junho 13, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

O Telescópio Espacial Webb encontrou algo sem precedentes na Nebulosa de Orion

O Telescópio Espacial Webb encontrou algo sem precedentes na Nebulosa de Orion

Astrônomos detectaram pela primeira vez no espaço uma molécula de carbono que se acredita ser um componente essencial de toda a vida conhecida.

Uma equipe de cientistas encontrou este composto do Santo Graal na Nebulosa de Orion, um pequeno berçário a cerca de 1.350 anos-luz de distância. Isso pode parecer bobo de longe, mas na verdade é a maior região de formação estelar mais próxima da Terra.

Usando o Telescópio Espacial James Webb, um proeminente observatório cósmico liderado pela NASA e pelas agências espaciais européia e canadense, os pesquisadores não apenas capturaram uma nova imagem vibrante da região celeste – explodindo as meias da versão do Hubble – mas encontraram a nova molécula escondida dentro . Um sistema estelar jovem, conhecido como d203-506(Abre em uma nova aba). Este sistema contém um disco protoplanetário, uma espécie de Susan preguiçosa de gás e poeira orbitando o núcleo.

Os astrônomos procuram encontrar sinais de compostos de carbono no universo maior porque essa química está na raiz de toda a vida, pelo menos até onde a entendemos na Terra. Coincidentemente, a antiga cultura maia referia-se à Nebulosa de Orion como O fogo cósmico da criação(Abre em uma nova aba).

Veja também:

James Webb coleta evidências de dióxido de carbono na atmosfera do planeta distante

O sinal misterioso acabou por ser um cátion metil, uma molécula que até esta semana era relativamente desconhecida para a pessoa média. Com este anúncio, a NASA foi ainda mais longe guia de pronúncia(Abre em uma nova aba) para o termo. (Para registro, soa como “CAT-eye-on”, não as duas últimas sílabas de “sair”. Os químicos orgânicos dizem que o cátion metil ajuda a formar moléculas de carbono mais complexas.

Desde a década de 1970, os cientistas especularam que essa substância era o elo perdido entre moléculas simples e moléculas orgânicas mais complexas. Mas a evidência direta de sua existência no espaço os iludiu – até agora. A Nasa compara o papel do cátion metil a b Estação(Abre em uma nova aba)onde uma molécula pode permanecer por um tempo antes de se dirigir em uma das várias direções diferentes para interagir com outras moléculas.

“Esta descoberta não apenas valida a incrível sensibilidade do Webb, mas também confirma a suposta centralidade[do cátion metil]na química interestelar”, disse Marie-Allen Martin Drummel, uma das coautoras do novo estudo. na situação atual(Abre em uma nova aba).

A molécula, que foi detectada em torno de uma pequena estrela anã vermelha, vem de uma região com altos níveis de radiação ultravioleta.
Crédito: ESA/Webb/NASA/CSA/M. Zamani (ESA/Webb)/PDRs4ALL Equipe ERS

o A descoberta foi publicada(Abre em uma nova aba) no diário natureza Na segunda-feira, 26 de junho de 2023.

Quer mais conhecimento As notícias de tecnologia são entregues diretamente na sua caixa de entrada? Inscreva-se no boletim informativo Light Speed ​​​​do Mashable hoje.

A NASA compara o papel de um cátion metil a uma estação de trem, onde uma molécula pode permanecer por um tempo antes de seguir em uma das muitas direções diferentes para interagir com outras moléculas.

A molécula foi encontrada em uma enorme nuvem de poeira e gás que hospeda um grande número de estrelas em construção. Em seu centro estão quatro estrelas massivas conhecidas coletivamente como trapézio(Abre em uma nova aba) Porque eles estão dispostos na forma de um trapézio. A molécula, que foi detectada em torno de uma pequena estrela anã vermelha, vem de uma região com altos níveis de radiação ultravioleta do trapézio.

Os cientistas especulam que a maioria dos discos de formação de planetas são expostos à intensa radiação ultravioleta por algum tempo, porque as estrelas tendem a se formar em aglomerados que incluem estrelas massivas produtoras de ultravioleta. A trama curiosa, no entanto, é que os raios ultravioleta tendem a destruir moléculas orgânicas complexas. Nesse caso, a equipe de pesquisa acredita que a radiação pode ter fornecido a energia necessária para sua formação.

Apesar de encontrar essa molécula chave para a vida, a equipe notou que não havia outro elemento bem conhecido no sistema estelar: a água. Isso deixa mais perguntas sobre a radiação ultravioleta para os astrônomos, disse Olivier Bernie, principal autor do estudo, em um comunicado.

“Na verdade, pode desempenhar um papel importante nos primeiros estágios químicos das origens da vida”, disse ele.

READ  O sol acaba de liberar a mais forte erupção solar em quase cinco anos