julho 25, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

O papa conclui sua viagem à Mongólia e diz que a Igreja não está empenhada na conversão

O papa conclui sua viagem à Mongólia e diz que a Igreja não está empenhada na conversão

ULAANBAATAR (Reuters) – O Papa Francisco concluiu nesta segunda-feira uma visita histórica à Mongólia que ganhou conotações internacionais por causa de suas aberturas à vizinha China sobre liberdade religiosa.

No final da missa de domingo, o papa enviou cumprimentos à China, descrevendo os seus cidadãos como pessoas “nobres” e pedindo aos católicos na China que sejam “bons cristãos e bons cidadãos”.

Na segunda-feira, o Ministério das Relações Exteriores da China disse ter tomado uma posição positiva na melhoria das relações com o Vaticano.

Questionado sobre os comentários do papa na Mongólia, o porta-voz do ministério, Mao Ning, disse em entrevista coletiva que Pequim manteve contatos com o Vaticano.

O principal objetivo da viagem de Francisco foi visitar a pequena comunidade católica. Terminou na segunda-feira a sua missão de cinco dias com uma paragem para inaugurar a Casa da Misericórdia, que presta cuidados de saúde às pessoas mais necessitadas da capital mongol, bem como aos sem-abrigo, vítimas de violência doméstica e imigrantes.

Instalada numa escola convertida e idealizada pelo mais antigo clérigo católico da Mongólia, o cardeal italiano Giorgio Marengo, a Casa da Misericórdia coordenará o trabalho das instituições missionárias católicas e dos voluntários locais.

“O progresso real de um país não é medido pela riqueza económica, muito menos pelo investimento na força imaginária dos armamentos, mas pela sua capacidade de proporcionar saúde, educação e desenvolvimento integrado ao seu povo”, disse Francisco em casa.

Ele também disse que queria dissipar o “mito” de que o objetivo das instituições católicas é converter as pessoas à religião “como se cuidar dos outros fosse uma forma de motivar as pessoas a ‘se unirem’”.

A Mongólia, de maioria budista, tem apenas 1.450 católicos em uma população de 3,3 milhões, e no domingo quase toda a comunidade católica estava sob o mesmo teto com o papa.

READ  Jill Biden dá graças e molho às tropas dos EUA na Romênia

Na segunda-feira, cerca de duas dúzias de católicos chineses cercaram o comboio do Papa enquanto ele procurava as suas bênçãos.

As pessoas agitam as bandeiras da China e de Hong Kong, enquanto o Papa Francisco chega para a Divina Liturgia na Praça das Estepes, durante sua Viagem Apostólica em Ulaanbaatar, Mongólia, em 3 de setembro de 2023. REUTERS/Carlos Garcia Rollins Obtenha direitos de licenciamento

Os fiéis, que se identificaram como católicos da China continental e usavam uniformes com as palavras “Amai Jesus”, aglomeraram-se em frente à Casa da Misericórdia.

Quando a carreata de Francisco saiu da estação, eles cantaram um hino cristão dedicado ao Papa em mandarim e tentaram fugir da segurança e chegar ao seu carro. E uma das mulheres conseguiu passar pelo segurança e conseguiu a benção.

A mulher disse: “Estou tão feliz que nem consigo controlar meus sentimentos agora”.

A Mongólia fez parte da China até 1921 e a viagem do papa viu sugestões ou apelos à superpotência vizinha, já que o Vaticano tem tenso as relações com o Partido Comunista, no poder.

No sábado, em palavras que pareciam dirigidas à China e não à Mongólia, Francisco disse que os governos não tinham nada a temer da Igreja Católica porque esta não tinha agenda política.

Pequim segue uma política de “sinicização” da religião, numa tentativa de erradicar as influências estrangeiras e impor obediência ao Partido Comunista.

A constituição da China garante a liberdade religiosa, mas nos últimos anos o governo reforçou as restrições às religiões vistas como um desafio à autoridade do partido.

Em Dezembro, os Estados Unidos designaram a China, o Irão e a Rússia, entre outros, como países de particular preocupação ao abrigo da Lei da Liberdade Religiosa devido a graves violações.

READ  CDC coloca Suécia e outros dois lugares em sua lista de 'alto' risco para Covid-19

E o acordo histórico de 2018 entre o Vaticano e a China sobre a nomeação de bispos foi, na melhor das hipóteses, frágil, com o Vaticano a queixar-se de que Pequim tinha violado o acordo várias vezes.

A frase que o Papa usou no domingo – “bons cristãos e bons cidadãos” – é uma frase usada frequentemente pelo Vaticano na tentativa de convencer os governos comunistas de que dar mais liberdade aos católicos apenas ajudará os seus países a progredirem social e economicamente.

(Reportagem de Philip Bolella e Joseph Campbell; Edição de Mohamed para o Boletim Árabe) Edição de Michael Perry e Angus MacSwan

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoabre uma nova aba