fevereiro 22, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Nikki Haley critica Trump por tentar torpedear acordo de fronteira

Nikki Haley critica Trump por tentar torpedear acordo de fronteira

Nikki Haley realiza um comício em North Charleston para iniciar sua tacada no estado de Palmetto antes das primárias do estado em 24 de janeiro de 2024 em Charleston, Carolina do Sul, EUA.

Pedro J | Anatólia | Boas fotos

A candidata presidencial republicana Nikki Haley mirou no líder do Partido Republicano, Donald Trump, no domingo, em uma tentativa de atrasar ainda mais um acordo bipartidário de fronteira que está paralisado no Congresso há meses.

“Donald Trump, a última coisa que ele precisa fazer é nos dizer para esperar até depois da eleição para concluir o acordo sobre a fronteira. Não podemos esperar mais um dia”, disse Haley no programa “Meet the Press”, da NBC.

Ela se junta ao coro de chamadas Congresso Um acordo sobre a segurança das fronteiras deverá ser alcançado em breve. Notavelmente ausente das pessoas com quem os legisladores exigem um acordo: Trump. Ele tem insistido em exortar os legisladores do Partido Republicano a não aprovarem o projeto de lei de fronteira até que todas as caixas da lista de desejos republicanos sejam verificadas.

Trump disse em um comício em Las Vegas no sábado: “Por favor, por favor, me culpe, porque eles vão aprovar um projeto de lei muito ruim. Nunca tive um projeto de lei pior do que um projeto de lei ruim”.

Atrasar o acordo num ano eleitoral permite a Trump continuar a culpar o Presidente Joe Biden, o seu adversário nas eleições gerais de 2024, pela actual crise fronteiriça e defender um dos principais pontos de discussão da sua campanha.

“A verdade é que se Joe Biden realmente quer proteger a fronteira, ele realmente não precisa de um projeto de lei”, disse Trump no sábado.

READ  O crescimento do emprego nos EUA superou as expectativas anteriores com 336.000 novas vagas

Os legisladores republicanos e democratas têm oscilado sobre o acordo desde pelo menos outubro, quando Biden propôs inicialmente um pacote de financiamento de emergência para apoiar a Ucrânia e Israel e fortalecer a fronteira sul dos EUA.

Desde então, o pacote estagnou, uma vez que a fronteira se tornou o principal ponto de conflito.

Os membros do Congresso garantiram que houve progresso na obtenção de uma resolução. Por exemplo, no domingo, o senador Chris Murphy, democrata de Connecticut, reiterou que o texto do acordo poderia ser concluído nas próximas semanas. Mas Biden e outras autoridades pressionaram repetidamente os legisladores para que avançassem rapidamente nas negociações.

A situação na fronteira tornou-a uma questão eleitoral fundamental nas eleições presidenciais de 2024, onde Biden teve uma fraca votação.

Entretanto, a crise na fronteira agravou-se com um número recorde de migrantes Uma jornada perigosa O influxo para a América sobrecarregou cidades de todo o país, que afirmam não ter infra-estruturas adequadas para satisfazer as necessidades básicas dos imigrantes que chegam.

Os republicanos da Câmara estão a tentar demitir o secretário de Segurança Interna, Alejandro Mayorkas, devido à crise fronteiriça, que consideram ser um abandono do dever. No domingo, eles divulgaram suas acusações formais, o próximo passo em sua candidatura de impeachment.