janeiro 30, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Ucrânia expulsa funcionários-chave no expurgo anticorrupção

Kyiv anunciou na terça-feira a demissão de dezenas de altos funcionários em sua maior reviravolta política após o primeiro grande escândalo de corrupção do país ligado à invasão russa.

A Ucrânia há muito sofre com a corrupção endêmica, mas a guerra total de quase um ano em Moscou ofuscou os esforços do governo para erradicar a corrupção.

Os aliados ocidentais despejaram bilhões de dólares em ajuda financeira e militar em Kyiv para combater as forças russas, muitas vezes como pré-condição para apoiar as reformas anticorrupção.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse em seu discurso à noite na terça-feira que o expurgo era necessário e que medidas adicionais seriam tomadas.

“É apenas, é essencial para a nossa defesa e ajuda-nos a aproximar-nos das instituições europeias”, afirmou. “Precisamos de um país forte e a Ucrânia será assim.”

O assessor do presidente Mykhailo Podolyak disse que Zelensky se concentrou nas “principais prioridades do estado” ao demitir funcionários, incluindo governadores de regiões que testemunharam combates pesados ​​e vice-ministros do governo.

“Durante uma guerra, todos devem entender sua responsabilidade”, escreveu Podolyak em um tweet.

As mudanças ocorreram depois que o vice-ministro do desenvolvimento de comunidades e territórios da Ucrânia, Vasyl Lozinsky, foi demitido no fim de semana depois de ser preso por suspeita de peculato.

Fotos divulgadas pelo Bureau Nacional Anticorrupção mostraram estoques de dinheiro apreendidos no escritório de Lozinski.

O homem de 36 anos foi acusado de aceitar um suborno de US$ 400.000 para “facilitar” a compra de geradores a preços inflacionados, enquanto a Ucrânia enfrenta uma escassez de eletricidade após ataques russos em sua rede elétrica.

READ  Por que os EUA têm como alvo as filhas de Putin, Katrina e Maria?

‘Boas ações’

Na terça-feira, o principal assessor presidencial Kirillo Tymoshenko, que trabalha com Zelensky desde a eleição de 2019, anunciou sua renúncia.

O ex-presidente de 33 anos postou uma foto sua segurando uma carta de demissão manuscrita, agradecendo ao presidente pela “oportunidade de fazer um bom trabalho todos os dias, a cada minuto”.

Tymoshenko esteve envolvido em vários escândalos, incluindo o suposto uso pessoal em outubro passado de um SUV doado à Ucrânia para fins humanitários.

Ele foi substituído por Oleksiy Kuleba, ex-chefe do departamento militar da região de Kyiv.

Oleg Nemchinov, um alto funcionário do governo, também anunciou a saída de cinco governadores regionais e quatro vice-ministros.

Entre eles estão os chefes da região central de Dnipropetrovsk, a região nordeste de Sumy, as regiões sul de Zaporizhia e Kherson, bem como a região ao redor da capital Kyiv.

Nemchinov também anunciou a demissão do vice-ministro para o desenvolvimento das comunidades e regiões e do vice-ministro para a política social.

O Ministério da Defesa anunciou separadamente a renúncia do vice-ministro Vyacheslav Shapovalov, que trabalhou para fornecer apoio logístico ao exército.

Isso aconteceu depois de acusar o ministério de assinar contratos de alimentos a preços duas a três vezes superiores aos preços atuais dos alimentos básicos.

feriado na Espanha

O ministério insistiu que as acusações eram “infundadas e infundadas”, mas disse que a saída de Shapovalov “manteria a confiança da comunidade e dos parceiros internacionais”.

O vice-promotor público Oleksiy Simonenko também renunciou, após relatos da mídia de que ele havia passado férias na Espanha, supostamente usando um carro de uma empresa ucraniana.

Os Estados Unidos saudaram a demissão e disseram que não se sabe se ele não participou de nenhum dos bilhões de dólares fornecidos para ajudar na guerra.

READ  Os principais legisladores renovam o pedido para que o DHS IG deixe de lado a investigação de textos desaparecidos, relata a CNN

“O povo ucraniano foi muito claro sobre seu desejo de boa governança e transparência”, disse o porta-voz do Departamento de Estado, Ned Price.

Apesar de falar de combate à corrupção, o próprio Zelensky já se envolveu em escândalos de corrupção no passado.

Em 2021, os Pandora Papers obtidos pelo Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos disseram que Zelensky usou uma rede de empresas offshore para comprar três propriedades de alto padrão em Londres.

Seu escritório disse na época que Zelensky, um ex-ator e comediante, montou empresas offshore para se proteger das “ações agressivas” do regime “corrupto” do ex-presidente pró-Rússia Viktor Yanukovych.

A Transparency International classificou a Ucrânia em 122º lugar entre 180 em seu ranking de corrupção de 2021.