junho 21, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Trabalho forçado uigur: comitê do Senado amplia investigação sobre peças chinesas da BMW

Trabalho forçado uigur: comitê do Senado amplia investigação sobre peças chinesas da BMW

Fonte da imagem, Imagens Getty

Comente a foto, A BMW afirma que “tomou medidas para interromper a importação de produtos afetados”.

  • autor, João da Silva
  • Papel, Repórter de negócios

O presidente do Comitê de Finanças do Senado dos EUA ampliou a investigação sobre a BMW depois que se descobriu que a montadora importava para os Estados Unidos carros contendo peças chinesas proibidas.

Numa carta à BMW North America, o senador Ron Wyden perguntou se a empresa tinha parado de importar componentes suspeitos de serem fabricados por pessoas da minoria uigure da China em condições de trabalho forçado.

O Grupo BMW não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

No mês passado, a BMW disse que “tomou medidas para parar de importar os produtos afetados”.

Isso ocorreu depois que uma investigação de dois anos realizada pela equipe do senador Wyden revelou que pelo menos 8.000 BMW Mini Coopers com peças proibidas foram importados para os Estados Unidos.

O relatório descobriu que os carros continham componentes fabricados pela empresa chinesa Sichuan Jingweida Technology Group (JWD).

“A BMW tem certeza de que não está importando atualmente veículos contendo componentes produzidos pela JWD?”, dizia a carta do senador Wyden, solicitando respostas até 21 de junho.

Outras montadoras mencionadas no relatório incluem Jaguar Land Rover e Volkswagen.

O Congresso dos EUA aprovou a Lei de Prevenção do Trabalho Forçado Uigur (UFLPA) em lei em 2021.

A JWD foi incluída na lista de entidades da UFLPA em dezembro de 2023, o que significa que seus produtos são supostamente fabricados com trabalho forçado.

A China enfrentou acusações de deter mais de um milhão de uigures em Xinjiang contra a sua vontade nos últimos anos.

Pequim rejeitou todas as alegações de violações dos direitos humanos em Xinjiang.

O Ministério das Relações Exteriores da China denunciou a UFLPA, dizendo que ela “prejudica a sobrevivência e os direitos trabalhistas das pessoas em Xinjiang”.