janeiro 30, 2023

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Peru fecha Universidade de Lima e Machu Picchu em meio à agitação no Peru

Centenas de policiais invadiram a Universidade de Lima no sábado, arrombando os portões com veículos blindados, disparando gás lacrimogêneo e prendendo mais de 200 pessoas que vieram à capital peruana para participar de protestos contra o governo.

As imagens mostram dezenas de pessoas deitadas de bruços no chão após uma repressão policial na Universidade de San Marcos. Os estudantes disseram que foram empurrados, chutados e espancados com paus depois de serem despejados de seus dormitórios.

Polícia invade universidade mais antiga de São Marcos América – O mais recente de uma série de insultos pedindo a renúncia da presidente Tina Polwart após seis semanas de distúrbios que tiraram 60 vidas, feriram pelo menos 580 e prenderam mais de 500.

Com protestos e bloqueios de estradas paralisando grande parte do país, as autoridades peruanas ordenaram no sábado o fechamento “até novo aviso” da Trilha Inca que leva à cidadela inca e Patrimônio Mundial de Machu Picchu – a maior atração turística do Peru. Mais de um milhão de visitantes por ano.

O Ministério do Turismo do Peru disse no sábado que as equipes de resgate retiraram mais de 400 turistas retidos do local icônico.

“Esta tarde, 418 visitantes nacionais e estrangeiros foram transferidos da cidade de Machu Picchu… para Cusco”, publicou a conta do ministério no Twitter, junto com fotos de um trem e passageiros.

o Demonstrações Começou no início de dezembro em apoio ao ex-presidente deposto Pedro Castillo, mas mudou amplamente para exigir a renúncia de Polwart, o fechamento do Congresso e novas eleições. Poluarte era vice-presidente de Castillo e foi substituído depois que tentou Shutter Congress e regulamentada por decreto de 7 de dezembro.

READ  Sportsworld soa dos Broncos, o jogo abismal de Russell Wilson vs. carneiros
Pessoas são detidas no campus da Universidade de San Marcos, em Lima. Foto: Juan Mandamiento/AFP/Getty Images

Muitos dos presos na operação de sábado viajaram do sul do Peru para a capital para participar da manifestação de quinta-feira. “Tomar Lima” Tudo começou pacificamente, mas acabou em confrontos entre manifestantes e policiais de choque em meio a tiros de pedras e rajadas de gás lacrimogêneo.

Em um comunicado TwitterDireitos Humanos da ONU O Gabinete do Alto Comissariado pediu às autoridades peruanas que “garantissem a legalidade e a proporcionalidade”. [police] Garantias de intervenção e devido processo.” Enfatizou a importância da presença dos litigantes ausentes nas primeiras horas do julgamento.

Estudantes que vivem em dormitórios disseram que foram violentamente despejados de seus quartos por policiais armados, que arrombaram portas, usaram carrinhos e os expulsaram.

Esteban Godofredo, um estudante de ciências políticas de 20 anos, foi tratado por ferimentos nas pernas. “Ele me bateu com o bastão, me jogou no chão e começou a me chutar”, disse Godofredo, sentado na grama do lado de fora da residência com a panturrilha direita gravemente ferida e enfaixada.

Um estudante chamado Esteban Godofredo está sendo tratado por uma lesão na perna
Um aluno chamado Esteban Godofredo está sendo tratado por uma lesão na perna. Foto: Don Collins/The Guardian

Vídeos vistos pelo Guardian mostraram estudantes confusos e assustados amontoados do lado de fora de seus corredores, alguns ainda de pijamas, enquanto a tropa de choque gritava ordens e insultos. Os jovens foram forçados a ficar contra a parede ou ajoelhar-se em filas.

“Eles apontaram suas armas para nós e gritaram ‘Fora’. Não tivemos tempo de pegar nossas identidades”, disse Jenny Fuentes, 20, professora estagiária. “Eles nos forçaram a nos ajoelhar. Muitas meninas estavam chorando, mas mandaram a gente calar a boca. .

“Eles não nos disseram por que estávamos sendo despejados de nossos quartos”, disse ela. Um grupo de cerca de 90 alunos, que estava no campus para trabalhar e estudar durante as férias de verão, foi então levado para o pátio principal, a 10 minutos a pé, onde outros foram detidos.

Horas depois da operação, eles não foram autorizados a voltar para seus quartos, que foram revistados pela polícia.

A polícia peruana disse que pertenciam a manifestantes detidos no campus da Universidade San Marcos, em Lima.
A polícia peruana disse que pertenciam a manifestantes detidos no campus da Universidade San Marcos, em Lima. Foto: Don Collins/The Guardian

“Eu era um estudante em San Marcos [University] Não vivíamos esse tipo de indignação desde a década de 1980”, disse a deputada Suzelle Paredes, ao ser impedida de entrar no complexo por um cordão policial.

“A polícia entrou na residência da universidade, nos quartos das alunas que não têm ligação com os manifestantes. Eles os ameaçaram enquanto dormiam e os tiraram de seus quartos.

Paredes disse que foi um flashback das incursões regulares da polícia e das forças armadas na universidade pública nas décadas de 1980 e 1990, quando o campus era visto como um campo de subjugação durante o conflito do estado com os rebeldes do Sendero Luminoso inspirados por Mao.

“Não estamos nesse momento, estamos sob um governo democrático que respeita os direitos fundamentais”, disse Paredes.

A Agence France-Presse contribuiu para este relatório