julho 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Os Estados Unidos ampliam sanções à Rússia em sua repressão bancária

Os Estados Unidos ampliam sanções à Rússia em sua repressão bancária

por Tom Espiner, BBC Notícias

Getty Images Casa de câmbio de MoscouImagens Getty

Os Estados Unidos ampliaram as suas sanções à Rússia, incluindo uma nova repressão aos bancos que fazem negócios com entidades sancionadas.

Expande um programa iniciado em Dezembro para impor sanções a bancos estrangeiros considerados como estando a ajudar a Rússia nos seus esforços de guerra na Ucrânia.

Os Estados Unidos também impuseram sanções à Bolsa de Valores de Moscovo, suspendendo as negociações de dólares e euros.

Também tentou restringir o uso de tecnologia pela Rússia, incluindo chips e software.

O presidente dos EUA, Joe Biden, assinou uma ordem executiva em dezembro impondo sanções aos bancos que fazem negócios com cerca de 1.200 indivíduos e empresas que se acredita estarem ajudando a máquina de guerra russa.

Estas sanções, que colocam os bancos em risco de serem excluídos do sistema financeiro dos EUA, foram agora alargadas para incluir cerca de 4.500 entidades.

Os Estados Unidos também irão reprimir a lavagem de ouro.

Peter Harrell, antigo diretor sénior de economia internacional da Casa Branca, disse à agência de notícias Reuters que os Estados Unidos estão “a mudar para algo que parece uma tentativa de impor um embargo financeiro global à Rússia”.

Como parte destes esforços, o Departamento do Tesouro dos EUA anunciou que iria impor sanções a partes do sistema financeiro russo, incluindo a Bolsa de Valores de Moscovo, que é uma das principais bolsas de valores da Rússia.

A bolsa, o maior mercado cambial da Rússia, disse que as sanções a forçaram a parar de negociar em dólares e euros.

READ  A riqueza dos cinco homens mais ricos do mundo duplicou desde 2020

Os Estados Unidos também se concentraram na tecnologia no programa ampliado de sanções.

Chips e outras tecnologias fabricadas nos Estados Unidos foram encontradas em equipamentos russos abatidos em campos de batalha na Ucrânia, incluindo drones, rádios, mísseis e veículos blindados.

As sanções visam dificultar o fornecimento desta tecnologia pelas empresas.

Os EUA terão como alvo empresas de fachada em Hong Kong que vendem chips para a Rússia.

Além disso, o software e os serviços de TI de entidades sancionadas também serão restringidos, embora os EUA tenham afirmado que as suas ações “não se destinam a perturbar a sociedade civil e as comunicações civis”.

Apesar da onda de sanções impostas à Rússia desde a invasão massiva da Ucrânia em Fevereiro de 2022, o Fundo Monetário Internacional espera que o país registe um crescimento económico de 3,2% este ano.

Mas os analistas dizem que as sanções acabarão por tornar mais difícil para Moscovo travar uma guerra e enfraquecerão a economia russa ao longo do tempo.

“A economia de guerra da Rússia está profundamente isolada do sistema financeiro internacional, deixando os militares do Kremlin com uma necessidade desesperada de acesso ao mundo exterior”, disse a secretária do Tesouro, Janet Yellen.

“As ações de hoje atingem as rotas restantes para materiais e equipamentos internacionais, incluindo a sua dependência de fornecimentos vitais de países terceiros”, acrescentou.