outubro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Os preços do gás na Europa subiram quando a Rússia anunciou o fechamento do Nord Stream 1

Os preços do gás na Europa subiram quando a Rússia anunciou o fechamento do Nord Stream 1

A Rússia reduziu significativamente o fornecimento de gás natural para a Europa nas últimas semanas, com fluxos através do gasoduto Nord Stream 1 operando atualmente em apenas 20% do volume acordado.

Foto Aliança | Foto Aliança | Imagens Getty

Os preços do gás natural na Europa subiram na segunda-feira depois que a gigante estatal russa de energia Gazprom disse que fecharia a maior parte da infraestrutura de gás da Europa por três dias a partir do final do mês.

Os trabalhos de manutenção não programados do gasoduto Nord Stream 1, que vai da Rússia à Alemanha através do Mar Báltico, O aprofundamento da disputa sobre o gás entre a Rússia e a União Europeia E agrava os riscos de estagnação e escassez no inverno.

Preço do gás no primeiro mês No hub holandês TTF, um padrão europeu para a comercialização de gás natural, saltou 19% na segunda-feira, para € 291,5 (US$ 291,9) por megawatt-hora.

O contrato fechou na sexta-feira em um recorde de € 244,55 por megawatt-hora, marcando seu quinto ganho semanal consecutivo.

A Gazprom disse na sexta-feira que o desligamento ocorreu porque o único compressor restante do oleoduto precisava de manutenção. Os fluxos de gás através do gasoduto Nord Stream 1 serão suspensos por três dias, de 31 de agosto a 2 de setembro.

A Gazprom disse que o transporte de gás será retomado a uma taxa de 33 milhões de metros cúbicos por dia quando o trabalho de manutenção for concluído “desde que nenhuma falha seja identificada”.

O anúncio da paralisação temporária ocorre no momento em que os governos europeus correm para abastecer as instalações de armazenamento subterrâneo com gás natural, em uma tentativa de obter combustível suficiente para aquecer as casas nos próximos meses.

READ  Artilharia russa e ataques aéreos contra alvos no leste da Ucrânia

A Rússia reduziu significativamente o fornecimento de gás natural para a Europa nas últimas semanas, com fluxos através do gasoduto Nord Stream 1 operando atualmente em apenas 20% do volume acordado.

Moscou já culpou equipamentos defeituosos e atrasos pela queda acentuada no fornecimento de gás.

No entanto, a Alemanha vê os cortes na oferta como uma manobra política destinada a semear incerteza em todo o bloco e aumentar os preços da energia em meio ao ataque do Kremlin à Ucrânia.

Dois riscos graves

Até recentemente, a Alemanha comprava mais da metade de seu gás da Rússia. O governo da maior economia da Europa agora está lutando para apoiar o fornecimento de gás de inverno em meio a preocupações crescentes de que Moscou em breve poderá fechar completamente as torneiras.

Além disso, a corrida da Europa para economizar gás suficiente ocorre em um momento em que os preços disparam. Os custos crescentes da energia elevaram as contas das famílias, elevaram a inflação ao seu nível mais alto em décadas e pressionaram o poder de compra das pessoas.

Holger Schmieding, economista-chefe do Berenberg Bank, disse que o último anúncio da Gazprom foi uma aparente tentativa de explorar a dependência da Europa do gás russo.

“Por si só, um curto fechamento do oleoduto não faria muita diferença, especialmente porque a Rússia reduziu suas exportações de gás via NS1 para 20% de sua capacidade desde 27 de julho”, disse Schmieding em nota de pesquisa.

Mas destaca dois sérios perigos: (1) a Rússia pode erroneamente alegar que não pode reabrir o oleoduto depois devido a um “problema técnico” que só pode ser resolvido se as sanções ocidentais forem levantadas, e (2) a Rússia também pode fechar e cortar outros oleodutos para a Europa mais tarde.

Schmieding disse que os preços mais altos, mesmo para o suprimento escasso de gás, “exacerbariam a perigosa recessão em que a Europa já está” e alertou que um corte adicional imediato nos fluxos russos aumentaria a probabilidade de a Alemanha enfrentar escassez no inverno.