fevereiro 23, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Sírio Assad chega aos Emirados Árabes Unidos em visita oficial

Sírio Assad chega aos Emirados Árabes Unidos em visita oficial

DUBAI (Reuters) – O presidente sírio, Bashar al-Assad, chegou aos Emirados Árabes Unidos neste domingo para uma visita oficial acompanhado de sua esposa, Asma al-Assad, em um momento em que os países árabes se mostraram mais abertos para amenizar a crise. Isolamento de Damasco.

A visita foi marcada por mais cerimônia do que sua visita anterior aos Emirados Árabes Unidos no ano passado, que foi a primeira a um país árabe desde o início da guerra civil síria em 2011, quando países do Golfo, incluindo os Emirados Árabes Unidos, apoiaram combatentes da oposição que lutam para derrubar Assad.

E a mídia oficial disse que o Presidente do Estado, Sheikh Mohammed bin Zayed Al Nahyan, o recebeu em sua chegada a Abu Dhabi no domingo, e recebeu uma grande saudação quando seu comboio entrou no palácio real. O avião de Al-Assad foi recebido por combatentes dos Emirados.

“Tivemos conversas construtivas destinadas a desenvolver as relações entre nossos dois países”, disse Sheikh Mohammed mais tarde no Twitter. Nossas discussões também discutiram maneiras de aumentar a cooperação para acelerar a estabilidade e o progresso na Síria e na região.

A presidência síria disse que Asma al-Assad, em sua primeira visita oficial conhecida a al-Assad desde 2011, se encontrará com Sheikha Fatima bint Mubarak, mãe do presidente dos Emirados e que é considerada nos Emirados como a “Mãe dos Emirados”. .”

Os Emirados Árabes Unidos, um aliado dos EUA, lideraram uma mudança no Oriente Médio para reatar os laços com Assad, que se reuniu em Amã no mês passado em sua primeira viagem ao exterior desde o devastador terremoto na Síria e na Turquia, e visitou a Rússia no início deste mês. .

READ  Congelamento da Ucrânia restaura gradualmente a energia após ataques russos no grid

A Arábia Saudita, o Catar e, em menor grau, os Emirados Árabes Unidos têm apoiado os rebeldes contra Assad. Mas Abu Dhabi reconstruiu os laços com Damasco nos últimos anos, apesar das objeções dos EUA, pois procura conter a influência do Irã, que junto com a Rússia ajudou Assad a virar a maré contra seus inimigos.

E a Arábia Saudita, potência regional, que recentemente chegou a um acordo com o rival Irã para restabelecer as relações bilaterais, abriu as portas para um possível diálogo com Damasco especialmente em questões humanitárias, dizendo que estava se formando o consenso árabe de que isolar a Síria não era viável.

O Catar, como Washington, expressou sua oposição a qualquer movimento para reabilitar ou normalizar as relações com Assad, citando a brutalidade de seu governo durante o conflito e a necessidade de ver progresso em direção a uma solução política.

Centenas de milhares de pessoas morreram no conflito sírio, que surgiu de uma revolta contra Assad, atraiu várias potências estrangeiras e dividiu o país.

(Reportagem de Suleiman Al-Khalidi em Amã e Ghaida Ghantous em Dubai). Edição de David Goodman e Raisa Kasuluski

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.