julho 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Testemunhas disseram que a ofensiva étnica etíope deixou mais de 200 mortos

Testemunhas disseram que a ofensiva étnica etíope deixou mais de 200 mortos

o novoAgora você pode ouvir os artigos da Fox News!

étnico Ataque na Etiópia Ele deixou mais de 200 pessoas mortas na região de Oromia do país, de acordo com testemunhas oculares.

Testemunhas culparam um grupo rebelde, o Exército de Libertação Oromo, pelo ataque, mas o grupo nega.

Uma testemunha, Abdul Sayed Taher, disse que contou um total de 230 corpos após o ataque e disse que este foi “o ataque mais mortal contra civis que já vimos em nossas vidas”.

“Contei 230 corpos. Temo que este seja o ataque mais mortal que vimos contra civis em nossas vidas”, disse Taher. “Nós os enterramos em valas comuns e ainda estamos coletando corpos. Unidades do Exército Federal Eles já chegaram, mas tememos que os ataques continuem se eles saírem.”

PUTIN LAMBASTS ATUAMOS COMO “Mensageiro de Deus” e exige mudança na ordem mundial

Um homem é atacado em uma mistura de campos de grãos de teff colhidos perto do local do acidente da Ethiopian Airlines operado por um Boeing 737 MAX em 16 de março de 2019, na vila de Hama Kontusheli perto de Bishoftu, na região de Oromia.
(Tony Karumba/AFP via Getty Images)

Testemunhas dizem que o ataque foi cometido principalmente contra pessoas da etnia Amhara

Outra testemunha, que pediu que seu primeiro nome fosse divulgado, Shambel, disse que a comunidade local de Amhara está tentando desesperadamente reassentá-lo “antes de outra rodada de assassinato em massa está acontecendo.”

Shambel disse que os Amharas da região “estão sendo mortos como galinhas”.

Polícia brasileira prende terceiro suspeito de assassinato de jornalista e perito britânico

READ  Os Estados Unidos e seus aliados estão lutando para fazer planos para obter suprimentos vitais de grãos da Ucrânia

Testemunhas dizem que o Exército de Libertação Oromo é responsável por realizar o ataque, mas o grupo nega.

“O ataque ao qual você se refere foi perpetrado por militares do regime e milícias locais enquanto se retiravam de seu acampamento em Jimbe após nosso último ataque”, disse o porta-voz do Exército Oda Tarbe. “Eles fugiram para uma área chamada Tol, onde atacaram os moradores e destruíram suas propriedades em retaliação por seu suposto apoio ao OLA. Nossos combatentes não haviam chegado àquela área quando os ataques ocorreram.”

CLIQUE AQUI PARA O APP FOX NEWS

O país está passando por tensões étnicas generalizadas devido a tensões políticas e queixas históricas. O povo Amhara é considerado o segundo maior grupo étnico do país e tem sido frequentemente alvo de ataques em regiões como Oromia.

A Associated Press contribuiu para este relatório.