maio 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Por que a Falcon Heritage Foundation já se opôs à ajuda à Ucrânia

Por que a Falcon Heritage Foundation já se opôs à ajuda à Ucrânia

WASHINGTON – Horas antes da Câmara votar este mês para aprovar 40 bilhões de dólares Na ajuda militar e humanitária à Ucrânia, lobistas da Heritage Foundation, um proeminente think tank conservador, pressionaram especialmente os republicanos para se oporem à medida.

Em um movimento que chamou a atenção dos conservadores em Washington, Jessica Anderson, diretora executiva do Heritage Lobbying, emitiu uma declaração incendiária – sua manchete foi “Pacote de ajuda à Ucrânia coloca os EUA em último lugar— que cunhou o procedimento como imprudente e imprudente.

“A América está lutando com inflação recorde, dívida, fronteiras porosas, crime e esgotamento de energia, mas os progressistas em Washington estão priorizando um pacote de ajuda de US$ 40 bilhões para a Ucrânia”, disse Anderson.

A posição da Heritage Foundation ajuda a explicar por que 57 republicanos da Câmara votaram contra o acordo, na mais forte demonstração de oposição dentro das fileiras do partido ao crescente apoio do Congresso aos esforços da Ucrânia para evitar uma invasão russa. Refletiu a crescente eficácia da corrida “America First” no Partido Republicano e sua inclusão dos líderes de pensamento que moldam sua visão de mundo da política.

Ele também analisou o crescente desafio enfrentado pelos líderes do partido, que estão trabalhando para manter as forças anti-intervenção em suas fileiras se a guerra continuar, acreditam autoridades americanas, levando o governo Biden a buscar aprovação para outra parcela de ajuda nos próximos meses.

Em uma entrevista, o presidente do grupo, Kevin Roberts, prometeu “lutar contra ‘qualquer projeto de lei semelhante’ a cada passo do caminho”.

A situação também reflete uma profunda mudança na Heritage Foundation, uma organização que os conservadores há muito consideram a estrela de um guia político e intelectual.

Durante anos, o grupo defendeu uma política externa linha-dura, apoiou entusiasticamente as guerras no Iraque e no Afeganistão e, mais recentemente, O presidente Barack Obama critica a ‘sempre’ esforçar-se para ‘encontrar o mínimo absoluto de força militar com a qual ele possa se safar’.

Mas, mais recentemente, seu braço de lobby abraçou o fervor anti-intervenção que definiu a política externa do presidente Donald J. Trump e varreu o Partido Republicano.

Na quinta-feira, o Sr. Roberts postou um Podcast entrevista com o senador Josh Hawley Missouri, que é um dos 11 senadores republicanos que se opuseram ao pacote de ajuda à Ucrânia e autor de um editorial recente intitulado “Não aos neoconservadores”.

READ  Casas foram inundadas depois que o rio Ural subiu rapidamente em Orenburg, na Rússia

“Nem nós, quaisquer oponentes do pacote de ajuda, pretendemos que qualquer oposição ao pacote de ajuda rejeite o heroísmo que vimos na Ucrânia”, disse Roberts a Hawley. “Mas posso pelo menos falar sobre a herança e dizer: ‘Estamos cansados ​​dos negócios de sempre. “

Os princípios fundamentais da organização têm sido a promoção da livre iniciativa, governo limitado e forte defesa nacional. Mas aumentou Alimentado pela ascensão do populismo Na festa, primeiro durante a ascensão do Tea Party e depois durante o governo Trump, Armazenar alguns dos membros mais proeminentes Do governo do Sr. Trump e se gabando disso Quase dois terços de suas ideias foram implementadas Ou a Casa Branca o abraçou durante seu primeiro ano no cargo.

“O que foi muito surpreendente neste momento foi o legado, que sempre foi duro com a Rússia, forte na OTAN e guiado pelo lema ‘O que Reagan faria? ‘”, disse Eric Sayers, um não residente do American Enterprise Institute que começou sua carreira na Heritage como funcionário de nível básico.

Sayers disse que a medida reflete a ascensão de uma organização de “forças mais populistas focadas em seguir a direita do que em sua liderança”.

Roberts, que se referiu a si mesmo em uma entrevista como um “neoconservador em recuperação”, disse que a posição do Heritage sobre o pacote de ajuda reflete “real ceticismo entre as bases conservadoras sobre a liderança da política externa conservadora”.

A situação financeira do país, disse ele, estava nos forçando “como um movimento a identificar que há muitas pessoas heróicas ao redor do mundo que terão que recorrer a recursos de outros países. Isso não significa que os Estados Unidos não devam se envolver , mas precisamos estar menos envolvidos.”

