novembro 30, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Os primeiros-ministros da Polônia, Eslovênia e República Tcheca estão a caminho de encontro com Zhelensky em Kiev

Em 13 de março, pessoas desapareceram de um projétil dentro da entrada de um prédio de apartamentos em Mariupol, na Ucrânia. (Evgeniy Maloletka/AP)

Cerca de 350.000 pessoas ainda estão presas Como MariupolA cidade no sudeste da Ucrânia está sitiada por tropas russas desde 1º de março, disse uma autoridade local.

“Considerando que 540.000 moradores e cerca de 150.000 pessoas foram evacuadas nos primeiros três dias, estimamos que, embora ainda fosse seguro fazê-lo, cerca de 350.000 pessoas ainda estariam presas em Mariupol”, disse o assessor do prefeito de Mariupol, Pedro Andriyushchenko, à televisão ucraniana. Segunda-feira.

Várias tentativas oficiais de estabelecer rotas seguras e evacuar civis de Mariupol falharam nos últimos dias. Uma grande ajuda humanitária que estava prevista para domingo não chegou à cidade até segunda-feira, segundo autoridades.

“A maioria das pessoas está em porões e abrigos em condições desumanas. Sem comida, água, eletricidade, calor”, disse ele, enquanto as pessoas removem o sistema de aquecimento para derreter o gelo e obter água para beber.

Falando sobre vítimas civis, Andriushchenko disse que os números obtidos da polícia e compilados por instalações médicas estavam incorretos. Até domingo, havia sido confirmado que 1.800 pessoas haviam sido mortas, disse ele.

Falando na segunda-feira, Oleksiy Arestovych, um conselheiro do presidente Volodymyr Zelensky, disse que o bombardeio russo de Mariupol matou mais de 2.500 pessoas.

READ  Ex-presidente Jimmy Carter completa 98 ​​anos