junho 16, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Geólogo britânico condenado a prisão no Iraque por roubar antiguidades

Geólogo britânico condenado a prisão no Iraque por roubar antiguidades
Espaço reservado ao carregar ações do artigo

Um tribunal de Bagdá condenou um turista britânico a 15 anos de prisão por retirar peças de cerâmica do sítio arqueológico de uma antiga cidade no sudeste do Iraque.

Jim Fitton, um geólogo aposentado de 66 anos, foi condenado por tentar contrabandear artefatos para fora do país depois de ser preso no aeroporto de Bagdá com vários estilhaços e pedras em sua bagagem. O cidadão britânico e sua família afirmaram que ele não sabia que isso era ilegal e que as peças estavam em um espaço aberto e desprotegido quando ele as pegou.

A decisão de segunda-feira abalou a família Fitton, e seu advogado disse a repórteres que apelaria.

“Não poderíamos estar mais tristes e chocados”, escreveu sua filha, Laila, em uma petição online pedindo sua libertação, chamando a sentença de “horrível injustiça”. “Estamos suspendendo nossas reações emocionais em favor de tomar ações afirmativas para trazer Jim para casa”, acrescentou o comunicado de sua família.

Junto com um grupo de turistas que visitou o Iraque no início deste ano, Vuitton foi ao sítio arqueológico de Eridu, Parte dos restos das cidades sumérias na antiga Mesopotâmia.

Estados Unidos devolvem milhares de artefatos saqueados ao Iraque

Sua família instou o governo britânico a intervir e endossar o apelo.

O Ministério das Relações Exteriores britânico disse na terça-feira em um e-mail que estava “em contato com as autoridades locais”, mas não respondeu a perguntas sobre a sentença ou sobre se Fitton poderia cumprir a sentença em seu país de origem e não no Iraque. “Estamos prestando assistência consular a um cidadão britânico no Iraque e continuamos a sustentar sua família”, disse ela.

READ  FPRI diz que a Rússia quer três coisas da China

De acordo com a Lei do Patrimônio do Iraque de 2002, o saque de artefatos pode resultar em uma sentença de prisão de sete a 15 anos, enquanto o roubo de antiguidades à força com uma arma ou em combinação é punível com a morte.

O país, lar do berço da civilização, viu um esforço para recuperar milhares de artefatos antigos saqueados nas duas décadas desde a invasão americana – muitos dos quais acabaram em museus e coleções pessoais nos Estados Unidos e em todo o mundo. Globalismo.

Mudanças climáticas transformam o berço da civilização em um túmulo

A negligência dos sítios arqueológicos, a falta de fundos e a corrupção levaram a mais saques, enquanto os combatentes do Estado Islâmico destruíam e contrabandeavam antiguidades quando conquistavam território no Iraque.

No ano passado, os Estados Unidos devolveram mais de 17.000 artefatos contrabandeados, com o ministro da Cultura do Iraque elogiando os esforços internacionais para deter os contrabandistas e devolver as propriedades saqueadas.

Não houve comentários imediatos do governo iraquiano sobre a sentença de prisão de Fayton na segunda-feira, o que pareceu chocar seu advogado. “Achei que o pior cenário seria um ano de suspensão”, disse o advogado Para a Imprensa Associada.

O fundador da empresa de turismo iraquiana Bill Weekend disse que o caso destaca a necessidade de informar os turistas sobre os esforços para proteger o patrimônio do país. “A primeira coisa que mencionamos é não pegar as coisas e falar sobre a importância de proteger o patrimônio no Iraque”, Ali Makhzoumi chilro.