dezembro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Rússia lança mísseis em Kyiv e outras cidades após se retirar do acordo de grãos

Rússia lança mísseis em Kyiv e outras cidades após se retirar do acordo de grãos

Kyiv (Reuters) – Explosões foram ouvidas em Kyiv nesta segunda-feira e autoridades ucranianas relataram ataques com mísseis russos em todo o país depois que Moscou culpou Kyiv por um ataque à sua frota do Mar Negro e por desistir de um acordo para permitir o embarque de grãos ucranianos.

A Rússia e a Ucrânia estão entre os maiores exportadores de alimentos do mundo, e o bloqueio russo aos embarques de grãos ucranianos causou uma crise global de alimentos no início deste ano. Depois que a Rússia anunciou a suspensão da cooperação com as exportações de grãos, os futuros do trigo de Chicago saltaram mais de 5 por cento na segunda-feira.

“Outro lote de mísseis russos está atingindo a infraestrutura vital da Ucrânia. Em vez de lutar no campo de batalha, a Rússia está lutando contra civis”, disse o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba.

“Não justifique esses ataques chamando-os de ‘retaliação’. A Rússia o faz porque ainda tem os mísseis e a vontade de matar os ucranianos.”

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Oleg Nikolenko, disse que os mísseis atingiram a infraestrutura de energia em Kyiv e outras cidades, causando cortes de energia e água.

“A Rússia não está interessada em negociações de paz nem em segurança alimentar global. O único objetivo de Putin é a morte e a destruição.”

Não houve resposta imediata de Moscou, que acusou Kyiv de atacar sua frota do Mar Negro no porto da Crimeia com 16 drones no sábado. No início deste mês, a Rússia lançou seus maiores ataques aéreos desde o início da guerra em Kyiv e outras cidades ucranianas, no que disse ser uma resposta a um ataque à sua ponte na Crimeia.

READ  "O cheiro é terrível": nuvens de espuma tóxica flutuam nas ruas do subúrbio de Bogotá | Colômbia

A Ucrânia não confirmou nem negou a responsabilidade pelo ataque à frota russa, que é sua política habitual em relação aos incidentes na Crimeia.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky acusou a Rússia de “saquear o mundo com fome” ao se retirar de um acordo de exportação de alimentos negociado pelas Nações Unidas e a Turquia.

Em um discurso durante a noite, Zelensky disse que entre os navios apreendidos estava um navio que transportava dezenas de milhares de toneladas de trigo que o Programa Mundial de Alimentos das Nações Unidas havia fretado para responder a emergências no Chifre da África.

O Ministério da Infraestrutura da Ucrânia disse que 218 navios foram “efetivamente proibidos”.

O acordo de grãos exigia que a Rússia e a Ucrânia coordenassem as inspeções e o trânsito de navios pelo Mar Negro, com as Nações Unidas e a Turquia atuando como mediadores.

Nenhum navio se moveu no domingo. A ONU disse que concordou com a Turquia e a Ucrânia em um plano de trânsito na segunda-feira para transportar 16 navios de grãos no Mar Negro – 12 de saída e quatro de chegada. Não houve resposta imediata da Rússia.

As Nações Unidas disseram que as autoridades russas foram informadas do plano, juntamente com a intenção de inspecionar 40 navios offshore na segunda-feira, e observaram que “todos os participantes estão coordenando com os militares e outras autoridades relevantes para garantir a passagem segura de navios mercantes”. Combinado.

O presidente dos EUA, Joe Biden, no sábado, chamou a medida russa de “puramente ultrajante” e disse que aumentaria a fome. O secretário de Estado dos EUA, Anthony Blinken, acusou Moscou de armar alimentos.

O embaixador russo em Washington respondeu no domingo, dizendo que a resposta dos EUA foi “ultrajante” e deu falsas garantias sobre a ação de Moscou.

READ  Eu não sou criativo. A Ucrânia é especial.

Reportagem dos escritórios da Reuters. Escrito por Michael Berry Edição por Peter Graf

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.