dezembro 5, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Orion captura vistas de tirar o fôlego ao completar seu sobrevôo mais próximo da Lua

Orion captura vistas de tirar o fôlego ao completar seu sobrevôo mais próximo da Lua

Seis dias depois que a espaçonave Orion da NASA foi lançada em uma jornada para a lua, a cápsula em forma de goma chegou ao seu destino na segunda-feira. A 81 milhas acima da superfície lunar, a espaçonave passou pela histórica Base da Tranquilidade – o local do pouso lunar da Apollo 11 – e entrou nos livros de história.

Capturando vistas da Terra e da Lua, a cápsula completou seu sobrevoo e uma de suas duas maiores manobras da missão, atingindo um recorde: viajando a mais de 40.000 milhas de distância do outro lado da Lua. Quando a espaçonave atingir essa distância, ela quebrará o recorde estabelecido pela tripulação da Apollo 13 e alcançará a maior distância percorrida por uma espaçonave de classe humana.

“Estamos nos preparando para orbitar além da lua”, disse Mike Sarafin, gerente da missão Artemis 1 da NASA, durante uma coletiva de imprensa na segunda-feira. “Foi chamado de órbita retrógrada distante, e hoje foi o nosso maior evento na missão para nos preparar para isso.”

A manobra é a primeira de duas, disse Sarafin, e ao entrar nesta órbita única, permite que a equipe coloque a espaçonave Orion à prova.

“É um grande trabalho colocar pressão no sistema e reduzir os riscos”, disse ele.

O sobrevôo de segunda-feira foi o mais próximo de Orion, uma vez que entra em uma órbita retrógrada distante, o que significa que a espaçonave orbitará a lua na direção oposta à da órbita da Terra. Isso testará não apenas o sistema de propulsão, porque requer grandes manobras de propulsão, disse Sarafin, mas também o sistema de comunicações da espaçonave. Em seu ponto mais distante, a espaçonave estará a 268.000 milhas da Terra.

Este voo faz parte do programa Artemis da NASA, que visa enviar astronautas à superfície lunar nos próximos anos e estabelecer presença na órbita lunar. É também um passo importante para um dia atingir o objetivo final da agência de colocar sapatos em Marte.

READ  Uma mancha solar "mista" acaba de liberar uma enorme explosão solar

A cápsula Orion foi lançada no topo do foguete lunar gigante da NASA, o Sistema de Lançamento Espacial (ou SLS). Por causa dos custos excessivos e numerosos atrasos, alguns estavam céticos se o SLS algum dia sairia do papel. Na semana passada, Cyclops lançou sua cápsula Orion no espaço e em um caminho para a lua.

Com esse voo, o foguete se estabeleceu como o foguete operacional mais poderoso a atingir a órbita, superando em 15% o desempenho do Saturn V, que lançou as missões Apollo à Lua nas décadas de 1960 e 1970. Sarafin chamou o lançamento de “surpreendente”, revelando que o foguete, os propulsores de foguetes sólidos, a equipe e a espaçonave Orion até agora excederam todas as expectativas.

“Todo mundo no controle da missão está tonto”, disse Judd Freiling, gerente de voo da Artemis 1 no Johnson Space Center da NASA durante a coletiva de imprensa. “As pessoas estão maravilhadas. Os controladores de voo estão maravilhados com os incríveis vídeos e fotos vindos de Orion.”

NASA

Essas imagens incluíam algumas vistas impressionantes de Orion enquanto passava pela Lua e uma foto do pólo sul da Lua, onde as futuras missões Artemis devem pousar. A Orion também transmitiu visões da Terra à distância, aparecendo como uma minúscula bola de gude azul contra a escuridão do espaço, aparentemente como uma homenagem a Carl Sagan e à famosa imagem de um ponto azul claro tirada pela espaçonave Voyager 1.

“Éramos como crianças em uma loja de doces, assim que as fotos saíam, todos sorriam”, disse Sarafin. “Esta missão é um sonho para muitas pessoas em toda a agência e é um grande dia e uma grande realização.”

READ  Local de Impacto Misterioso de Foguetes de Reconhecimento Orbital de Reconhecimento Lunar da NASA

Assim que completar sua órbita após a passagem da Lua, Orion retornará à Terra, onde pousará no Oceano Pacífico em 11 de dezembro. O pouso, assim como o restante da missão, servirá de treinamento para futuras missões que levarão os astronautas. Como tal, o Orion está equipado com instrumentos científicos que fornecerão uma riqueza de dados para ajudar os engenheiros a entender como os astronautas serão afetados por voos futuros. Isso inclui sensores de radiação e muito mais.

“Este voo não é apenas sobre equipamento de vôo, é sobre estar o mais seguro possível.” disseram dois caixas. “A segurança de voo para nossos astronautas é fundamental.”