outubro 5, 2022

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Museu de Auschwitz mira propaganda russa nas redes sociais | Notícia

Museu de Auschwitz mira propaganda russa nas redes sociais |  Notícia

Postagens de mídia social falsamente alegavam mostrar pôsteres anti-russos colocados ao redor do antigo campo de extermínio de Auschwitz, na Polônia.

O Museu Auschwitz-Birkenau alegou que foi alvo de propaganda “primitiva” espalhada por agências estatais russas nas redes sociais.

O museu disse na sexta-feira que postagens de mídia social alegavam falsamente mostrar pôsteres anti-russos colocados ao redor do antigo local do campo de extermínio de Auschwitz, no sul da Polônia, uma área sob ocupação alemã durante a Segunda Guerra Mundial.

As fotos falsas foram publicadas por sites oficiais russos, incluindo a delegação russa de controle de armas em Viena, e retuitadas pelo Ministério das Relações Exteriores da Rússia.

O museu disse em um comunicado que destacar as fotos falsas parece ter como objetivo retratar os russos como alvos malignos da russofobia.

Algumas publicações alegaram que os cartazes eram obra de ucranianos.

O museu disse: “O uso do memorial de Auschwitz-Birkenau para propaganda que dá credibilidade à suposta russofobia e fortalece as teorias sobre a necessidade de desnazificar a Ucrânia deve ser combatido por todos os intelectuais ao redor do mundo”.

“Rússia e os russos”, cartazes que aparecem em fotos falsas dizem: “O único gás que você e seu país merecem é o Zykon B”, referindo-se ao gás que os alemães usaram no assassinato em massa de judeus e outros em campos durante uma guerra.

READ  Um turista americano atirou uma scooter na Escadaria de Espanha, em Roma, causando danos de 25.000€ | Itália

Várias publicações online afirmaram que cartazes anti-russos apareceram em 22 de junho, aniversário da invasão da União Soviética pela Alemanha nazista em 1941. O exército da União Soviética libertou Auschwitz em 1945.

O Museu de Auschwitz disse que nenhum desses adesivos foi encontrado nos locais retratados nas fotos compartilhadas nas mídias sociais e que as câmeras de segurança não pegaram ninguém afixando nada nos locais até 22 de junho.

O museu disse que uma análise mostrou que as imagens foram manipuladas e os pôsteres adicionados digitalmente.

“Tudo indica que as imagens são manipulações”, disse o museu em comunicado, descrevendo as imagens como “propaganda primitiva e grosseira”.

Quando a Rússia invadiu a Ucrânia em 24 de fevereiro, o presidente Vladimir Putin disse que o objetivo era “desacreditar” a Ucrânia, cujo presidente democraticamente eleito é judeu e que perdeu seus familiares no Holocausto.

Mais de 1,1 milhão de pessoas, a maioria judeus, foram mortos pelos nazistas e seus colaboradores em Auschwitz.