fevereiro 4, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Primeiro-ministro holandês diz que todo o Ocidente está ameaçado se o agressor não for contestado

O primeiro-ministro holandês disse que a Europa precisa fazer mais para apoiar a Ucrânia.

Bloomberg/Contributor/Getty Images

O primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, disse na quinta-feira que é essencial para a Europa continuar a enfrentar a agressão russa, dizendo que a região deve fazer “tudo o que puder para ajudar os ucranianos”.

“Se um agressor não for desafiado e puder cuidar de seus negócios, a Ucrânia não acabará. Todo o Ocidente está ameaçado”, disse Rutte à CNBC, enquanto discutia a reação da Europa à guerra na Ucrânia no Fórum Econômico Mundial em Davos. .

Rutte referiu-se ao Acordo de Munique de 1938 em sua discussão com Steve Sedgwick, da CNBC, no qual as forças aliadas concordaram que a Tchecoslováquia entregaria suas regiões fronteiriças e defesas à Alemanha nazista.

Ele acrescentou: “As pessoas acham que é uma questão de valores, que não podemos aceitar um país invadindo outro … É também uma questão de segurança coletiva.”

Rutte também disse que a Europa precisa fazer mais para ajudar a Ucrânia, mas que a questão do envio de tanques é uma “decisão delicada”.

“Eu concordo que há um argumento a ser feito [tanks] para a Ucrânia. Há também um caso para tomar a decisão em conjunto com outros, incluindo nossos amigos nos Estados Unidos”, disse ele, acrescentando que estava “um tanto otimista” de que a situação “poderia chegar a um ponto crítico”.

“Temos que fazer tudo o que pudermos para ajudar os ucranianos”, disse Rutte.

Ucrânia perguntou repetidamente E seus aliados ocidentais fornecerão tanques para ajudá-lo a combater a Rússia, que causou tensão entre os países europeus, já que alguns temem que o fornecimento de armas provoque ainda mais Moscou.

READ  Bolsas globais sobem, ouro cai após Rússia evitar default

Mas a região pode estar perto de chegar a um acordo.

“Meu entendimento é que um acordo foi basicamente alcançado”, disse John E. Herbst, diretor sênior do Centro da Eurásia do Atlantic Council e ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, à CNBC na segunda-feira.

“Sabemos que o retardatário aqui era a Alemanha, e os alemães agora parecem convencidos disso, eles permitirão que outros países que tenham tanques Leopard os enviem para a Ucrânia – tenho certeza disso – e também acho muito provável, mas Não tenho certeza se a Alemanha manda alguns Leopardos.” Além disso “.

Questionado sobre as contribuições da Alemanha, Rutte disse que o país “fez o que precisava ser feito” para ajudar a Ucrânia.

— Holly Ellytt da CNBC contribuiu para este relatório.