maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Fukushima: China estende proibição de alguns alimentos japoneses devido a plano de tratamento de esgoto

Fukushima: China estende proibição de alguns alimentos japoneses devido a plano de tratamento de esgoto

legenda da foto,

Usina nuclear de Fukushima em fevereiro de 2021

A China diz que manterá a proibição de algumas importações de alimentos japoneses por causa do plano de liberar água da usina nuclear de Fukushima destruída no oceano.

A administração alfandegária da China disse que também realizaria testes de radiação em alimentos de outras partes do país.

A Coreia do Sul também mantém uma proibição semelhante, mas diz que a versão proposta atende aos padrões internacionais.

A Agência Internacional de Energia Atômica da ONU disse na quarta-feira que teria um “impacto mínimo” no meio ambiente.

O regulador nuclear do Japão também deu sua aprovação na sexta-feira.

Em 2011, um tsunami desencadeado por um terremoto de magnitude 9,0 inundou três reatores na Usina Nuclear de Fukushima Daiichi. É considerado o pior desastre nuclear do mundo desde Chernobyl.

Mais de 150.000 pessoas foram evacuadas da zona de exclusão ao redor da usina, que permanece no local. As paralisações das fábricas também começaram, mas o processo pode levar décadas.

Enquanto isso, o equivalente a cerca de 500 piscinas olímpicas de água se acumulou na instalação nuclear, de acordo com a agência de notícias Reuters.

O espaço de armazenamento de água está se esgotando, mas os planos iniciados pelo governo japonês e a operadora da instalação, Tepco, para liberar a água no mar atraíram críticas regionais – a mais severa da China.

“A alfândega chinesa manterá um alto nível de vigilância”, disseram as autoridades aduaneiras chinesas.

A China já criticou duramente o plano – acusando o Japão de tratar o oceano como seu “esgoto particular”.

Falando em Tóquio na sexta-feira, o chefe da Agência Internacional de Energia Atômica, Rafael Grossi, disse à Reuters que estava “muito confiante” na avaliação de sua agência sobre a proposta do Japão.

Ele acrescentou que sua organização não tomou partido e que suas conclusões foram baseadas em evidências científicas.

A Coreia do Sul, que já havia criticado o plano, disse que continua a proibir as importações de frutos do mar de Fukushima e algumas outras províncias japonesas.

As comunidades pesqueiras locais no Japão também expressaram preocupação com o plano e seu impacto em seus meios de subsistência.

vídeo explicativo,

Pescadores de Fukushima estão preocupados com o plano de liberação de água nuclear