fevereiro 22, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Um novo estudo mostra que essas raças de cães têm maior probabilidade de desenvolver câncer

Um novo estudo mostra que essas raças de cães têm maior probabilidade de desenvolver câncer

Cães maiores podem não ser necessariamente mais suscetíveis ao câncer.

Os pesquisadores descobriram quais raças de cães são mais suscetíveis ao câncer, e os resultados refutam a ideia de que cães maiores têm maior risco de desenvolver a doença.

Acontece que raças de cães grandes – mas não as maiores – geralmente apresentam o maior risco de câncer, de acordo com o estudo publicado terça-feira na revista. Ciência Aberta da Royal Society Ele disse à ABC News.

Os pesquisadores procuraram entender como o câncer começa e como ele começa, bem como fazer perguntas específicas sobre como esse início se relaciona com as raças de cães, disse Leonard Nooney, biólogo evolucionista da Universidade da Califórnia, em Riverside, e principal autor do artigo. ABC noticias.

Nos seres humanos, o padrão mostra que quanto maior o corpo, maior a probabilidade de desenvolver cancro, disse Nooney. Mas a investigação mostra que esta teoria não se traduz no melhor amigo do homem.

“Você tem coisas que variam em tamanho, de um Chihuahua a um Mastim ou um Dogue Alemão”, disse ele. “Portanto, há uma grande variedade de tamanhos.”

Como os cães grandes geralmente morrem muito mais jovens, eles têm menos probabilidade de desenvolver câncer do que os cães de tamanho médio, disse Looney.

“Isso ocorre simplesmente porque eles morrem mais jovens”, acrescentou.

READ  O mundo dos supercondutores enfrenta a investigação enquanto o papel é retirado

Algumas das raças com maior risco de câncer são os Flatback Retrievers, os Bernese Mountain Dogs e os Westies, disse Looney.

Ele acrescentou que os flat retrievers normalmente desenvolvem um tipo de sarcoma, um câncer raro que se desenvolve em ossos e tecidos moles com alta frequência.

A maioria dos terriers, especialmente os terriers escoceses, têm uma probabilidade maior de desenvolver câncer do que se pensava anteriormente, devido ao seu tamanho, disse Looney. Ele disse que os terriers têm maior incidência de câncer de bexiga.

A boa notícia é que não existem muitas raças excessivamente suscetíveis ao câncer, disse Looney.

Os investigadores disseram que os resultados do estudo fornecem informações sobre o número de mutações genéticas que causam cancro em cães e mostram que, embora a endogamia numa raça encurte o seu tempo de vida, não aumenta o risco de cancro em geral.

Looney disse que o modelo utilizado no estudo também poderá ser aplicado no futuro para determinar se as cepas estão começando a se tornar mais suscetíveis a um câncer específico.

“Os cães são um modelo muito bom para compreender as alterações genéticas que podem levar ao aumento da suscetibilidade a certos tipos de cancro”, disse ele.