abril 15, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Titanic: ‘O maior projeto de escaneamento subaquático da história’ fornece uma visão nunca antes vista do naufrágio

Nota do editor: Inscreva-se no boletim científico Wonder Theory da CNN. Explore o universo com notícias sobre descobertas fascinantes, descobertas científicas e muito mais.



CNN

Um transatlântico de luxo que afundou misteriosamente em 1912, o The TitânicoHá muito tempo é uma fonte de fascínio para muitos.

Os historiadores agora esperam que um novo programa de varredura subaquática possa responder a algumas das perguntas não respondidas sobre a tragédia que matou mais de 1.500 pessoas.

“Uma equipe de cientistas usou o mapeamento de águas profundas para criar um ‘gêmeo digital’ preciso do naufrágio do Titanic pela primeira vez”, de acordo com um comunicado de imprensa divulgado na quarta-feira pelos exploradores de águas profundas Magellan e pelos cineastas Atlantic Productions.

Ao realizar “o maior projeto de escaneamento subaquático da história”, os cientistas foram capazes de “descobrir os detalhes da tragédia e descobrir informações fascinantes sobre o que realmente aconteceu com a tripulação e os passageiros naquela noite fatídica”, 14 de abril de 1912, comunicado à imprensa. disse.

Uma varredura do naufrágio foi realizada no verão de 2022 por uma embarcação especial estacionada a 700 km (435 milhas) da costa do Canadá. Protocolos rígidos proibiam os membros da equipe de tocar ou perturbar os destroços, que os investigadores insistiram que foi tratado “com o maior respeito”.

Cada milímetro de seu campo de destroços de cinco quilômetros foi meticulosamente pintado, disse a reportagem. A réplica digital final conseguiu capturar todo o naufrágio, incluindo a proa e a popa, que foram separadas após o naufrágio em 1912.

Parks Stephenson, um especialista que estuda o Titanic há 20 anos, saudou o projeto como uma “virada de jogo” por descobrir “detalhes nunca antes vistos”.

“Temos dados reais que os engenheiros podem usar para estudar a mecânica real por trás da separação e do naufrágio e, assim, aproximar a história real do desastre do Titanic”, observou Stephenson.

Um desses exemplos pode ser visto na hélice, onde o número de série é visível pela primeira vez em décadas.

Cerca de 715.000 imagens e 16 terabytes de dados foram coletados durante a viagem – um número “cerca de dez vezes maior do que qualquer modelo 3D subaquático já tentado”, disse o CEO da Magellan, Richard Parkinson.

Parkinson descreveu a missão como “desafiadora”, citando a luta da equipe contra “os elementos, clima inclemente e desafios técnicos”.

Enquanto as imagens ópticas anteriores do navio apresentavam baixos níveis de luz e baixa qualidade de luz abaixo de 12.500 pés de profundidade, a nova técnica de mapeamento “captou efetivamente a água e deixou a luz entrar”, de acordo com o comunicado à imprensa.

De acordo com o especialista em captura 3D Gerhard Seiffert, o “modelo 3D fotorrealista de alta precisão” permitiu que as pessoas ampliassem e vissem todo o naufrágio “pela primeira vez”.

“É o Titanic, como ninguém viu antes”, acrescentou Seifert.

De acordo com Stephenson, este mapeamento anunciará “o começo de um novo capítulo” na pesquisa e exploração do Titanic.