agosto 14, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

O telescópio da NASA na web parece mais profundo do que o Hubble até a borda do universo

Vá em frente, Hubble. NASA é lançada na sexta-feira O maior e mais poderoso telescópio espacial Sempre construído.

O Telescópio Espacial James Webb, que é tão grande quanto uma quadra de tênis e 100 vezes mais poderoso que o Telescópio Espacial Hubble, irá expor as partes externas do universo com mais detalhes do que nunca. O Dr. Roger Windhorst, professor de Regentes da Arizona State University e James Webb Intermediate Scientist desde 2002, diz que a Web “pode ​​abrir um novo olho para o universo”.

Fornecendo novos insights sobre nosso próprio sistema solar, o novo telescópio – suas lentes gigantes de ouro e olhos infravermelhos – irá capturar imagens de algumas das primeiras estrelas e galáxias a aparecerem acima de 13,5 além do que o Hubble pode ver. De acordo com a Administração Nacional de Aeronáutica e Espaço, bilhões de anos atrás.

Vê vermelho

Dr. Windhorst disse que Hubble era o Coelhinho Energizer da NASA. Nos 31 anos desde que foi lançado em 1990, o Hubble Tirou mais de 1,5 milhão de fotos, Ajudou a revelar que o universo tem 13,8 bilhões de anos e expande nossa compreensão de como os planetas se formam.

Mas o Hubble foi projetado principalmente para capturar a luz visível, que é apenas uma pequena fração do espectro da luz emitida por estrelas e outros objetos celestes. Em contraste, a web captura o alcance da luz infravermelha invisível, mas produz a maior parte da luz que chega até nós das galáxias mais antigas e distantes do universo.

O olho humano pode ver comprimentos de onda de luz que variam de 380 a 700 nanômetros, ou um bilionésimo de metro. O Hubble vê na faixa de 90 a 2.500 nanômetros, enquanto a Web vê comprimentos de onda de luz ainda mais amplos – de 600 a 28.500 nanômetros.

Na foto do Hubble dos pilares da criação na Nebulosa da Águia, tirada da esquerda, com luz visível, nuvens de poeira obscurecem muitas estrelas nesta parte do céu. Na fotografia do Hubble da mesma área do espaço usando a visão infravermelha finita do telescópio, muitas dessas estrelas são reveladas. Os amplos recursos de infravermelho de Webb nos permitem ver isso com mais detalhes.


Foto:

NASA, ESA / Hubble e Hubble Heritage Team

O gás infravermelho atravessa nuvens de poeira, permitindo que a web detecte novas estrelas e planetas.

Vidro, vidro na web

Quanto maior o vidro de um telescópio, mais luz ele pode coletar e mais detalhadas as fotos que ele tira. O vidro folheado a ouro de 21,5 pés de largura de Webb é quase três vezes maior do que o vidro do Hubble. O que significa que pode capturar detalhes extraordinários. Pode até mostrar o rosto de Abraham Lincoln por um centavo a 38 quilômetros de distância.

James Web Space Telescope

O Web Mirror é 6,25 vezes maior do que a área de coleção do Hubble.

James Web Space Telescope

O Web Mirror é 6,25 vezes maior do que a área de coleção do Hubble.

James Web Space Telescope

O Web Mirror é 6,25 vezes maior do que a área de coleção do Hubble.

Quando a NASA lançou o Ultra Deep Field do Hubble em 2004, o mundo ficou pasmo com esta extraordinária fotografia do espaço profundo mostrando galáxias que apareceram 13 bilhões de anos atrás ou um bilhão de anos após o amanhecer cósmico.

Esta revelação mostra 10.000 galáxias fracas, incluindo um ponto vermelho raramente visível mostrado abaixo. Esta galáxia distante está entre 13,4 bilhões de anos e 410 milhões de anos após o Hubble Big Bang. O Dr. Windhurst comparou a capacidade do Hubble de detectá-lo com a visão de um vaga-lume na lua a olho nu.

Este ponto vermelho

Uma galáxia distante

Antes de 13,4

Bilhões de anos

Este ponto vermelho

Uma galáxia distante

Antes de 13,4

Bilhões de anos

Este ponto vermelho

Uma galáxia distante

Antes de 13,4

Bilhões de anos

A combinação da detecção infravermelha e do vidro grande de Webb, junto com os muitos pontos no céu, permitirá que o ponto vermelho entre na casa em grande detalhe.

A missão do Hubble era passar pelo menos 15 anos filmando o universo até 2005, mas ele ainda está em operação. Série de falhas técnicas Ameaçado fechar definitivamente em julho.

Espera-se que esta missão na web continue por cinco a 10 anos, com a NASA esperando que o telescópio faça sua primeira foto científica neste verão.

O Telescópio Espacial James Webb será lançado no final deste mês em colaboração com a NASA, a Agência Espacial Européia e a Agência Espacial Canadense. Os cientistas dizem que sua tecnologia o torna 100 vezes mais poderoso do que o Hubble e pode dar a ele a capacidade de revisitar a primeira galáxia do universo. Descrição: Adele Morgan / WSJ

Escrever para Brian McGill em [email protected]

Copyright © 2021 Dow Jones & Company, Inc. Todos os direitos reservados. 87990cbe856818d5eddac44c7b1cdeb8