setembro 30, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Ucrânia diz que danificou um navio russo e está tentando evacuar combatentes feridos Mariupol

Ucrânia diz que danificou um navio russo e está tentando evacuar combatentes feridos Mariupol
  • Ucrânia diz que danificou um navio de abastecimento russo no Mar Negro
  • Familiares de combatentes de Mariupol imploram por seu resgate
  • Finlândia quer segurança após invasão da Ucrânia pela Rússia
  • A Suécia deve seguir o exemplo na tentativa de se juntar à aliança

KHARKIV, Ucrânia (Reuters) – A Ucrânia disse que danificou um navio de logística da Marinha russa perto de Snake Island, um pequeno, mas estratégico posto avançado no Mar Negro, enquanto parentes de soldados ucranianos escondidos em siderúrgicas sitiadas em Mariupol exigiam os danos. resgatado.

Os combates renovados em torno da Ilha da Cobra nos últimos dias podem se tornar uma batalha pelo controle da costa oeste do Mar Negro, segundo alguns oficiais de defesa, enquanto as forças russas lutam para progredir no norte e no leste da Ucrânia.

“Graças às ações de nossos marinheiros navais, o navio de apoio Vsevolod Bobrov – um dos mais novos da frota russa – pegou fogo”, disse Serhiy Prachuk, porta-voz da Administração Militar Regional de Odessa.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

A Reuters não pôde verificar os detalhes de forma independente. O Ministério da Defesa russo não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Imagens de satélite fornecidas pela empresa privada norte-americana Maxar mostraram os efeitos do que ela disse serem possíveis ataques com mísseis a um navio de desembarque russo da classe Sirna perto da ilha, perto da fronteira marítima da Ucrânia com a Romênia.

As fotos também mostraram os danos recentes aos edifícios na ilha, que eram notórios pelo desafio detestável dos defensores ucranianos no início da invasão. Consulte Mais informação

READ  Barco no Japão desaparecido: nove pessoas encontradas, diz Guarda Costeira

A Rússia enfrentou mais reveses no campo de batalha quando a Ucrânia expulsou suas forças da área ao redor de Kharkiv, sua segunda maior cidade, o avanço mais rápido desde que as forças do Kremlin foram forçadas a sair de Kiev e do nordeste há mais de um mês.

Jornalistas da Reuters confirmaram que a Ucrânia agora controla uma área que se estende até o rio Seversky Donets, cerca de 40 quilômetros a leste de Kharkiv.

As imagens divulgadas pelo Comando das Forças Aerotransportadas da Ucrânia mostraram vários veículos militares em chamas e parte da ponte parece destruída e parcialmente submersa no rio.

As autoridades regionais relataram ataques contínuos de mísseis em torno de Poltava e bombardeios em Dergach perto de Kharkiv, matando duas pessoas.

Na capital, Kiev, esposas e parentes de combatentes ucranianos escondidos na siderúrgica Azovstal, no porto de Mariupol, no sul, marcharam e gritaram por seu resgate. As forças russas estavam bombardeando siderúrgicas, o último reduto dos defensores ucranianos em uma cidade quase inteiramente controlada pela Rússia após um cerco que durou mais de dois meses.

“Quero que todos os defensores que estão lá voltem para casa para que possam viver uma vida normal com seus filhos e parentes”, disse Maria Zimareva, cujo irmão trabalha em siderúrgicas. “Eles mereceram. Por que os outros podem andar pelas ruas com seus entes queridos quando eles não podem? Por que ninguém os ajuda?”

Kiev disse que está trabalhando para resgatar os soldados, muitos dos quais ficaram gravemente feridos.

“Iniciamos uma nova rodada de negociações sobre um roteiro para a operação (de evacuação). Começaremos com os gravemente feridos”, disse a vice-primeira-ministra Irina Vereshuk à 1+1 TV.

READ  Um furacão atinge uma cidade no oeste da Alemanha. Dezenas de feridos

Expansão da OTAN

À medida que os combates continuam em todo o país, movimentos diplomáticos mais amplos aumentaram a pressão sobre o presidente russo, Vladimir Putin.

O plano da Finlândia de se candidatar à adesão à OTAN, anunciado na quinta-feira, e as expectativas que a Suécia seguirá, ampliarão a aliança militar ocidental que Putin tentou bloquear.

Abandonar a neutralidade que mantiveram durante a Guerra Fria seria uma das maiores mudanças na segurança europeia em décadas.

Moscou chamou a declaração da Finlândia de hostil e ameaçou retaliação, incluindo medidas “técnico-militares” não especificadas.

“Helsinque deve perceber a responsabilidade e as consequências de tal movimento”, disse o Ministério das Relações Exteriores.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que os finlandeses “receberiam calorosamente” e prometeram um processo de adesão “suave e rápido”. Consulte Mais informação

A Casa Branca apoiou tal movimento.

“Apoiaremos o pedido da OTAN da Finlândia e/ou Suécia se eles se aplicarem”, disse o secretário de imprensa Jen Psaki.

A fronteira de 1.300 km (800 milhas) da Finlândia mais que dobrará o comprimento da fronteira entre a coalizão liderada pelos EUA e a Rússia, colocando os guardas da OTAN a poucas horas de carro dos subúrbios ao norte de São Petersburgo.

Putin citou a potencial expansão da Otan como uma das principais razões para o lançamento do que chamou de “operação militar especial” na Ucrânia em fevereiro.

A quinta-feira também viu uma escalada de disputas sobre o fornecimento de energia da Rússia para a Europa – que continua sendo a maior fonte de financiamento de Moscou e o maior exportador de calor e energia da Europa.

Moscou disse que interromperia o fluxo de gás para a Alemanha através do principal gasoduto sobre a Polônia, enquanto Kiev disse que não reabriria um gasoduto fechado nesta semana, a menos que recuperasse o controle de áreas de combatentes pró-Rússia. Os preços do gás subiram na Europa. Consulte Mais informação

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Lincoln Fest e Stephen Coates; Edição por Simon Cameron-Moore

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.