junho 19, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Valery Zalozny: Zelensky deve anunciar a demissão do líder supremo da Ucrânia dentro de alguns dias, à medida que aumenta o desacordo sobre a guerra, segundo uma fonte

Valery Zalozny: Zelensky deve anunciar a demissão do líder supremo da Ucrânia dentro de alguns dias, à medida que aumenta o desacordo sobre a guerra, segundo uma fonte


Kyiv, Ucrânia
CNN

O chefe do Exército Popular Ucraniano, Valery Zalozny, foi convocado para uma reunião no gabinete do presidente na segunda-feira e informado de sua demissão, disseram à CNN duas fontes familiarizadas com o assunto, após semanas de especulações crescentes sobre as tensões entre Volodymyr Zelensky e seu alto escalão. comandante.

Nenhum anúncio formal foi feito, o que significa que Zalozny ainda estava no cargo na noite de quarta-feira. No entanto, um decreto presidencial é esperado até o final da semana, disse uma fonte à CNN, no que seria a maior mudança militar de Zelensky. Desde o início da invasão russa em grande escala, há quase dois anos.

Rumores sobre a reunião e a demissão de Zalozny espalharam-se por Kiev na noite de segunda-feira, dando credibilidade a uma rixa amplamente conhecida como tendo ocorrido entre o presidente e seu comandante-chefe após o fracasso da contra-ofensiva ucraniana no ano passado.

01:26- Fonte: CNN

É assim que os exércitos ucraniano e russo se comparam agora no campo de batalha

Diz-se que as tensões aumentaram particularmente quando Zalozny descreveu a guerra com a Rússia como um impasse, numa entrevista e num artigo com A revista The Economista Em novembro.

O porta-voz presidencial Serhiy Nikiforov disse à CNN e outros na segunda-feira que os rumores sobre a demissão do chefe do Exército eram falsos. O Ministério da Defesa também publicou uma mensagem nas redes sociais que dizia: “Caros jornalistas, a resposta imediata a todos: Não, isto não é verdade”.

No seu discurso diário noturno de segunda-feira, o próprio Zelensky não fez qualquer menção ao seu chefe do exército.

Mas, segundo uma fonte, o presidente anunciou, numa pequena reunião no seu gabinete na segunda-feira – também com a presença do ministro da Defesa, Rustam Umarov – que tinha “tomado a decisão de demitir o Comandante Supremo das Forças Armadas”. O cálculo é consistente com outros relatórios, incluindo… Washington Post E o Financial Times.

READ  Ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos morre aos 79 anos

Numa conversa descrita como “calma”, Zelenskyy passou então a oferecer a Zalozny uma posição diferente, que Zalozny rejeitou.

O presidente ucraniano confirmou então a sua decisão, dizendo que o facto de Zalozhny ter rejeitado o novo cargo não altera o facto de ter sido demitido do seu cargo atual.

A CNN entrou em contato com o gabinete do presidente na quarta-feira para solicitar mais comentários, mas não recebeu resposta.

Uma fonte, um comandante militar sênior, disse à CNN que dois nomes em particular estão sendo discutidos como potenciais sucessores.

Um deles é o actual chefe da Direcção de Inteligência de Defesa, Kirilo Budanov, um general de 38 anos conhecido pelos seus fortes laços com Zelensky e visto como representante de uma nova geração de líderes militares.

Quando questionado pela CNN, numa entrevista na terça-feira, se ele se tornaria o novo líder supremo da Ucrânia, Budanov recusou, sugerindo que era improvável que falasse com a CNN naquele momento se a nomeação tivesse acabado de ser feita.

O chefe da inteligência militar acrescentou: “Estamos numa guerra e todas as partes estão a utilizar todos os meios disponíveis, incluindo a guerra de informação”.

O comandante militar sênior que falou à CNN disse que o candidato mais provável é Oleksandr Sirsky, atualmente comandante das Forças Terrestres Ucranianas.

O escritório de Sirsky não respondeu à tentativa da CNN de contatá-lo.

Embora a contra-ofensiva da Ucrânia não tenha conseguido qualquer progresso tangível na derrota das forças russas no sul e no leste do país, Zalozny continua a ser um dos líderes mais populares do país.

Uma sondagem publicada pelo Instituto de Sociologia de Kiev em Dezembro mostrou que 88% dos ucranianos apoiam o líder supremo. O índice de aprovação de Zelensky, embora também alto, foi muito inferior, de 62%.

READ  Adiamento eleitoral no Senegal considerado ilegal

A pesquisa foi realizada depois que surgiram divergências entre os dois líderes sobre a continuidade da guerra.

“Tal como na Primeira Guerra Mundial, atingimos um nível de tecnologia que nos coloca num impasse”, escreveu Zalozny no The Economist em Novembro, quando se tornou claro que os profundos campos minados da Rússia e o esmagador fogo de artilharia pesada tinham afectado grandemente a Rússia. Impediu que a Ucrânia obtivesse um sucesso significativo no contra-ataque.

O comandante do exército acrescentou: “Muito provavelmente não haverá uma penetração profunda e bonita”, mas sim um equilíbrio entre perdas devastadoras e destruição.

Esses comentários geraram críticas imediatas por parte do gabinete do presidente.

“Se eu estivesse no exército, a última coisa que faria seria comentar à imprensa, ao público, o que está acontecendo no front.” [and] “O que poderia acontecer na frente… porque facilitaremos o trabalho do agressor”, disse Ihor Zhovkva, vice-chefe do gabinete do presidente, à televisão ucraniana na altura.

Zelensky não criticou Zalozny publicamente, mas disse numa conferência de imprensa ao vivo em Dezembro: “Estou à espera de coisas muito concretas no campo de batalha. A estratégia é clara: temos uma compreensão das nossas acções. Quero ver os detalhes.”

Assista a este conteúdo interativo em CNN.com

A contra-ofensiva da Ucrânia em Junho foi a sua principal tentativa de desalojar as forças russas do território que ocupa desde 2022, especialmente no sul do país. A Ucrânia pretendia avançar para sul a partir da cidade de Orikiv em direção ao Mar de Azov, o que dividiria as forças russas em duas e cortaria a sua ponte terrestre para a Península da Crimeia.

Mas os ganhos da Ucrânia foram modestos. Suas forças tentaram avançar de Orekiv em direção a Tokmak, mas só alcançaram Robotyn, pouco mais de 20 quilômetros (12,4 milhas) ao sul.

READ  A guerra na Ucrânia aprofunda a divisão entre as principais economias na reunião do G20

A falta de progressos na Ucrânia levou as suas forças armadas a apelarem, no final de Dezembro, a um esforço maciço para mobilizar até meio milhão de novos recrutas. O pedido está atualmente no Parlamento.

Um soldado contatado pela CNN que atualmente luta em torno de Avdiivka, no leste, disse que qualquer decisão de demitir Zalozny foi um erro.

“Ele é um general digno. Nosso governo quer derrubá-lo porque ele não é adequado para eles”, disse o soldado, acrescentando: “Parece que os homens de Zelensky nos venderam há muito tempo”.