abril 15, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Buraco negro supermassivo no coração da antiga galáxia ‘muito maior do que o esperado’ | ciências

Buraco negro supermassivo no coração da antiga galáxia ‘muito maior do que o esperado’ |  ciências

Os astrônomos dizem que o buraco negro supermassivo descoberto no coração de uma antiga galáxia é cinco vezes maior do que o esperado em relação ao número de estrelas que contém.

Pesquisadores descobriram o buraco negro supermassivo em uma galáxia conhecida como GS-9209 localizada a 25 bilhões de anos-luz da Terra, tornando-o um dos mais distantes já observados e registrados.

A equipe da Universidade de Edimburgo usou o Telescópio Espacial James Webb (JWST) para observar a galáxia e revelar novos detalhes sobre sua formação e história.

Dr. Adam Carnal, que liderou o esforço, disse que o telescópio – o telescópio mais poderoso já construído – mostrou como as galáxias estavam crescendo “maiores e mais velhas” do que os astrônomos esperavam no primeiro bilhão de anos do universo.

“Este trabalho nos dá nossa primeira visão verdadeiramente detalhada das características dessas primeiras galáxias, com um gráfico detalhado da história da GS-9209, que conseguiu formar tantas estrelas quanto a nossa própria Via Láctea em apenas 800 milhões de anos após a Grande Bang”, disse.

O “buraco negro supermassivo” no centro de GS-9209 foi uma “enorme surpresa” que reforça a teoria de que esses buracos negros massivos são responsáveis ​​por impedir a formação de estrelas nas primeiras galáxias, disse Karnal.

“A evidência que estamos vendo de um buraco negro supermassivo foi realmente inesperada”, disse Karnal. “Este é o tipo de detalhe que não poderíamos ver sem o JWST.”

Modelo 3D do Telescópio Espacial James Webb. Foto: Alexander Mitiuk/Alami

O GS-9209 foi descoberto em 2004 por Karina Capote, uma ex-aluna de doutorado em Edimburgo e agora professora de cosmologia observacional na Universidade de Groningen, na Holanda.

Embora o GS-9209 contenha quase tantas estrelas quanto a nossa galáxia, com uma massa combinada igual a 40 bilhões de sóis, ele tem apenas um décimo do tamanho da Via Láctea. Os pesquisadores disseram que é o exemplo mais antigo conhecido de uma galáxia que parou de formar estrelas.

READ  Juno acabou de correr na Europa, fazendo nossa melhor aparição em 20 anos no Ice World

Buracos negros supermassivos podem impedir a formação de estrelas porque seu crescimento libera grandes quantidades de radiação de alta energia, que pode aquecer e expelir gás das galáxias. As galáxias precisam de enormes nuvens de gás e poeira para entrar em colapso sob sua própria gravidade, formando assim novas estrelas.

“a verdade [that the black hole] Tão massivo significa que deve ter sido muito ativo no passado, com tanto gás caindo, que teria brilhado tão intensamente quanto um quasar”, disse Karnal. “Toda essa energia do buraco negro no centro da galáxia perturbaram toda a galáxia, seriamente, impedindo o colapso do gás para formar novas estrelas.”

mais detalhes Publicado na Nature.