outubro 2, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: atualizações ao vivo

Notícias da guerra Rússia-Ucrânia: atualizações ao vivo
atribuído a ele…Ministério de Assuntos Internos da Ucrânia, via Shutterstock

Kyiv, Ucrânia – Diana Pashko passou muitas noites sem dormir desde que seu marido, um soldado ucraniano que lutou na cidade portuária de Mariupol, no sul, foi capturado em maio pelas forças russas. Mas na noite de quarta-feira, ela disse, “era impossível dormir de tanta emoção”.

Seu marido, Lev, estava livre e logo estaria em casa.

“Duas horas de viagem e ele está de muletas e sorrindo, e parece que todos esses meses de despedida nunca aconteceram”, disse ela.

Lev foi um dos 215 soldados ucranianos libertados na quarta-feira na maior troca de prisioneiros da guerra, e os sentimentos de alegria e conforto de Pashko se espalharam por todo o país. Entre os libertados estavam 108 membros do Batalhão Azov, incluindo cinco de seus comandantes, que foram descritos pela mídia estatal russa como “nazistas”, mas que são amplamente vistos em toda a Ucrânia como heróis pela defesa de Mariupol.

Por outro lado, os ucranianos entregaram Victor Medvedchukum empresário e político ucraniano, amigo próximo do presidente russo Vladimir Putin, junto com outros 55 soldados russos, entre os quais muitos oficiais de alta patente.

“Esta é definitivamente uma vitória para o nosso país e toda a nossa sociedade”, disse o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky na quinta-feira.

Essa troca foi uma surpresa, já que apenas algumas semanas atrás, os líderes de procuração da Rússia no leste ocupado da Ucrânia disseram que os soldados Azov logo seriam levados à justiça – uma declaração que a Ucrânia e seus aliados ocidentais condenaram imediatamente. A libertação dos soldados ucranianos ocorreu poucas horas depois que Putin anunciou uma mobilização parcial de até 300.000 soldados adicionais para a guerra.

READ  Terremoto no México: um grande terremoto no estado de Michoacan seguido por um alerta de tsunami

Enquanto os ucranianos celebravam a troca de prisioneiros, a raiva reinava entre mercenários russos, falcões de guerra e blogueiros militares influentes. Eles passaram anos promovendo a ideia de que os combatentes Azov encarnam as forças “nazistas” que Moscou usou para justificar sua guerra. Irritados com o retorno quase irreconhecível de prisioneiros russos enquanto soldados ucranianos eram ativamente recebidos de volta para casa, muitos deles expressaram sua desaprovação.

Igor Girkin, um ex-coronel da KGB, deixou de ser um comandante militar de separatistas apoiados pela Rússia no leste da Ucrânia para um crítico frequente da estratégia militar do Kremlin. Em um comunicado postado no Telegram, ele chamou a troca de “estupidez surpreendente”, chamando-a de “pior que um crime e pior que um erro”.

E Andrey Medvedev, jornalista e político russo, também observou a ausência de uma cerimônia para o retorno dos soldados russos. “Aeroporto vazio, sem bandeiras, sem flores”, escreveu ele no Telegram. “É muito estranho quando nossos heróis se encontram dessa maneira.”

Na Ucrânia, já estava escuro quando soldados ucranianos libertados desceram do ônibus chorando de alegria depois de voltar para casa.

Katerina Prokopenko, esposa do comandante Azov, tenente-coronel Denis Prokopenko, viajou pelo mundo fazendo campanha pela libertação dos soldados Azov.

“Meu coração está ficando louco!” eu escrevi no Twitter.

Mais tarde na quinta-feira, Prokopenko disse que mal conseguia processar seus sentimentos. Ela disse que só falou com o marido por alguns segundos, e ele caiu em prantos enquanto ela tentava descrever o quão cansado ele parecia. “Estou apenas com medo de imaginar o que eles fizeram com ele lá, e o que vem a seguir”, disse ela.

Também está preocupado com os milhares de soldados ucranianos que ainda estão detidos pelas forças russas.

READ  Moldávia diz que a tentativa dos militares russos de recrutar seus próprios cidadãos é perigosa

Alla Samoilenko, a mãe de Ilya Samoilenko, que foi libertada, também experimentou sentimentos conflitantes. “Muitos de nossos caras ainda estão por aí, e temos boas opções de troca como temos agora?” Ela perguntou. “Precisamos lutar por eles.”