junho 13, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Cientistas descobrem um surpreendente ciclo geológico de 36 milhões de anos que desencadeia explosões na biodiversidade

Cientistas descobrem um surpreendente ciclo geológico de 36 milhões de anos que desencadeia explosões na biodiversidade

Os cientistas publicaram pesquisas sugerindo que os movimentos nas placas tectônicas da Terra desencadeiam indiretamente surtos de biodiversidade em ciclos de 36 milhões de anos, fazendo com que o nível do mar suba e desça. Eles acreditam que esses ciclos geológicos, que remontam a 250 milhões de anos, afetam criticamente a diversidade das espécies marinhas. Esta animação é uma recriação de 250 milhões de anos da geografia da Terra, mostrando a interação entre as placas tectônicas e as mudanças no nível do mar. Crédito: The Paleomap Project e Michael Chen

Mudanças tectônicas alteram o nível do mar, o que pode criar um terreno fértil para a vida.

Pesquisadores descobriram que os movimentos das placas tectônicas da Terra fazem com que o nível do mar suba e desça em ciclos de 36 milhões de anos, o que indiretamente leva a aumentos na biodiversidade. Descobriu-se que esses ciclos, que alteram os habitats de mares rasos e plataformas, moldam dramaticamente a diversidade da vida marinha ao longo de milhões de anos, desafiando as noções anteriores de[{” attribute=””>species evolution.

Movement in the Earth’s tectonic plates indirectly triggers bursts of biodiversity in 36‑million-year cycles by forcing sea levels to rise and fall, new research has shown.

Researchers including geoscientists at the University of Sydney believe these geologically driven cycles of sea level changes have a significant impact on the diversity of marine species, going back at least 250 million years.

As water levels rise and fall, different habitats on the continental shelves and in shallow seas expand and contract, providing opportunities for organisms to thrive or die. By studying the fossil record, the scientists have shown that these shifts trigger bursts of new life to emerge.

The research was published on July 10 in the journal Proceedings of the National Academy of Sciences, led by Associate Professor Slah Boulila from Sorbonne University in Paris.


Recriando a geografia da Terra ao longo de 250 milhões de anos, mostrando a interação entre as placas tectônicas e as mudanças no nível do mar. Crédito: The Paleomap Project e Michael Chen

O co-autor do estudo, Professor Dietmar Müller, da Escola de Geociências da Universidade de Sydney, disse: “Em termos de tectônica, o ciclo de 36 milhões de anos indica mudanças entre a expansão mais rápida e mais lenta do fundo do mar, levando a mudanças periódicas na profundidade das bacias oceânicas. .e no transporte tectônico de água para as profundezas da Terra.

Estes, por sua vez, levaram a flutuações nas inundações e secas dos continentes, com períodos de mares largos e rasos promovendo a biodiversidade.

Este trabalho foi viabilizado pelo software tectônico GPlates, desenvolvido pela Inc Grupo EarthByte na Universidade de Sydney, apoiado pela Estratégia de Infraestrutura de Pesquisa Colaborativa Nacional Australiana (NCRIS) via AuScope”.

A equipe baseou suas descobertas na descoberta de ciclos surpreendentemente semelhantes nas mudanças do nível do mar, nos mecanismos internos da Terra e nos registros de fósseis marinhos.

Os cientistas agora têm evidências convincentes de que os ciclos tectônicos e a mudança global do nível do mar impulsionados pela dinâmica terrestre desempenharam um papel crítico na formação da biodiversidade da vida marinha ao longo de milhões de anos.

“Esta pesquisa desafia ideias anteriores sobre por que as espécies mudam em longos períodos”, disse o professor Müller.

“Os ciclos duram 36 milhões de anos por causa dos padrões regulares de como as placas tectônicas se reciclam no manto convectivo, a parte móvel da profundidade da Terra, semelhante a uma sopa quente e espessa em uma tigela, que se move lentamente”.

Disse o professor Müller[{” attribute=””>Cretaceous Winton Formation in Queensland serves as a prime example of how sea-level changes have shaped ecosystems and influenced biodiversity in Australia.

The formation, renowned for its collection of dinosaur fossils and precious opal, provides a valuable window into a time when much of the Australian continent was flooded.

As sea levels rose and fell, the flooding of the continent created expanding and contracting ecological recesses in shallow seas, providing unique habitats for a wide range of species.

“The Cretaceous Winton Formation stands as a testament to the profound impact of these sea-level changes, capturing a snapshot of a time when Australia’s landscape was transformed and fascinating creatures roamed the land,” Professor Müller said.

Reference: “Earth’s interior dynamics drive marine fossil diversity cycles of tens of millions of years” by Slah Boulila, Shanan E. Peters, R. Dietmar Müller, Bilal U. Haq and Nathan Hara10 July 2023, Proceedings of the National Academy of Sciences.
DOI: 10.1073/pnas.2221149120

READ  Uma enorme explosão solar acabou de irromper do outro lado do sol: ScienceAlert