outubro 3, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

O portal de transferências está prestes a ficar ainda mais brutal quando a NCAA permite que os jogadores transfiram várias vezes

O portal de transferências está prestes a ficar ainda mais brutal quando a NCAA permite que os jogadores transfiram várias vezes

O anúncio ocorreu durante os dias de mídia da Securities and Exchange Commission, quando o slogan “Isso significa mais” assumiu um novo significado.

“Espantado com isso? Totalmente surpreso com isso”, disse o técnico do Tennessee, Josh Hubble, após a primeira audiência de quinta-feira que a NCAA só permitiu que os atletas se movessem um número ilimitado de vezes. “Acho que isso só aumenta a loucura na janela de transferências.”

Esta foi a primeira reação ao anúncio da NCAA de que O Conselho da Primeira Divisão recomendou a abolição das restrições à transferência de jogadores várias vezes. Espera-se que o Conselho de Administração da NCAA endosse a recomendação em 3 de agosto.

A notícia não chega até um ano após as novas regras relaxadas da NCAA para transferências únicas.

Curiosidade: o mundo ainda não acabou. Atletas se parecem mais com estudantes que são capazes de se movimentar em seu tempo livre. Os treinadores também foram modificados. Nos próximos dois anos, em caráter experimental, os programas poderão contratar um número ilimitado de jogadores durante os períodos de contratação, desde que não ultrapassem o limite anual de 85 jogadores para bolsas de estudo.

Foi tudo um olhar sobre a lenta implementação da desregulamentação da NCAA. O Big Brother estaria menos envolvido em tais assuntos, não mais, no futuro. Mas se os treinadores achavam que tinham problemas com a regra de transição única, o clima ficava selvagem e selvagem com esteróides – com um asterisco.

Devido aos requisitos acadêmicos envolvidos, será difícil transferir mais de uma vez como estudante de graduação. As transferências recebidas devem ser de ajuda financeira garantida por cinco anos de elegibilidade.

“É provável que uma, talvez duas, transferências sejam muito administráveis”, disse uma fonte envolvida no processo do conselho. “Ir para várias transferências fica mais difícil e mais difícil.”

Atualmente, os estudantes de pós-graduação transferidos podem fazer o número máximo de transferências permitidas sem dispensa de duas. Levantar as restrições inicialmente fez com que a cabeça dos treinadores girasse. Sim, agora é pelo menos possível um atleta jogar em quatro escolas diferentes em quatro anos diferentes.

“Uma criança pode ir quantas vezes quiser e não precisa se formar? Uau”, disse o técnico da Texas A&M, Jimbo Fisher, à CBS Sports. “É apenas um recrutamento aberto de jogadores [by other schools]. Todos podem recrutar [them]. Isso é o que eles fazem com terceiros de qualquer maneira, com proxies. Os agentes chegam e dizem: “Posso conseguir um negócio melhor para você aqui”. “

A legislação era esperada e surpreendente. Os administradores que assistiram ao controle da NCAA sobre o deslize amador não ficaram chocados. Estamos vendo em tempo real o movimento implacavelmente lento da NCAA em direção a um modelo profissional. Último exemplo: Na sexta-feira, a CBS Sports informou que O Big Ten recebeu um pedido para que os jogadores recebam uma parte dos lucros dos direitos de mídia.

“As pessoas têm que perceber que sim, você pode ter alguém jogando por quatro times, quatro anos diferentes”, disse David Redpath, professor da Ohio State e defensor dos direitos dos jogadores. “No final das contas, é direito deles até que a NCAA queira se sentar e negociar coletivamente as restrições com o atleta. Não há outro caminho a seguir agora.”

No próximo mês, espera-se que o Comitê de Transformação da NCAA anuncie medidas que permitiriam que conferências e divisões estabeleçam algumas de suas próprias regras. Já existe a preocupação de que o Big Ten e a SEC monopolizem o dinheiro, poder, influência e campeonatos no futebol universitário – pelo menos.

Depois de implementar a regra de transferência única no ano passado, os treinadores choraram que a agência livre havia começado. Os jogadores podem fazer a transição duas vezes em sua carreira, uma como estudante universitário e outra como graduado. A NIL aumentou a confusão, pois vários treinadores disseram que os recrutadores da CBS Sports e os jogadores atuais da lista estão procurando as melhores ofertas da NIL.

“Dizer agora que você pode transferir sem multa seria um desastre…”, disse o advogado Tom Mars, que trabalhou em vários casos de pedidos de isenção de alto nível. “Como sou um forte líder pelos direitos dos atletas universitários, nunca esperei que eles fossem tão longe”.

Apenas esta semana, a NCAA narrou a cena que surgiu em torno do portão e da base de transferência única. Aqueles alunos de graduação que queriam uma transferência mais de uma vez apenas solicitaram à NCAA uma isenção citando circunstâncias atenuantes. Com muita frequência, a NCAA concedeu essas isenções sabendo, no final, que não queria enfrentar uma ação judicial.

“Geralmente a segunda transferência [granted] De qualquer forma, apenas por esse motivo, disse Redpath. “É difícil transferir duas vezes para atender aos requisitos acadêmicos, seja no nível institucional, da conferência ou da NCAA. Mas não é impossível. É concebível que qualquer pessoa possa [transfer as many times as he/she wanted]. “

A Mars essencialmente criou esse clima quatro anos atrás, quando os advogados de Ole Miss e da NCAA foram à limpeza para obter uma dispensa do quarterback Shea Patterson dos Rebels para se mudar para Michigan.

Em 2019, a Mars anunciou que havia desistido de aceitar casos de solicitação de isenção devido à demanda esmagadora.

“A lei de residência deveria ter sido alterada por um ano porque os treinadores estão abusando dela”, disse Mars. “Mas quando os historiadores olham para isso, se a NCAA tivesse lidado com o NIL quando deveria, eles não teriam sido encurralados…

“Talvez isso anuncie o fim da NCAA”, acrescentou.

READ  Brady Rodgers, Bills Dolphin, Ravens-Bats, título da semana 3 da NFL