fevereiro 29, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Uma festa de celebridades 'quase nuas' em uma boate de Moscou gerou uma reação violenta

Uma festa de celebridades 'quase nuas' em uma boate de Moscou gerou uma reação violenta



CNN

Várias celebridades russas enfrentaram fortes reações depois de aparecerem seminuas em uma festa temática de “quase nua” em Moscou. O país está em guerra Na Ucrânia e as autoridades estão a promover uma agenda cada vez mais conservadora.

Uma festa de 20 a 21 de dezembro organizada pela blogueira Anastasia Ivleeva no clube Mutabor, na capital, atraiu críticas de autoridades da Igreja Ortodoxa, de ativistas pró-guerra e de legisladores pró-Kremlin.

Um dos participantes, o rapper Vasio (Nikolai Vasiliev), que apareceu usando meias que cobriam sua genitália, foi condenado a 15 dias de prisão e multado em 200 mil rublos (cerca de US$ 2.200) depois que um tribunal de Moscou decidiu que o evento era o alvo. Propagação de relações sexuais não tradicionais.”

Vasiliev foi considerado culpado de crimes, incluindo “vandalismo agravado”.

“Nikolay Vasiliev (também conhecido como rapper Vasio) participou de uma festa na boate ‘Mudabor’, perturbou a ordem pública, usou linguagem chula e divulgou publicações em canais do Telegram destinadas a promover relações sexuais não tradicionais nos meios de comunicação de massa na Internet”, disse o disse o veredicto do tribunal.

Nos últimos anos, o Kremlin expandiu as leis anti-LGBTQ, uma mudança conservadora que se intensificou após a invasão da Ucrânia. No mês passado, o Supremo Tribunal da Rússia Declarou o “movimento LGBTQ internacional” uma organização extremista.

A reação contra o partido em Moscou ocorre no momento em que o presidente russo, Vladimir Putin, se concentra mais nos valores tradicionais do que no que ele retrata como a decadência e a imoralidade do Ocidente. Ele está concorrendo à reeleição em março de 2024.

Vasilyev foi um dos que compareceu à festa de desculpas.

READ  Biden, G7 A mais recente retaliação ucraniana atingiu o comércio russo

A organizadora Ivleeva disse inicialmente que as escolhas de roupas dos foliões eram próprias e que o evento era uma oportunidade para mostrar fotos tiradas durante seu tempo como editora-chefe da edição russa da Playboy.

Na quarta-feira, Ivleeva lançou um novo vídeo com duração de mais de 21 minutos, onde ela se desculpou em prantos, exigindo perdão e uma segunda chance ou uma repreensão pública.

Uma ação judicial pedindo 1 bilhão de rublos (11 milhões de dólares) em danos morais foi movida contra Ivleeva na terça-feira por organizar o partido, informou a agência de notícias estatal RIA Novosti.

Uma das outras participantes, a estrela pop Anna Asti, cancelou um evento de Ano Novo em outro clube em Moscou, informou o local em seu site.

“Queridos amigos, por motivos alheios ao nosso controle, a apresentação de Anna Asti foi remarcada para uma nova data, que anunciaremos em breve”, dizia a mensagem.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, recusou-se a comentar na quarta-feira: “Em relação a esta festa, peço a sua misericórdia: só estaremos no país sem discutir este assunto”.

Ekaterina Misulina, uma ativista pró-guerra e chefe da Safer Internet League, agradeceu à polícia russa pela sua resposta na quarta-feira e partilhou capturas de tela do Telegram do que ela disse serem mensagens de cidadãos preocupados e indignados.

“Como posso explicar ao meu sobrinho, que perdeu as duas pernas numa operação especial, por que lutou pela cueca de Ivleeva e por que ficou incapacitado?” leia uma das mensagens referentes à retórica oficial russa para a invasão da Ucrânia.

“É vergonhoso realizar tais eventos numa altura em que os nossos jovens estão a morrer em operações militares e muitas crianças estão a perder os seus pais”, disse Mizulina no seu próprio post. “Nossos combatentes na linha de frente certamente não lutaram por isso”.

READ  Os investigadores encontraram o Cleveland Bank Teller, que desapareceu após despejar US $ 215.000 em um saco de papel há 52 anos.

Entretanto, Vitaly Borodin, chefe do Programa Federal de Segurança e Anticorrupção, manifestou indignação, chamando o acontecimento de “sodomia, chantagem e propaganda LGBT”, instando o Ministro da Administração Interna a enviar polícia à discoteca Mutabor.