dezembro 7, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Irã: comandante da Guarda Revolucionária diz a manifestantes que hoje é o último dia nas ruas | Irã

O comandante da Guarda Revolucionária do Irã disse aos manifestantes que sábado seria o último dia em que sairiam às ruas, um sinal de que as forças de segurança podem intensificar sua repressão ao país. tumulto que varre o país.

O Irã tem testemunhado protestos desde a morte de Mahsa Amini, uma mulher curda de 22 anos, sob custódia da polícia moral no mês passado, representando um dos desafios mais ousados ​​à liderança religiosa desde a revolução de 1979.

“Não vá às ruas. Hoje é o último dia dos tumultos”, disse o comandante militar, Hossein Salami, em algumas das palavras mais duras usadas na crise, que a liderança religiosa do Irã culpa seus inimigos externos, incluindo Israel. e os Estados Unidos.

“Este plano maligno é um plano elaborado… na Casa Branca e no regime sionista”, disse ele.

A Guarda Revolucionária, que segue o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, não foi mobilizada desde que as manifestações começaram em 16 de setembro. Eles são uma força de elite com um histórico de dissidência esmagadora.

Grupos de direitos humanos disseram que pelo menos 250 pessoas foram mortas e milhares foram presas em todo o Irã nos protestos, que se transformaram em uma revolta popular envolvendo todos os estratos da sociedade.

Irã: Polícia abre fogo contra manifestantes na cidade de Zahedan, no sudoeste de Baluch – vídeo

Imagens de vídeo que circulam nas redes sociais na sexta-feira mostraram manifestantes pedindo a morte de Khamenei e da milícia Basij, que desempenhou um papel importante nos esforços para neutralizar as manifestações.

O ministério de inteligência do país e o serviço de inteligência da Guarda Revolucionária acusaram agências de espionagem dos EUA, Reino Unido, Israel e Arábia Saudita de orquestrar os distúrbios para desestabilizar a República Islâmica.

Salami, que falava no funeral das vítimas do ataque desta semana reivindicado pelo Estado Islâmico, repetiu essa mensagem em um discurso direto aos manifestantes.

Ele disse: “Não venda sua honra para a América e não dê um tapa nas forças de segurança que o defendem”.

Os iranianos desafiaram esses avisos durante todo o levante, no qual as mulheres desempenharam um papel proeminente. Houve mais notícias de novo derramamento de sangue no sábado.

A Hengaw, uma organização de direitos humanos, informou que as forças de segurança atiraram contra estudantes do sexo feminino em uma escola para meninas na cidade de Saqez. Em outra publicação, disse que as forças de segurança abriram fogo contra estudantes da Universidade de Ciências Médicas do Curdistão em Sanandaj, capital da província.

Hengao disse que vários estudantes ficaram feridos, um dos quais foi baleado na cabeça.
A Reuters não conseguiu verificar a autenticidade da notícia.

Os Estados Unidos estarão destacando os protestos do Irã na próxima semana e estão procurando maneiras de avançar investigações independentes e confiáveis ​​sobre os abusos dos direitos humanos iranianos.

Um porta-voz do secretário-geral da ONU, Stephane Dujarric, exortou as autoridades iranianas na sexta-feira a abordar as “legítimas queixas da população, inclusive em relação aos direitos das mulheres”, e disse que as forças de segurança devem evitar “todo uso desnecessário ou desproporcional da força”. contra os manifestantes.

READ  McCarthy critica Biden por resposta insuficiente à invasão da Ucrânia, sugere como ele pode ter dissuadido Putin