junho 16, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Condenação russa por “profanar” o túmulo dos pais de Putin | Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Condenação russa por “profanar” o túmulo dos pais de Putin |  Notícias da guerra entre a Rússia e a Ucrânia

Irina Tsipaneva, de 60 anos, deixou um bilhete no túmulo dos pais de Putin dizendo que eles criaram um “monstro e assassino”.

Uma aposentada russa de 60 anos foi condenada a dois anos de prisão suspensa depois de ser considerada culpada de profanar o túmulo dos pais do presidente Vladimir Putin quando ela deixou um bilhete no local do enterro dizendo que ela “criou um monstro e um assassino “.

Na quinta-feira, o tribunal considerou Irina Tsipaneva, de São Petersburgo, culpada de profanar o túmulo de Putin por ódio político.

A aposentada disse que foi motivada pela guerra da Rússia contra a Ucrânia.

Os promotores pediram uma pena suspensa de três anos de prisão para Tsipaneva, que foi acusado em outubro de profanar a conspiração da família Putin em São Petersburgo com um comentário referindo-se à mãe e ao pai de Putin mortos como “os pais dessa loucura”, disseram sites de notícias independentes relatou.

“Morte a Putin, criei um monstro e um assassino”, dizia a nota, instando os pais falecidos a “levá-lo com vocês, ele causa tanta dor e problemas”, segundo a Novaya Gazeta Europe.

“O mundo inteiro está rezando para que ele morra”, dizia a nota.

O advogado de Tsipaneva disse que ela não se declarou culpada porque não profanou fisicamente o túmulo ou buscou publicidade para seu ato.

O aposentado – que inicialmente foi colocado em prisão domiciliar, teve acesso negado à Internet e foi proibido de visitar o Cemitério Seraphimovsky em São Petersburgo – não pretende apelar do veredicto.

Tsipaneva disse ao tribunal que escreveu a nota depois de ver notícias da guerra na Ucrânia, informou a mídia.

READ  A guerra de Putin está prestes a se expandir para além da Ucrânia enquanto o 'terror' grita na Moldávia

“Depois de assistir ao noticiário, o medo tomou conta de mim, me senti muito mal”, disse Tsipaneva ao tribunal, segundo o Novaya Gazeta.

“O medo era tão forte que não consegui lidar com ele, e talvez seja minha culpa. Mal consigo me lembrar de ter escrito isso.” [the note]Não me lembro do texto em si. Percebo que cedi aos meus sentimentos e cometi um ato irracional. Lamento que minhas ações possam ofender ou afetar alguém.

A agência de notícias acrescentou que Tsipaneva também disse ter certeza de que seu comentário não seria notado porque “estava embrulhado em um pequeno tubo e não atraiu nenhuma atenção”.

Também na quinta-feira, Nikita Toshkanov, um professor de história de Komi, no nordeste da Rússia, foi condenado por um tribunal militar russo a cinco anos e meio de prisão por comentários que fez sobre a explosão do ano passado na ponte Kerch que liga a Crimeia da Ucrânia a Rússia continental.

Toshkanov foi considerado culpado de justificar o “terrorismo” e “difamar” os militares russos por um post na mídia social em outubro que descrevia a explosão da ponte como um “presente de Natal” para Putin.

O Kremlin desencadeou uma ampla repressão com o objetivo de criticar a guerra da Rússia na Ucrânia, que viu os críticos, além de multados e presos, demitidos de seus empregos, colocados na lista negra e rotulados de “agentes estrangeiros” pelas autoridades russas.