abril 14, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Quando a humanidade se tornará uma civilização tipo I? Um novo artigo que explora nossos limites

Quando a humanidade se tornará uma civilização tipo I?  Um novo artigo que explora nossos limites

Existem várias maneiras pelas quais podemos medir o progresso da civilização humana. Crescimento populacional, ascensão e queda de impérios, nossa capacidade tecnológica de alcançar as estrelas.

Mas uma medida simples é calcular quanta energia os humanos usam a qualquer momento. À medida que a humanidade se espalha e se desenvolve, nossa capacidade de aproveitar a energia é uma de nossas habilidades mais úteis.

Se assumirmos que civilizações em outros planetas podem possuir habilidades semelhantes, o consumo de energia de uma espécie é uma boa medida aproximada de suas habilidades tecnológicas. Essa é a ideia por trás Escala Kardashev.

A escala foi proposta pelo astrofísico russo Nikolai Kardashev em 1964. Ele classificou as civilizações em três tipos: planetária, estelar e galáctica.

As espécies do tipo I são capazes de aproveitar a energia em uma escala igual à quantidade de energia estelar que chega ao seu planeta natal. As espécies do Tipo II podem aproveitar a energia na escala de sua estrela-mãe, e as do Tipo III podem aproveitar a energia de sua galáxia natal.

A ideia foi ainda mais popularizada por Carl Sagan, que propôs uma escala contínua de medição em vez de apenas três tipos.

Então, que tipo de civilização somos nós? Mesmo que os humanos usem uma tremenda quantidade de energia, acontece que nem mesmo nos qualificamos como sendo do tipo I.

Uma média de aproximadamente 1.016 watts de energia solar chega à Terra, e a humanidade atualmente usa cerca de 1.013 watts. Na escala móvel de Sagan, isso atualmente nos coloca em torno de 0,73.

Nada mal para um grupo de primatas bem desenvolvidos, mas levanta uma questão interessante. Podemos chegar ao primeiro tipo? Afinal, não podemos capturar toda a luz solar que chega à Terra e ainda ter um planeta habitável.

READ  Dados de GPS podem detectar grandes terremotos horas antes de acontecerem

Três tipos de civilizações de Kardishev. (Wikipédia, cc-by-sa 3.0)

Esta questão foi estudada em papel Foi publicado recentemente no arXiv. O artigo analisa três fontes principais de energia: combustíveis fósseis, nuclear e renováveis, e calcula seu potencial de crescimento ao longo do tempo.

Por outro lado, chegar ao primeiro tipo pode parecer muito fácil. Faça da produção de energia uma prioridade máxima e você chegará lá eventualmente. Mas cada tipo de fonte de energia tem suas limitações.

Em um caso extremo, como queimar cada grama de combustível fóssil que pudermos, isso pode levar a um nível Das Alterações Climáticas Todos nós podemos acabar no que é chamado filtro legal. Você não pode se tornar uma civilização do Tipo 1 se ela for extinta.

Assim, a equipe adota uma abordagem mais sutil, analisando as limitações físicas de cada tipo de fonte de energia, equilibrando-as com a necessidade de reduzir as mudanças climáticas e os níveis de poluição, conforme descrito na Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas e na Agência Internacional de Energia.

Eles descobriram que mesmo com limitações realistas, é possível que a humanidade alcance o primeiro nível. A desvantagem é que não chegaremos a esse nível até pelo menos 2371.

Isso não é necessariamente uma coisa ruim. A Escala Kardashev é um instrumento muito afiado para medir a escala da tecnologia humana.

Embora as civilizações avançadas exijam energia significativa, vimos como os avanços na computação de baixo consumo e o aumento da eficiência nos permitem reduzir ou achatar nosso consumo de energia enquanto continuamos avançando na tecnologia.

Embora este estudo mostre como podemos nos tornar uma civilização do Tipo I, é possível que possamos realmente avançar quando percebermos que não precisamos.

READ  Veja a primeira imagem por trás do Telescópio Espacial Hubble

Este artigo foi originalmente publicado por universo hoje. Leitura artigo original.