maio 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Zangões aprendem a resolver quebra-cabeças observando outras abelhas

Zangões aprendem a resolver quebra-cabeças observando outras abelhas

Um novo estudo publicado na PLOS Biology mostra que os zangões podem aprender um novo comportamento observando e imitando outras abelhas, e que esse comportamento pode se espalhar rapidamente por toda a colônia. A pesquisa indica que a aprendizagem social desempenha um papel importante na forma como as abelhas procuram comida.

Um novo estudo mostra que as abelhas captam novas “tendências” em seu comportamento observando e aprendendo com outras abelhas, e que uma forma de comportamento pode se espalhar rapidamente por uma colônia mesmo quando uma versão diferente é detectada.

A pesquisa, liderada pela Queen Mary University of London e publicada hoje (7 de março) na Biologia MAISfornece fortes evidências de que a aprendizagem social leva a um comportamento generalizado de abelha – neste caso particular como Eles se alimentam de comida.

Uma variedade de experimentos foram feitos para provar isso. Os pesquisadores projetaram uma caixa de quebra-cabeça de duas opções que poderia ser aberta pressionando uma aba vermelha no sentido horário ou uma aba azul no sentido anti-horário para revelar uma recompensa de 50% da solução de sacarose.

Alimente as abelhas da caixa do quebra-cabeça

As abelhas se alimentam de uma caixa de quebra-cabeça aberta pressionando a guia azul. Crédito: Alice Bridges (CC-BY 4.0)

As abelhas ‘exibidoras’ foram treinadas para usar as abas vermelhas ou azuis, com as abelhas ‘observadoras’ observando. Quando chegou a vez dos observadores resolverem o quebra-cabeça, eles escolheram de forma esmagadora e repetida usar o mesmo método que viram, mesmo depois de descobrirem a alternativa. Essa preferência por pepinos ensinados foi mantida por colônias inteiras de abelhas, com uma média de 98,6% de aberturas de caixas feitas pelo método ensinado.

A importância da aprendizagem social para a aquisição de soluções de quebra-cabeças também foi demonstrada pelo grupo de controle, que não tinha demonstrador. Neste grupo, algumas abelhas conseguiram abrir caixas de quebra-cabeça, mas o fizeram muito menos vezes do que aquelas que se beneficiaram ao ver outra abelha fazê-lo primeiro. A média de caixas abertas por dia pelas abelhas controle com demonstrador foi de 28 caixas por dia, enquanto para a colônia controle foi apenas uma caixa.

Em um experimento adicional, os pesquisadores colocaram os manifestantes “azuis” e “vermelhos” nos mesmos grupos de abelhas. Na primeira população, 97,3% dos 263 casos de abertura de caixas por observadores no dia 12 usaram o método vermelho. No segundo grupo, os observadores preferiram o método azul ao vermelho em todos os dias, exceto um. De qualquer forma, isso mostrou como uma tendência comportamental pode surgir em uma população em primeiro lugar – principalmente devido a abelhas experientes se aposentarem do forrageamento e ao surgimento de novos aprendizes, em vez de qualquer abelha mudar seu comportamento preferido.


Uma abelha abre uma caixa de quebra-cabeça pressionando a aba vermelha para girar a tampa da caixa no sentido horário. Crédito: Bridges AD et al. 2023, PLOS Biologia

Resultados semelhantes de experimentos semelhantes foram usados ​​em[{” attribute=””>species such as primates and birds to suggest that they, like humans, are capable of culture. If bumblebees are capable of this, too, this could potentially explain the evolutionary origin of many of the complex behaviors seen among social insects. It might be possible that what now appears instinctive could have been socially learned, at least originally.

Dr. Alice Bridges, the lead author from Queen Mary University of London, said: “Bumblebees – and, indeed, invertebrates in general – aren’t known to show culture-like phenomena in the wild. However, in our experiments, we saw the spread and maintenance of a behavioral “trend” in groups of bumblebees – similar to what has been seen in primates and birds. The behavioral repertoires of social insects like these bumblebees are some of the most intricate on the planet, yet most of this is still thought to be instinctive. Our research suggests that social learning may have had a greater influence on the evolution of this behavior than previously imagined.”

Professor Lars Chittka, Professor of Sensory and Behavioural Ecology at Queen Mary University of London and author of the book ‘The Mind of a Bee’, said: “The fact that bees can watch and learn, and then make a habit of that behavior, adds to the ever-growing body of evidence that they are far smarter creatures than a lot of people give them credit for.

“We tend to overlook the “alien civilizations” formed by bees, ants, and wasps on our planet – because they are small-bodied and their societies and architectural constructions seem governed by instinct at first glance. Our research shows, however, that new innovations can spread like social media memes through insect colonies, indicating that they can respond to wholly new environmental challenges much faster than by evolutionary changes, which would take many generations to manifest.”

Reference: “Bumblebees acquire alternative puzzle-box solutions via social learning” by Alice D. Bridges, HaDi MaBouDi, Olga Procenko, Charlotte Lockwood, Yaseen Mohammed, Amelia Kowalewska, José Eric Romero González, Joseph L. Woodgate and Lars Chittka, 7 March 2023, PLOS Biology.
DOI: 10.1371/journal.pbio.3002019

READ  A NASA revelou que um asteróide de 1.600 pés de altura se aproximará de perto dentro de seis dias