maio 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Adoçantes: o aspartame é um ‘cancerígeno potencial’, mas seguro com moderação | Notícias de saúde

Adoçantes: o aspartame é um ‘cancerígeno potencial’, mas seguro com moderação |  Notícias de saúde

A Organização Mundial da Saúde diz que os adoçantes em bebidas dietéticas e outros itens alimentares são uma possível causa de câncer, mas ainda é seguro comê-los com moderação.

O adoçante aspartame é considerado um “provável cancerígeno”, mas permanece seguro quando ingerido com moderação e em níveis já acordados. Existem dois grupos associados a anunciado pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em análises divulgadas na sexta-feira, a agência de câncer da Organização Mundial da Saúde considerou o adoçante – encontrado em bebidas dietéticas e inúmeros outros alimentos – uma causa “provável” de câncer, enquanto um grupo separado de especialistas que analisou as mesmas evidências disse que ainda é considerado um substituto seguro do açúcar em quantidades limitadas.

Uma revisão veio da Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer (IARC), um ramo especial da Organização Mundial da Saúde. O outro relatório foi de um grupo de especialistas escolhidos pela Organização Mundial da Saúde e outro grupo das Nações Unidas, a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

As diretrizes para o uso do adoçante permanecem inalteradas.

Não aconselhamos os consumidores a deixar de consumir [aspartame] O diretor de nutrição da OMS, Dr. Francesco Branca, disse na sexta-feira.

“Apenas aconselhamos um pouco de moderação”, disse ele.

Em entrevista coletiva antes do anúncio, Branca tentou ajudar os consumidores a entender os anúncios aparentemente conflitantes, especialmente aqueles que buscam adoçantes artificiais para evitar o açúcar.

“Se os consumidores se deparam com a decisão de tomar um refrigerante com adoçante ou um refrigerante com açúcar, acho que uma terceira opção deve ser considerada – que é beber água em vez disso”, disse ele.

READ  O que verificar versus o que levar em suas viagens de férias

Em seu primeiro anúncio do aditivo, a Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, com sede em Lyon, disse que o aspartame era um “provável carcinógeno”. Essa classificação significa que há evidências limitadas de que uma substância pode causar câncer.

Não leva em consideração a quantidade que uma pessoa precisaria estar em risco, que está sendo considerada por um painel separado, o Comitê Conjunto de Especialistas em Aditivos Alimentares da OMS/FAO (JECFA), com sede em Genebra.

Depois de realizar sua própria revisão abrangente, o Comitê Conjunto de Especialistas (JECFA) disse na sexta-feira que não tinha evidências convincentes de danos causados ​​pelo aspartame e continuou a recomendar que as pessoas mantenham seus níveis de ingestão de aspartame abaixo de 40mg/kg por dia.

Esse nível foi definido pela primeira vez em 1981, e reguladores em todo o mundo têm diretrizes semelhantes para suas populações.

Vários cientistas não relacionados às análises disseram que as evidências que ligam o aspartame ao câncer são fracas. As associações da indústria de alimentos e bebidas disseram que as decisões mostraram que o aspartame é seguro e uma boa escolha para pessoas que desejam reduzir o açúcar em suas dietas.

A Organização Mundial da Saúde disse que os atuais níveis de consumo significam, por exemplo, que uma pessoa com peso entre 60 e 70 kg (132-154 lb) teria que beber mais de 9 a 14 latas de refrigerante por dia para ultrapassar o limite, com base em Aspartame médio. conteúdo em bebidas.

“Nossos resultados não indicam que o consumo ocasional possa representar um risco para a maioria dos consumidores”, disse Branca.

Ele disse que a OMS não está pedindo às empresas que removam totalmente o aspartame de seus produtos, mas, em vez disso, pede moderação por parte dos fabricantes e consumidores.

READ  Meta é multada em US$ 1,3 bilhão por violar regras de privacidade de dados da UE

Em uma declaração anunciando os resultados da avaliação, Branca observou que o câncer é uma das principais causas de morte no mundo, com uma em cada seis pessoas morrendo da doença a cada ano.

“A ciência está em constante expansão para avaliar os fatores potenciais para iniciar ou facilitar o câncer, com a esperança de reduzir esses números e o número de vítimas”, disse ele.

Ele acrescentou: “As avaliações do aspartame indicaram que, embora a segurança não seja uma grande preocupação nas doses comumente usadas, foram descritos efeitos potenciais que precisam ser investigados por meio de mais e melhores estudos”.