamente”, alertando contra uma longa espera pelos cortes nas taxas de juro.

Na Noruega, a Governadora Ida Wolden Bache fará o seu discurso anual perante o Conselho de Supervisão do Norges Bank.

Existem algumas decisões de preços no calendário em toda a região:

  • Na Terça-feira, na Roménia, o banco central deverá manter as taxas de juro em 7%, enquanto os investidores ficam atentos a quaisquer sinais de potenciais cortes.

  • As autoridades zambianas estão a preparar-se para aumentar os custos dos empréstimos na quarta-feira para apoiar a moeda em dificuldades e limitar as crescentes pressões sobre os preços.

  • No mesmo dia, os decisores políticos da Namíbia deverão manter os custos dos empréstimos inalterados, em linha com a pausa da África do Sul no mês passado.

  • Na sexta-feira, o banco central da Rússia poderá permanecer inativo depois da sua governadora, Elvira Nabiullina, ter sinalizado em dezembro que a sua taxa de juro diretora permaneceria elevada durante um período prolongado para fazer face à inflação que é quase o dobro do objetivo de 4%.

READ  Uma mulher da Pensilvânia recebeu US$ 7,1 milhões em indenização da ConAgra

América latina

O feriado de Carnaval marca um início de semana tranquilo, mas a Argentina retorna na quarta-feira para publicar seu relatório de inflação de janeiro.

Os preços ao consumidor provavelmente subiram 21,9% no mês passado, segundo economistas consultados pelo banco central, abaixo dos 25% de dezembro. Estas previsões indicam uma taxa anual superior a 250%, acima dos 211% no final de 2023.

A inflação aumentou após a decisão do presidente Javier Miley de desvalorizar o peso em 54% e remover os controlos de preços em centenas de produtos de consumo diário.

A Colômbia publica uma riqueza de dados, destacando uma desaceleração acentuada no que foi um dos pontos fortes da América Latina pós-pandemia.

A produção industrial, a indústria transformadora e as vendas a retalho têm sido negativas desde março, enquanto a produção do quarto trimestre provavelmente contraiu em relação aos três meses anteriores. O crescimento anual do PIB pode exceder apenas 1%, bem abaixo das leituras de 2021 e 2022 de 11% e 7,5%.

O Brasil publica os números do PIB de Dezembro antes dos relatórios trimestrais e anuais, previstos para 1 de Março, enquanto o Peru publica os dados da actividade económica de Dezembro, juntamente com o desemprego de Janeiro em Lima, a capital e a maior cidade.

Por último, o Banco Central do Chile regista a ata da sua decisão de janeiro de reduzir as taxas de juro em 100 pontos base, para 7,25%. Economistas consultados pelo banco central veem que atingirá 4,75% até o final do ano, com a inflação voltando a 3%.

–Com a assistência de Piotr Skolimowski, Robert Jameson, Monique Vanek, Brian Fowler, Abeer Abu Omar, Tony Halpin e Laura Dillon Kane.

(Atualizações com Panetta na seção EMEA)

Mais lidos da Bloomberg Businessweek

©2024 Bloomberg L.P.