fevereiro 4, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

A polícia diz que Greta Thunberg foi libertada após uma breve detenção durante o ataque à mina alemã

LUETZERATH, Alemanha, 17 Jan (Reuters) – A ativista climática Greta Thunberg foi presa nesta terça-feira junto com outros ativistas que protestavam contra a demolição de um vilarejo para abrir caminho para a expansão de uma mina de carvão, mas foi libertada após verificação de identidade, informou a polícia.

Thunberg foi detido durante um protesto na mina de carvão a céu aberto de Garzweiler 2, cerca de 9 km (5,6 milhas) da vila de Luetzerath, depois que a polícia alertou o grupo de que seria removido à força se não se afastasse da borda da mina. .

A vila no estado ocidental da Renânia do Norte-Vestfália está sendo arrasada para permitir a expansão da mina. O dono da mina, RWE (RWEG.DE)Ele concordou com o governo em demolir Lucerath em troca de uma saída rápida do carvão e salvar cinco aldeias originalmente destinadas à destruição.

Ativistas disseram que a Alemanha não deveria mais minerar linhito ou carvão marrom e, em vez disso, se concentrar na expansão da energia renovável.

A tropa de choque, apoiada por escavadeiras, removeu ativistas de prédios no vilarejo abandonado na semana passada, deixando apenas algumas árvores e um túnel subterrâneo deixado no final da semana passada.

“Vamos usar a força para levá-los para uma verificação de identidade, então, por favor, cooperem”, disse um policial ao grupo, segundo imagens da Reuters.

“Greta Thunberg fazia parte de um grupo de ativistas que correram para a borda. No entanto, ela foi imediatamente parada com o grupo da zona de perigo e levada por nós para estabelecer sua identidade”, disse um porta-voz da polícia de Aachen à Reuters. Um ativista pulou na mina.

READ  Atualizações do tufão Hinnamnor: Tempestade se move para o mar depois de encharcar a Coreia

Thunberg foi escoltado por três policiais, segurado por um braço em um ponto da borda do túnel e levado de volta às vans da polícia.

O ativista climático sueco se dirigiu a cerca de 6.000 manifestantes que marcharam em direção a Luetzerath no sábado, chamando a expansão da mina de “uma traição às gerações presentes e futuras”.

“A Alemanha é um dos maiores poluidores do mundo e deve ser responsabilizada”, disse ele.

Reportagem de Wolfgang Rutte e Riham Algousa, Redação de Victoria Waltersee; Montagem: Maria Sheehan, William McLean e Rosalba O’Brien

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.