Seu argumento ecoou o argumento por trás de muitas das políticas que Trump apresentou quando reclamou que os aliados da Otan não estavam gastando o suficiente em custos conjuntos de defesa e defendeu uma presença militar menor dos EUA em todo o mundo.

É uma posição assumida por um número crescente de grupos conservadores. A Citizens for America’s Renewal, uma organização liderada por Russell Vogt, ex-diretor de orçamento de Trump, fez lobby contra as últimas medidas de ajuda ucranianas, diz isso “Deixe os Estados Unidos em uma situação difícil para aumentar a participação na guerra durante o restante do mandato do presidente Biden.” O Sr. Vogt também pressionado contra Admissão da Finlândia e da Suécia à OTAN.

READ  Um petroleiro foi atingido por um ataque de mísseis Houthi

O mesmo aconteceu com o Concerned Veterans for America, um grupo de defesa financiado pela Koch Network, que chamei-a “Foi um erro o Congresso acelerar outro pacote de ajuda maciço para a Ucrânia quando o governo Biden repetidamente enviou sinais confusos e confusos sobre um status final desejado na Ucrânia”.

Mas, embora esses grupos tenham adotado posições de longa data contra o envolvimento americano mais profundo no que consideram missões militares imprudentes no exterior, a posição da Heritage é mais recente.

Nos meses que antecederam a votação do projeto de lei de ajuda à Ucrânia, especialistas em política da Heritage argumentaram a favor de um papel agressivo dos EUA no conflito, incluindo grandes quantidades de ajuda. Um relatório disse Os Estados Unidos “devem garantir que sua resposta humanitária maciça ajude o povo ucraniano a sobreviver à guerra de agressão da Rússia”.

Outro relatóriopublicado em abril, declarou: “A soberania da Ucrânia é essencial para a estabilidade europeia geral, que é do interesse dos Estados Unidos e da OTAN. De muitas maneiras, a estabilidade de longo prazo da comunidade transatlântica da Ucrânia será decidida. Os Estados Unidos devem agir em conformidade.”

James Woolner, um membro sênior do R Street Institute que anteriormente liderou a pesquisa de políticas no Heritage, disse que a discrepância entre o tom dos relatórios e a oposição do grupo ao projeto de lei de ajuda reflete uma situação no think tank “onde a cauda começa a balançar e a política, não o princípio político, começa a conduzir as decisões.”

“Eu sempre coloco a questão do que acontece quando esse exército popular que você cria conflitos com a pesquisa política”, disse Wallner em entrevista. “Faz o que o SPLA quer? E se sim, ainda é uma instituição de política pública que faz pesquisa de ponta? Acho que não dá para ter os dois ao mesmo tempo, e acho que esse é o desafio.”

READ  Eleições gregas: o partido conservador do primeiro-ministro Kyriakos Mitsotakis lidera por ampla margem

Altos funcionários da organização afirmam que não houve transformação.

Anderson cunhou o voto contra o pacote de ajuda como um protesto contra a “escolha binária” que ela disse que os democratas fizeram “entre o grande apoio do povo ucraniano e a preocupação com a longa lista de preocupações que temos aqui nos Estados Unidos”.

“Não estamos na multidão de isolamento”, disse Anderson. “A herança nunca foi assim antes. Mas achamos perfeitamente razoável expressar cautela e preocupação, e ficamos realmente encorajados por tantos membros ecoarem essas reservas.”

Roberts insistiu que a Heritage ainda é guiada pela “doutrina Reagan de paz pela força”, e disse que o think tank teria apoiado um pacote de ajuda estreitamente projetado para fornecer armas aos ucranianos.

Em uma entrevista com o Sr. Hawley, o Sr. Roberts disse: “O que eu achei frustrante nas últimas duas semanas entre todos os comentários, é que de alguma forma estamos trapaceando ao dizer: ‘Por que não podemos construir o muro no sul? fronteira? Por que não podemos resolver os problemas em casa? As pessoas entenderam que isso significava que inventamos desculpas para nos opormos ao projeto de lei da Ucrânia. Parece ser uma crítica terrivelmente legítima, não apenas para nós no mundo dos think-tanks, mas para os americanos comuns.”

Mas ele também reconheceu que a posição do Heritage refletia “um desenvolvimento mais amplo no movimento” que “exigiria que fossemos mais sábios sobre nossos recursos limitados que podemos gastar em política externa”.

Quando o Sr. Roberts foi escolhido para liderar a herança em outubro, ele enfatizou em Uma introdução explicando sua visão Para o think tank, essa parte de seu trabalho seria “abrir o movimento para o ar fresco americano e para as pessoas que procuramos servir”.

Roberts escreveu: “É tarefa dos governadores dentro do Beltway se comunicar melhor com os governadores fora do Beltway, e não o contrário”.