O professor e psicólogo da Faculdade Alis de Itabirito (MG), Santiago Souza, afirmou que a sociedade tem de quebrar o tabu de não querer conversar sobre suicídios. “Falar é a melhor estratégia para se evitar mais casos. Digo isso com base na orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS)”, afirmou ele.

Segundo o professor, a imprensa pode divulgar casos de suicídio desde que não relate os motivos que levaram o indivíduo a dar fim à vida, não divulgue também os métodos usados pelo suicida, ou seja, nada que incentive alguém a fazer o mesmo.

O psicólogo ainda salientou que na matéria, caso feita, seja divulgada formas de ajudar àquele que pensa em se suicidar.

Um exemplo é a divulgação do Centro de Valorização da Vida (CVV) que pode ser acessado pelo telefone 141 (ligação gratuita durante sete dias da semana). “Trata-se de um serviço 24h com voluntários treinados para ajudar àqueles que pensam em suicídio”, disse o professor.

O assunto veio à tona em todo o país com o Setembro Amarelo, campanha de conscientização contra o suicídio. Os estudantes de psicologia da Faculdade Alis de Itabirito estiveram nesta quinta-feira (14), na Praça da Estação, no Centro da Cidade, divulgando a campanha, bem como o CVV.

Nota Redação: o Minuto Mais vai discutir o assunto internamente na Redação, uma vez que o site atualmente segue o “acordo de cavalheiros” da imprensa mundial de não divulgar casos de suicídio.