setembro 30, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Bielorrússia está movendo forças especiais para a fronteira com a Ucrânia

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, fala durante uma coletiva de imprensa conjunta com a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annallina Barbuk, em Kiev, Ucrânia, em 10 de maio. (Valentyn Ogirenko/Reuters)

Uma fonte da delegação alemã disse que a ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annallina Barbock, teve uma “conversa aberta e amigável com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e o ministro das Relações Exteriores holandês Hoekstra”.

A mídia foi informada: “A conversa se concentrou na assistência à Ucrânia na esfera militar e de reconstrução, bem como em como resolver o tão necessário bloqueio às exportações globais de alimentos da Ucrânia”.

A ministra das Relações Exteriores da Alemanha, Annalena Barbock, anunciou durante uma visita a Kiev na terça-feira que a Alemanha começaria a reabrir sua embaixada na Ucrânia.

Barbuk disse que a embaixada começará a operar com capacidade limitada, e a embaixadora alemã em Kiev, Anka Feldusen, será novamente a representante alemã em Kiev.

Em seus comentários, o ministro das Relações Exteriores também disse que o presidente russo, Vladimir Putin, foi vítima de auto-engano.

Ele acreditava que nossos valores europeus de liberdade e humanidade nos tornam decadentes e fracos. Os ucranianos provaram que, de fato, o oposto é verdadeiro. “Sua vontade de liberdade o torna forte”, disse Barbock.

E sabendo que você está lutando por sua humanidade contra um exército que não conhece nada além de ridículo e terror. É por isso que sua luta representa um ponto de virada na disputa global entre democracia liberal e regimes autoritários.”

Barbuk também visitou Babin Yar, um local histórico na Ucrânia onde os massacres foram perpetrados pelas forças nazistas durante a Segunda Guerra Mundial. Em março, mísseis russos caíram perto do memorial no extremo norte de Kiev, que comemora o local onde mais de 33.000 judeus foram mortos a tiros em 1941.

Zelensky, que é judeu, twittou na época que o ataque russo “repetiu a história”.

READ  Os principais legisladores renovam o pedido para que o DHS IG deixe de lado a investigação de textos desaparecidos, relata a CNN

Zahid Mahmoud, da CNN, contribuiu com reportagem para este post.