junho 21, 2024

Minuto Mais

Informações sobre Brazil. Selecione os assuntos que você deseja saber mais sobre no Journaloleme

Israel Gaza: Netanyahu promete continuar a guerra em meio à condenação de ataques aéreos

Israel Gaza: Netanyahu promete continuar a guerra em meio à condenação de ataques aéreos

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, prometeu continuar a guerra contra o Hamas em meio à condenação internacional do ataque aéreo que matou dezenas de palestinos em Rafah no domingo.

Pelo menos 45 pessoas foram mortas, de acordo com o Ministério da Saúde administrado pelo Hamas, enquanto centenas de outras foram tratadas de queimaduras graves, fraturas e ferimentos por estilhaços.

Netanyahu disse que o ataque foi um “acidente trágico”, mas acrescentou: “Não pretendo acabar com a guerra antes de atingir todos os objetivos”.

Ele disse que era necessário que Israel tomasse “todas as precauções possíveis” para proteger os civis e insistiu que as FDI estavam fazendo “o seu melhor para não prejudicar os não participantes” no conflito.

  • autor, Paulo Adams
  • Papel, BBC Notícias
  • Relatório de Jerusalém
Explicação em vídeo, No local do ataque mortal israelense em Rafah

O Conselho de Segurança da ONU realizará uma reunião de emergência na terça-feira, a pedido da Argélia, para discutir o ataque a Rafah.

Num comunicado divulgado na segunda-feira, o secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que o ataque “matou dezenas de civis inocentes que apenas procuravam abrigo neste conflito mortal”.

“Não há lugar seguro em Gaza”, disse ele. “Este horror deve parar”.

Netanyahu, que discursava no parlamento israelita, foi ocasionalmente assediado por familiares de reféns feitos pelo Hamas durante o ataque de 7 de Outubro, alguns dos quais o criticaram por não ter conseguido chegar a um acordo para devolver os seus entes queridos. Que.

Ele acrescentou: “Em Rafah já evacuámos cerca de um milhão de não-combatentes e, apesar dos nossos melhores esforços para não prejudicar os não-combatentes, infelizmente algo correu tragicamente mal”.

Ele acrescentou: “Estamos investigando o incidente e chegaremos a conclusões porque esta é a nossa política”.

Organizações internacionais fizeram fila para condenar o ataque, com a União Europeia insistindo que Israel respeitasse a decisão emitida pelo Tribunal Internacional de Justiça na semana passada para impedir os ataques a Rafah. Josep Borrell, o principal diplomata da União Europeia, descreveu a greve de domingo como “horrível”.

Apesar da decisão do TIJ, Israel prometeu continuar a invasão de Rafah, com as autoridades insistindo que a decisão deixou espaço para ataques para cumprir o direito internacional.

O Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Volker Türk, disse que o ataque indica que “não houve nenhuma mudança clara nos métodos e meios de guerra utilizados por Israel, que já levaram à morte de muitos civis”.

Israel lançou o ataque a Rafah no domingo, horas depois do primeiro ataque com mísseis do Hamas a Tel Aviv em vários meses.

Oficiais do exército israelense disseram que o ataque a Rafah levou ao assassinato de dois altos líderes do Hamas e que o exército estava investigando o assassinato de civis na área.

Mas o Crescente Vermelho Palestiniano disse que o ataque aéreo teve como alvo tendas para pessoas deslocadas perto de uma instalação da ONU em Tal al-Sultan, cerca de dois quilómetros a noroeste do centro de Rafah.

Videoclipes do local do acidente na área de Tal Al-Sultan, na noite de domingo, mostraram uma grande explosão e incêndios.

Imagens de vídeo mostraram vários edifícios em chamas ao lado de uma placa que dizia “Acampamento de Paz No. 1 do Kuwait”, além de médicos e transeuntes carregando vários corpos.

Os Médicos Sem Fronteiras disseram na segunda-feira que uma de suas instalações recebeu pelo menos 28 mortos, incluindo mulheres e crianças, após a operação.

Afirmou que tratou outros 180 palestinos feridos, a maioria dos quais sofreu ferimentos graves resultantes de estilhaços, fraturas, ferimentos e queimaduras.

Os Médicos Sem Fronteiras rejeitaram os relatórios israelitas de que o ataque foi preciso, dizendo que “o ataque a um campo povoado na chamada ‘zona segura’ em Rafah mostra um completo desrespeito pelas vidas dos civis em Gaza”.

Os Estados Unidos descreveram as imagens como “comoventes”, mas insistiram que Israel tinha o direito de se defender.

Um porta-voz de segurança nacional da Casa Branca disse: “Israel tem o direito de perseguir o Hamas, e entendemos que este ataque matou dois importantes terroristas do Hamas responsáveis ​​por ataques contra civis israelitas”.

Mas reconheceram que “Israel deve tomar todas as precauções possíveis para proteger os civis”.

As autoridades israelenses passaram grande parte da segunda-feira tentando descobrir o que aconteceu de errado em Rafah. Israel está sob pressão para explicar como um “ataque de precisão” usando munições especializadas com “ogivas discretas” levou a uma tempestade de fogo que matou dezenas e feriu outras dezenas.

Altos oficiais militares, incluindo o major-general Yifat Tomer Yerushalmi, advogado-geral das FDI, prometeram uma investigação abrangente e espera-se uma explicação mais detalhada.

No entanto, se este incidente marcou um ponto de viragem na campanha é outra questão.

Netanyahu disse que continua comprometido com o que chama de “vitória total” em Rafah, portanto não há indicação de que o desastre de domingo o faça mudar de ideia.

A campanha militar israelita em Gaza começou depois de militantes do Hamas atacarem Israel em 7 de Outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e levando outras 252 como reféns para Gaza.

Mais de 36 mil palestinos foram mortos na guerra desde então, de acordo com o Ministério da Saúde administrado pelo Hamas em Gaza.

READ  Os ataques à usina nuclear ucraniana levaram o secretário-geral das Nações Unidas a pedir uma zona desmilitarizada