fevereiro 24, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Japão pede aos militares dos EUA que aterrem aviões Osprey após acidente fatal

Japão pede aos militares dos EUA que aterrem aviões Osprey após acidente fatal

Um navio e um helicóptero da Guarda Costeira japonesa conduzem uma operação de busca e resgate no local onde um avião militar V-22 Osprey dos EUA caiu no mar perto da ilha de Yakushima, província de Kagoshima, Japão, em 30 de novembro de 2023, nesta foto tirada pela Kyodo. Crédito obrigatório Kyodo via Reuters Obtenção de direitos de licenciamento

TÓQUIO (Reuters) – O Japão disse que pediu aos Estados Unidos que suspendessem todos os voos não emergenciais do V-22 Osprey sobre seu território depois que um deles caiu no mar na quarta-feira, no oeste do Japão, no primeiro acidente fatal de avião militar dos EUA no país. Em cinco anos.

A causa do acidente, ocorrido durante uma missão de treinamento de rotina, que matou pelo menos uma pessoa, é atualmente desconhecida, disse a Força Aérea dos EUA. As operações de busca e resgate para encontrar os sete tripulantes restantes continuam.

O ministro da Defesa japonês, Minoru Kihara, disse: “A ocorrência de tal acidente causaria grande preocupação à população da região… Pedimos ao lado americano que conduza voos para aeronaves Osprey estacionadas no Japão depois de garantir a segurança desses voos.” No Parlamento na quinta-feira.

Outro funcionário do Ministério da Defesa japonês disse que as Forças de Autodefesa do Japão, que também operam aeronaves Osprey, suspenderão os voos das aeronaves de transporte até que as circunstâncias do acidente sejam esclarecidas.

Falando aos repórteres no final da noite, Kihara confirmou relatos de que os militares dos EUA ainda estavam operando Ospreys, dizendo que o Escritório Regional de Defesa do Japão contabilizou 20 pousos e decolagens de Ospreys em torno de bases dos EUA até as 15h30 de quinta-feira.

READ  Professores e funcionários públicos do Reino Unido se juntam à greve em massa para marcar a 'quarta-feira de saída'

Um porta-voz das Forças Militares dos EUA no Japão não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

“Nosso foco está nas operações contínuas de busca e resgate e oramos por um retorno seguro”, disse Rahm Emanuel, embaixador dos EUA no Japão, em um post no X.

A mídia informou que testemunhas disseram que o motor esquerdo do avião parecia estar pegando fogo quando ele se aproximou do aeroporto para fazer um pouso de emergência em meio a tempo claro e ventos fracos.

Desenvolvido pela Boeing (BA.N) e pela Bell Helicopter, a aeronave híbrida V-22, que pode pousar e decolar como um helicóptero e voar como uma aeronave de asa fixa, é operada pela Força Aérea, Corpo de Fuzileiros Navais e Marinha dos EUA. Forças Democráticas Sírias.

A implantação do avião no Japão tem sido controversa, com os críticos da presença militar dos EUA nas ilhas do sudoeste dizendo que é propenso a acidentes. Os Estados Unidos e o Japão dizem que é seguro.

“É muito lamentável e não deveria acontecer”, disse Kihara aos repórteres na noite de quinta-feira, em resposta a uma pergunta sobre sua opinião sobre o incidente ocorrido na região sudoeste do Japão, onde a maioria dos fuzileiros navais dos EUA está estacionada.

O Japão acolhe a maior concentração do poder militar dos EUA no estrangeiro, sendo o país sede do grupo de ataque de porta-aviões dos EUA, do Centro de Transporte Aéreo Asiático, de esquadrões de caça e da Força Expedicionária de Fuzileiros Navais dos EUA.

Em Agosto, um avião Osprey dos EUA caiu na costa do norte da Austrália enquanto transportava tropas durante um exercício militar de rotina, matando três fuzileiros navais dos EUA.

READ  Yellen pede que Europa aumente ajuda à Ucrânia

Outro avião caiu no oceano ao largo da ilha de Okinawa, no sul, em dezembro de 2016, o primeiro incidente deste tipo no Japão, o que levou os militares dos EUA a imobilizarem temporariamente o avião.

O último acidente fatal de um avião militar dos EUA no Japão ocorreu em 2018, quando uma colisão aérea durante um exercício de treinamento matou seis pessoas, segundo o Ministério da Defesa.

(Reportagem de Chang-ran Kim, Kantaro Komiya, Tim Kelly e Sakura Murakami – Preparado por Muhammad para o Boletim Árabe) Escrito por John Geddy. Editado por Kim Coghill, Gerry Doyle e Bernadette Baum

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

Kantaro escreve sobre tudo, desde indicadores econômicos japoneses até mísseis norte-coreanos e regulamentação global de empresas de inteligência artificial. Suas histórias anteriores foram publicadas na Associated Press, Bloomberg, The Japan Times e Rest of the World. Kantaro, natural de Tóquio, formou-se na DePauw University, nos Estados Unidos, e recebeu o 2020 Scholar Award da Foreign Press Club Foundation.