janeiro 30, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Walter Cunningham, que ajudou a pavimentar o caminho para a lua, morreu aos 90 anos

A NASA atualizou as medalhas dos astronautas da Apollo 7 para um Certificado de Serviço Distinto em uma cerimônia em outubro de 2008, observando o sucesso da missão, apesar das discussões com os controladores de vôo. Mas o Sr. Cunningham era o único tripulante sobrevivente até então. O major Eisell, falecido em 1987, foi representado por sua viúva, Susan Eisell Black. O capitão Schirra, que morreu em 2007, foi morto pelo astronauta Bill Anders.

O Sr. Kraft adotou uma postura conciliatória. “Nós ajudamos você a passar por momentos difíceis uma vez, mas você certamente superou e tem se saído muito bem desde então”, disse Cunningham em uma mensagem gravada. “Você fez um bom trabalho sozinho, fez um bom trabalho com a NASA e, honestamente, estou muito orgulhoso de chamá-lo de amigo.”

Ronnie Walter Cunningham nasceu em 16 de março de 1932, em Creston, Iowa, o mais velho de cinco filhos. Seu pai, Walter, tinha uma pequena construtora. Quando ele era jovem, sua família mudou-se para Venice, Califórnia.

Ele entrou na Marinha em 1951 e voou em aeronaves do Corpo de Fuzileiros Navais. Depois de deixar o serviço ativo em 1956, ele recebeu bacharelado e mestrado em física pela Universidade da Califórnia, em Los Angeles. Enquanto estava na RAND em outubro de 1963, cursando doutorado, ele foi designado para o terceiro grupo de astronautas da NASA.

Pouco depois da Apollo 7, Cunningham foi nomeado diretor do que ficou conhecido como o programa Skylab, que desenvolveu a primeira estação espacial dos Estados Unidos. Ele foi sucedido pelo astronauta Pete Conrad em 1970. O Sr. Cunningham renunciou à NASA no ano seguinte depois de não conseguir obter uma missão para voar nas próximas missões Skylab.

READ  Oficial da NASA: Astronautas viverão e trabalharão na Lua até 2030 | NASA

O Sr. Cunningham mais tarde se tornou um executivo sênior em empresas financeiras e imobiliárias. Em 2012, ele se juntou a um grupo de ex-astronautas e funcionários da NASA que enviaram uma carta à agência criticando o que consideravam afirmações não comprovadas de que o dióxido de carbono produzido pelo homem era um fator importante no aquecimento global.