junho 21, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Guerra de Gaza: Blinken diz que o destino do plano de cessar-fogo está nas mãos do Hamas

Guerra de Gaza: Blinken diz que o destino do plano de cessar-fogo está nas mãos do Hamas
Comente a foto, Os Estados Unidos estão pressionando Israel e o Hamas para que cheguem a um acordo de cessar-fogo

  • autor, Tom Bateman
  • Papel, Correspondente do Departamento de Estado dos EUA
  • Relatório de Viajando com Antony Blinken

O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, disse que o primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, “reafirmou seu compromisso” com o plano de cessar-fogo em Gaza e que, se não houver progresso, o Hamas assumirá a responsabilidade.

Ele disse que a responsabilidade cabe a “uma pessoa” que esconde “dez andares subterrâneos em Gaza” para conduzir a votação, referindo-se ao líder do Hamas, Yahya Sinwar.

Netanyahu não apoiou publicamente o que Biden delineou e não disse se correspondia à proposta de cessar-fogo israelita na qual se baseou a declaração de Biden.

A resolução indicava que Israel aceitava o que Biden apresentava e apelava ao Hamas para que o fizesse também.

O Hamas emitiu um comunicado na terça-feira no qual saudou “o que foi incluído” na resolução.

Mas Blinken disse que a resposta do Hamas não foi decisiva, acrescentando que “o que é importante” é o que diz a liderança do Hamas em Gaza, “e é isso que não temos”.

Se a proposta não for adiante, será “por conta deles”, disse ele.

Depois de meses de negociações hesitantes de cessar-fogo a portas fechadas, Biden anunciou publicamente no mês passado o que ele disse ser “um roteiro israelense para um cessar-fogo permanente e a libertação de todos os reféns”, que ele então delineou.

A segunda fase verá a libertação dos restantes reféns pelo Hamas e a retirada completa das forças israelitas de Gaza como parte de um cessar-fogo “permanente”, mas este último permanecerá sujeito a negociações.

A viagem de Blinken faz parte de um intenso esforço diplomático dos Estados Unidos para tentar fazer com que os dois lados avancem na proposta, mas chegar a um acordo enfrenta obstáculos significativos.

Netanyahu admitiu que o gabinete de guerra aprovou o plano, mas não expressou o seu apoio de forma inequívoca. Membros da extrema direita do seu governo ameaçaram retirar-se da sua coligação e causar o seu colapso se o acordo fosse adiante, considerando-o uma rendição ao Hamas.

Ao mesmo tempo, é provável que o Hamas procure garantias claras de que a proposta conduzirá a uma retirada completa das forças israelitas e ao fim permanente da guerra.

Até agora, não houve resposta oficial ao plano.

A proposta israelita propriamente dita – que se diz ser mais longa do que o resumo de Biden – não foi tornada pública e não está claro se difere do que o presidente transmitiu na sua declaração de 31 de maio. Foi apresentado ao Hamas dias antes do discurso de Biden.

A proposta israelita foi aprovada pelo gabinete de guerra de três membros de Israel e não foi divulgada ao governo em geral. Alguns ministros da extrema-direita já deixaram claro que se opõem a isto.

Comente a foto, Blinken se reuniu com as famílias dos reféns israelenses em frente ao hotel onde estava hospedado

A administração Biden está a tentar aproveitar a pressão pública como parte da sua campanha para pressionar ambos os lados a avançarem na proposta.

Vicki Cohen, mãe do soldado israelense Nimrod Cohen, 19 anos, sequestrado pelo Hamas em 7 de outubro, segurava uma placa mostrando sua foto.

Ela disse à BBC: “Viemos aqui para pedir a Blinken e ao governo dos EUA que nos ajudem e nos salvem do nosso governo. Nosso primeiro-ministro não quer trazer nossos entes queridos de volta, precisamos da ajuda deles para pressionar nosso governo. ” “

Mais tarde, Blinken conversou com Cohen e as famílias dos outros reféns, incluindo os americanos, durante uma breve interação com eles fora do hotel.

Ele lhes disse: “Vocês estarão aqui todos os dias e nós estaremos aqui todos os dias”.

O Secretário de Estado continuou a sua rápida visita diplomática, voando num avião militar dos EUA para a capital da Jordânia, Amã, e de lá de helicóptero para o Mar Morto para participar numa conferência de líderes árabes que apelam a um maior acesso da ajuda à Gaza devastada pela guerra.

Cinco helicópteros da Força Aérea Jordaniana participaram do voo, transportando Blinken, seus oficiais e a BBC, entre um grupo de jornalistas viajantes. A frota rumou para oeste, voando a baixa altitude, para a cidade de Sowayma, nas margens do Mar Morto, localizada do outro lado da água da Cisjordânia ocupada.

“O terror deve parar”, disse o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, na conferência. “A velocidade e a escala do massacre e da matança em Gaza excedem qualquer coisa durante os meus anos como Secretário-Geral”, disse ele.

A guerra começou depois que o Hamas atacou Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e levando outras 251 como reféns para Gaza. O Ministério da Saúde administrado pelo Hamas em Gaza afirma que mais de 37 mil pessoas foram mortas na ofensiva israelense desde então.