maio 22, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

NASA abre amostra selada da Lua Apollo desde 1972

NASA abre amostra selada da Lua Apollo desde 1972

No que diz respeito a Claret, 1972 foi um Um ano sombrio para o vinho mundialmente famoso. Mas a NASA está confiante de que o Vale do Taurus Litro na lua não sofreu a mesma estação chuvosa de Bordeaux, na França, naquele ano.

agência espacial dos EUA Preparando-se para se livrar Uma embarcação muito especial, não vinho, mas uma amostra de rochas lunares e regolito que foram selados por 50 anos depois que os astronautas da Apollo 17 Eugene Cernan e Harrison “Jack” Schmidt rasparam o material da superfície lunar em dezembro de 1972.

O programa de análise de amostras Apollo Next Generation da NASA abrirá o tubo de metal selado de 3,81 cm x 35,56 cm no Johnson Space Center em Houston, Texas, na esperança de que a amostra possa ensinar à NASA as ferramentas e procedimentos necessários para coletar boas amostras da Lua no próximo período. programa Artemis. A missão Artemis III da NASA, programada para algum momento de 2025, retornará humanos à lua pela primeira vez desde a Apollo 17 para amostrar do pólo sul da lua.

“Compreender a história geológica e a evolução das amostras lunares nos locais de pouso da Apollo nos ajudará a nos preparar para os tipos de amostras que podem ser encontradas durante o Artemis”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da Diretoria de Missões Científicas da NASA, em um comunicado.

As amostras lunares foram seladas duas vezes, e a equipe da NASA começou a perfurar o selo externo em 11 de fevereiro, monitorando cuidadosamente qualquer gás que pudesse vazar do selo interno, indicando uma falha do selo interno.

Nenhum gás foi detectado e, em 23 de fevereiro, a NASA começou a romper o selo interno, um processo que provavelmente levará várias semanas, de acordo com Blogue da NASA. Os cientistas esperam capturar quaisquer gases voláteis, como vapor de água e dióxido de carbono, que foram liberados pelo derretimento da amostra nas últimas cinco décadas. Técnicas como a espectroscopia de massa avançaram muito desde a década de 1970, e os cientistas esperam estudar esses voláteis em detalhes, impossíveis aos cientistas de 50 anos atrás.

READ  Assista ao Rocket Lab lançar 2 satélites BlackSky em órbita hoje

Esse era o objetivo de manter algumas das amostras da Apollo armazenadas por todo esse tempo, de acordo com Laurie Gleese, diretora da Divisão de Ciência Planetária na sede da NASA.

“A agência aprendeu que a ciência e a tecnologia vão avançar e permitir que os cientistas estudem materiais de novas maneiras para abordar novas questões no futuro”, disse ela em comunicado.