julho 25, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Os preços do petróleo caíram, mas os cortes na oferta mantiveram o Brent acima dos 90 dólares por barril

Os preços do petróleo caíram, mas os cortes na oferta mantiveram o Brent acima dos 90 dólares por barril

Uma vista aérea mostra rebocadores ajudando um petroleiro a atracar em um terminal de petróleo, na ilha de Waidiao, em Zhoushan, província de Zhejiang, China, em 18 de julho de 2022. cnsphoto via REUTERS / Foto de arquivo Obtenha direitos de licenciamento

CINGAPURA (Reuters) – Os preços do petróleo caíram nesta segunda-feira, com o dólar mais forte e as preocupações econômicas na China pesando sobre as perspectivas para a demanda por combustível, mas os cortes prolongados na oferta por parte da Arábia Saudita e da Rússia ajudaram a manter o petróleo Brent acima de 90 dólares por barril.

Às 06h44 GMT, o petróleo Brent caiu 15 centavos, ou 0,2 por cento, para US$ 90,50 por barril, enquanto o petróleo bruto West Texas Intermediate dos EUA atingiu US$ 87,08 por barril, uma queda de 43 centavos, ou 0,5 por cento.

“As preocupações com o crescimento económico chinês pesaram sobre o sentimento das matérias-primas”, afirmaram os analistas da ANZ numa nota.

Acrescentaram que este movimento foi agravado pela força do dólar americano, que manteve baixo o apetite dos investidores, referindo-se à moeda norte-americana, que subiu durante oito semanas consecutivas.

Os preços do petróleo subiram nas últimas duas semanas consecutivas, com o Brent a manter-se estável nos seus níveis mais elevados desde Novembro, na sexta-feira, depois de a Arábia Saudita e a Rússia terem anunciado na semana passada que iriam prolongar os cortes voluntários de oferta de um total combinado de 1,3 milhões de barris por dia até o fim do ano.

“Os preços do petróleo convergiram amplamente para as nossas estimativas de valor justo, mas com a Arábia Saudita a ser mais agressiva do que o esperado com o seu corte unilateral e a procura a permanecer forte, alertamos que a recente recuperação irá desaparecer”, disse Amarpreet Singh, analista do Barclays, numa nota.

READ  O S&P 500 fecha acima do nível chave de 5.000 pela primeira vez

A Agência Internacional de Energia e a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) deverão divulgar os seus relatórios mensais esta semana, e qualquer sinal de forte procura poderá empurrar os preços do petróleo para cima.

Mukesh Sahdev, chefe de downstream e comércio de petróleo da Rystad Energy, disse que o impacto dos cortes liderados pelos sauditas será mais evidente até o final do ano, quando as refinarias terminarem a manutenção e aumentarem a produção.

“A manutenção das refinarias reduzirá a procura de petróleo bruto em 2-2,5 milhões de barris por dia em Setembro e Outubro, mas recuperará em Novembro e Dezembro, compensando parcialmente os efeitos dos cortes nos preços”, acrescentou Sahdev, estimando que as interrupções nas refinarias atingiriam o pico. em 10 milhões de barris. por dia (bpd) em outubro.

Nos Estados Unidos, os produtores adicionaram uma plataforma petrolífera na semana passada pela primeira vez desde junho, disse a Baker Hughes no seu relatório semanal, mas o número total ainda caiu 127 plataformas, ou 17%, abaixo do mesmo período do ano passado.

O WTI provavelmente estará no processo de estabelecer uma nova faixa superior acima de US$ 83 e abaixo da resistência de US$ 93,50 nas próximas semanas, com preocupações sobre a demanda na China e na Europa limitando ainda mais a alta, disse Tony Sycamore, analista do IG, em nota.

(Reportagem de Florence Tan e Emily Chow – Preparado por Mohammed para o Boletim Árabe) Edição de Lincoln Feast e Miral Fahmy

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoabre uma nova aba