julho 25, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Relatório: Pelo menos 32 reféns restantes em Gaza morreram | Israel

Relatório: Pelo menos 32 reféns restantes em Gaza morreram |  Israel

Israel teria informado às famílias de 32 reféns detidos em Gaza desde o ataque de 7 de Outubro que os seus familiares morreram.

Mais de um quinto dos restantes reféns detidos pelo Hamas em Gaza estão mortos, de acordo com informações disponíveis recolhidas pelos militares israelitas.

auditoria interna confidencial, Vazou para o New York Times, Terá concluído que pelo menos 32 dos restantes 136 reféns capturados pelo Hamas morreram e as suas famílias foram informadas.

O destino de outras 20 pessoas também está em questão, em meio a informações não confirmadas de que podem ter morrido durante o cativeiro.

Estas alegações surgiram quando foi revelado que as FDI tinham começado a investigar dezenas de incidentes em que os soldados israelitas podem ter violado o Código de Conduta das FDI ou violado a lei internacional que rege o conflito, a maioria deles em incidentes envolvendo vítimas civis significativas ou a destruição de infra-estruturas. .Civil.

As circunstâncias das mortes dos reféns permaneceram obscuras, com as autoridades israelitas a indicarem ao jornal que muitas destas mortes ocorreram em 7 de Outubro, durante uma incursão mortal em massa do Hamas no sul de Israel, na qual 1.200 pessoas foram mortas.

A revelação de que muitos dos reféns restantes podem já estar mortos, e em maior número do que o divulgado anteriormente, parece certo que intensificará o escrutínio da forma controversa como o governo de Netanyahu lidou com a crise dos reféns que já dura meses, e que irritou muitas famílias reféns. .

Embora cerca de metade dos capturados durante o ataque tenham sido libertados no final do ano passado, na sequência de um acordo de reféns por cessar-fogo, ao abrigo do qual foram libertados prisioneiros palestinianos detidos em prisões israelitas, as negociações sobre um segundo acordo continuaram durante semanas.

READ  Mais de 100 pessoas morreram, incluindo uma noiva e um noivo, num incêndio num salão de casamento no Iraque

O caso foi complicado pelo facto de informações sobre os que foram feitos reféns em 7 de Outubro terem surgido gradualmente nos meses seguintes, tendo as famílias de alguns dos que se pensava terem sido capturados vivos sido posteriormente informadas de que tinham sido mortos.

No entanto, ainda não está claro se a revisão das FDI significa que o Hamas está detendo os corpos de todas as 32 pessoas que se acredita estarem mortas para negociações futuras.

No âmbito das negociações em curso para um segundo cessar-fogo longo, que terá lugar através dos mediadores Qatar e Egipto, mulheres, doentes, crianças e prisioneiros idosos serão libertados em troca de prisioneiros palestinianos com restos mortais que serão trocados mais tarde, se a primeira fase for bem sucedida.

Inicialmente, pensava-se que mais de 240 reféns tinham sido raptados pelo Hamas em Outubro passado, mas o número exacto daqueles que se acredita estarem detidos em Gaza está constantemente a ser revisto.

Embora altos responsáveis ​​israelitas tenham afirmado que um dos objectivos da guerra era garantir a libertação de reféns através de pressão militar sobre o Hamas, o Hamas afirmou em diversas ocasiões que reféns morreram durante ataques israelitas, afirmações que não foram verificadas de forma independente.

No entanto, durante o conflito que custou a vida a mais de 27.000 palestinianos em Gaza, as FDI conseguiram até agora recuperar apenas um refém vivo durante uma missão de resgate, enquanto outros três, homens que escaparam dos seus captores no norte de Gaza, foram mortos pelas forças de segurança israelenses. Soldados israelenses se aproximando de uma posição israelense.

A revelação das aparentes mortes de reféns ocorreu quando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, visitou o Qatar na terça-feira, na sua última viagem ao Médio Oriente, onde procurou um novo cessar-fogo e um “fim permanente” para a guerra entre Israel e o Hamas.

READ  Ucrânia busca 'cessar-fogo imediato' e retirada russa nas primeiras conversas diretas durante a invasão em curso de Putin

A visita de Blinken também ocorre em meio a preocupações crescentes no Egito sobre as intenções declaradas de Israel de expandir os combates em Gaza para áreas na fronteira egípcia lotadas de palestinos deslocados.

O ministro da Defesa israelita disse que a ofensiva israelita acabaria por atingir a cidade de Rafah, na fronteira egípcia, onde mais de metade dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza se refugiaram e vivem agora em condições cada vez mais miseráveis.

Monitores humanitários da ONU disseram na terça-feira que as ordens de evacuação israelenses cobrem agora dois terços do território de Gaza, empurrando milhares de pessoas diariamente para áreas fronteiriças.

O Egipto alertou que a implantação israelita ao longo da fronteira ameaçaria o tratado de paz que os dois países assinaram há mais de quatro décadas. O Egipto teme que a expansão dos combates na área de Rafah empurre civis palestinianos aterrorizados para o outro lado da fronteira, um cenário que o Egipto disse estar determinado a evitar.

Blinken, que se reuniu na terça-feira com o presidente egípcio Abdel Fattah al-Sisi no Cairo, disse repetidamente que os palestinos não deveriam ser forçados a sair de Gaza.

A revelação da investigação conduzida pelo exército israelita sobre possíveis violações do direito internacional humanitário surge num momento em que Israel enfrenta uma pressão crescente perante os tribunais internacionais, incluindo o Tribunal Internacional de Justiça, onde enfrenta acusações de genocídio.

A Associated Press e a Reuters contribuíram para este relatório